Sepultura: Paulo Jr. e Eloy Casagrande falam sobre o novo álbum

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Leonardo Daniel Tavares da Silva, Fonte: eonline
Enviar correções  |  Comentários  | 

Matéria de 26/07/13. Quer matérias recentes sobre Rock e Heavy Metal?

A revista digital EOnline, do SESC de São Paulo aproveitou o show do SEPULTURA no dia 19 de julho na unidade de São Caetano, SP, para bater um papo com o baixista Paulo Jr. e com o baterista Eloy Casagrande. Trechos da conversa você confere abaixo.

2341 acessosMax, Igor e Sepultura: vídeo compara performances ao vivo5000 acessosMetallica: noiva toca "Master..." na bateria no casamento

Foto: arquivo pessoal
Foto: arquivo pessoal
Foto: Modern Drummer
Foto: Modern Drummer

EOnline – Qual o nome e qual o conceito do disco novo do Sepultura?

Eloy – O conceito é o que o nome já diz. O disco se chama “The Mediator Between Head and Hands Must Be The Heart” (O mediador entre a cabeça e as mãos deve ser o coração). O conceito disso é: hoje nós vivemos em um mundo cheio de máquinas e tecnologia, e devemos deixar isso de lado às vezes e trabalhar com o coração. Basicamente é isso!

EOnline – É algo diferente da linha do SEPULTURA? O nome é diferente do comum da banda!

Eloy – É um progresso!

Paulo – É um progresso. Todo mundo questionou o nome do disco por ser uma frase. Geralmente os nomes dos discos têm apenas uma ou duas palavras. A ideia foi essa mesmo. A gente sabia que isso ia causar algum tipo de reação.

EOnline – O que faz com que uma banda brasileira, mesmo cantando em inglês, consiga tanto sucesso assim?

Paulo – Acho que é um pouco de tudo! Estar no lugar certo na hora certa, sorte, trabalho duro, tocar bastante.

Eloy – Quando eu era apenas um fã deles (SEPULTURA), eu já notava. Eles criaram um conceito de rock. Todas as bandas desse estilo nasceram influenciadas pelo Sepultura. Eles foram pioneiros.

Paulo – Na nossa época muita gente largou a música, voltou para os estudos e não acreditou que a banda iria pra frente. Nós abraçamos e acreditamos. Escolhemos um nome para assustar as “tias” de Minas Gerais e hoje até elas amam a gente.

A entrevista completa você pode ler no site abaixo.

http://www.sescsp.org.br/online/artigo/6810_PARA+ENTENDER+O+...

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Max, Igor e SepulturaMax, Igor e Sepultura
Vídeo compara performances ao vivo

2539 acessosSepultura: Jean Dolabella comenta sobre documentário da banda0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Sepultura"

Andreas KisserAndreas Kisser
Opiniões sobre metal, impeachment, religião e mais

Max CavaleraMax Cavalera
De onde vem tanta inconveniência?

SepulturaSepultura
Chuck Billy relembra teste que fez para entrar na banda

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Sepultura"

MetallicaMetallica
Noiva toca "Master..." na bateria no casamento

MegadethMegadeth
Electra mostra para Kiko como está fera no Português

Em 08/03/1995Em 08/03/1995
Ingo, baterista do Helloween, comete suicídio

5000 acessosKiss: vídeo com Gene Simmons em cena de sexo?5000 acessosA importância da revista Playboy na vida de alguns rockstars5000 acessosDiscórdia: alguns dos maiores insultos entre artistas5000 acessosMotörhead: "sem eles não existiria Metallica ou Guns"5000 acessosLinkin Park: participante do The Voice Brasil emociona com "In The End"5000 acessosSom Alto?: também gosta de maconha e sexo sem proteção?

Sobre Leonardo Daniel Tavares da Silva

Daniel Tavares nasceu quando as melhores bandas estavam sobre a Terra (os anos 70), não sabe tocar nenhum instrumento (com exceção de batucar os dedos na mesa do computador ou os pés no chão) e nem sabe que a próxima nota depois do Dó é o Ré, mas é consumidor voraz de música desde quando o cão era menino. Quando adolescente, voltava a pé da escola, economizando o dinheiro para comprar fitas e gravar nelas os seus discos favoritos de metal. Aprendeu a falar inglês pra saber o que o Axl Rose dizia quando sua banda era boa. Gosta de falar dos discos que escuta e procura em seus textos apoiar a cena musical de Fortaleza, cidade onde mora. É apaixonado pela Sílvia Amora (com quem casou após levar fora dela por 13 anos) e pai do João Daniel, de 1 ano (que gosta de dormir ouvindo Iron Maiden).

Mais matérias de Leonardo Daniel Tavares da Silva no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online