Matérias Mais Lidas

imagemTravis Barker, do Blink-182, é hospitalizado às pressas e filha pede orações

imagemCuecão de couro: Rob Halford posa com suas "great balls of fire" em camarim

imagemVeja diz que David Coverdale só passa vergonha nas redes sociais

imagemKerry King explica por que não assumiu o posto de guitarrista do Megadeth

imagemQuando Jimi Hendrix chamou Eric Clapton para subir no palco e afinar sua guitarra

imagemIggor Cavalera diz que reunião da formação clássica do Sepultura seria incrível, mas...

imagemMike Portnoy e a música do Rush que virou um grande sucesso do Guns N' Roses

imagemA fundamental diferença entre Paulo Ricardo e Schiavon que levou RPM ao fim

imagemA resposta de John Lennon quando perguntado se retornaria aos Beatles em 1975

imagemNergal diz que Behemoth é mais que anti-religião e emociona-se com LGBTQ e aborto

imagemSammy Hagar conta como uma Ferrari fez ele entrar para o Van Halen

imagemSlash explica por que rejeitou Corey Taylor no Velvet Revolver

imagemO clássico dos Paralamas que Gilberto Gil escreveu a letra e ditou pelo telefone

imagemCinco álbuns que serão lançados no segundo semestre de 2022 e merecem a sua atenção

imagemCinco músicas que são covers, mas você acha que são as versões originais - Parte 2


Stamp

Michael Schenker: Gênio comemora hoje 59 anos de idade

Por Ronaldo Celoto
Fonte: Pessoal
Em 10/01/14

Falar de alguém como MICHAEL SCHENKER é simplesmente "chover no molhado". Ao lado de ULI JON ROTH, ele é o expoente definitivo do que viria a ser o metal clássico do futuro. E, um dos guitarristas mais criativos de todos os tempos, diga-se de passagem. Para homenageá-lo na data de hoje, em que ele completa 59 anos de idade (com a proeza de, já aos dezesseis anos, ter gravado o álbum "Lonesome Crow" com o SCORPIONS), resolvi falar de um de seus trabalhos mais energéticos, numa mini-resenha (que na verdade não é uma resenha): o fantástico "Force It" (1975), do grupo UFO.

É um disco que poderia ser chamado de "ruído silencioso" ou "peso melódico", tamanha a genialidade de seus contrastes. É como imaginar um ataque de aviões ao som de JOHAN SEBASTIAN BACH. Já na primeira faixa, tínhamos "Let It Roll", petardo do rock, com levadas cavalgadistas que influenciaram canções oitentistas como "Where Eagles Dare" e "Phantom Of The Opera" (IRON MAIDEN), "The Oath" (MERCYFUL FATE), "Overture" (DEF LEPPARD), "In My Darkest Hour" (MEGADETH), "Hell Patrol" (JUDAS PRIEST), "You'll Always Walk Alone" (HELLOWEEN). Ou seja, não é preciso dizer mais. A seguir, a alegre "Shoot Shoot", um rock direto, à lá AC/DC e KISS, com refrões pegajosos. A quebrada viria com "High Flyer", uma balada psicodélica que navega na alma imaginária do ouvinte, como se ele estivesse a ler a obra "Fernão Capelo Gaivota", pois o solo de MICHAEL realmente contracena com um vôo em direção à eternidade.

A magnífica "Love Lost Love" dá asas às imaginárias corridas de carros, com um riff também sensacional (difícil deixar de elogiar a qualidade deste guitarrista), que mescla lirismo e agressividade. Parece que estamos numa autoestrada em direção a algum acampamento, todos juntos, amigos em plena adolescência, correndo sem ter pressa de chegar. E então chegamos a "Out In The Street", uma canção com temática urbana...daquelas em que você anda de táxi e saboreia os letreiros e mais letreiros, pede ao motorista para andar e andar, e, fica vendo expressões e rostos pela noite.

MICHAEL, mais uma vez, é espetacular em todas as passagens. "Mother Mary" faz as vezes da música mais pesada, certeira, contracenando com a sua incrível capacidade de fazer riffs, neste caso, lembrando o inconfundível estilo de "Voodoo Chile", de HENDRIX. "Too Much Of Nothing" é a canção mais ‘misteriosa’ do disco...começa com cozinha de bateria, guitarra e voz entusiásticas, refrão denso e triste, mas de repente, emblema uma fusão sequencial de guitarra e bateria intermináveis, como se MICHAEL passasse a palheta sobre as cordas sem que se pudesse ouvir o toque dos dedos (coisa de violinista) e a bateria o acompanhasse sem pressa...imagine um kamikase em plena segunda guerra sabendo que seu fim chegará, mas que resolve aceitar a morte relembrando os doces presságios de seu velho pai...esta é a sensação.

E por fim, "This Kids/Between The Walls" prossegue, matadora, pesada, estilo metralhadora. Já vimos isso em canções dos anos 80 e 90 em quase todas as bandas de Metal melódico que se conheça. Mas estamos falando de MICHAEL SCHENKER.

Enfim, é apenas uma mini-homenagem a um dos maiores guitarristas da história. Infelizmente, não tive tempo de escrever uma biografia digna a respeito de MICHAEL. Mas, deixo-vos como presente quatro canções de seu fantástico DVD/CD acústico, gravado em 1992.

Novamente, querido MICHAEL SCHENKER, receba de todos nós, leitores da Whiplash.Net, um parabéns pelas merecidas 59 primaveras!!!




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


Michael Schenker: os convites que recebeu de Ozzy, Aerosmith e Deep Purple

Michael Schenker: o álbum que fez as pessoas o chamarem de "deus da guitarra"

Michael Schenker: Scorpions não faz nada que presta há 23 anos


Axl Rose: "ele é um fracassado", diz mulher de Slash


Sobre Ronaldo Celoto

Natural do Estado de São Paulo, é escritor, professor, poeta e consultor em direito, política e gestão pública. Bacharel em Direito, com Mestrado em Ciência Política, atualmente cursa Doutorado em Direito, Justiça e Cidadania pela Universidade de Coimbra. Além destas atividades, dedica diariamente parte de seu tempo à pesquisa e produção de artigos científicos, contos, romances, matérias jornalísticas, biografias e resenhas. Seus interesses pessoais são: cinema, política, jornalismo, literatura, sociologia das resistências, ética, direitos humanos e música.

Mais matérias de Ronaldo Celoto.