Matérias Mais Lidas

imagemTravis Barker, do Blink-182, é hospitalizado às pressas e filha pede orações

imagemKerry King explica por que não assumiu o posto de guitarrista do Megadeth

imagemVeja diz que David Coverdale só passa vergonha nas redes sociais

imagemA fundamental diferença entre Paulo Ricardo e Schiavon que levou RPM ao fim

imagemQuando Jimi Hendrix chamou Eric Clapton para subir no palco e afinar sua guitarra

imagemMike Portnoy e a música do Rush que virou um grande sucesso do Guns N' Roses

imagemCinco álbuns que serão lançados no segundo semestre de 2022 e merecem a sua atenção

imagemO clássico dos Paralamas que Gilberto Gil escreveu a letra e ditou pelo telefone

imagemA resposta de John Lennon quando perguntado se retornaria aos Beatles em 1975

imagemSlash explica por que rejeitou Corey Taylor no Velvet Revolver

imagemNergal diz que Behemoth é mais que anti-religião e emociona-se com LGBTQ e aborto

imagemKiko Loureiro explica por que acha uma merda seu solo de guitarra em "Rebirth"

imagemCinco músicas que são covers, mas você acha que são as versões originais - Parte 2

imagemO dia que filhos dos Titãs foram retirados de show e Nando Reis quase foi preso

imagemPaul Di'Anno recebe autógrafo de Rivellino e fica feliz da vida; "Te vejo ano que vem?"


Stamp

Talking Heads: O encontro entre Coringa e Hannibal Lecter

Por Paulo Severo da Costa
Em 18/03/14

Aclamada como um dos pontos de intersecção entre a secura punk e o lirismo do art rock, "Psycho Killer"foi o segundo single do TALKING HEADS, produto da líquida e esquizóide mente de DAVID BYRNE- um sujeito que mistura surrealismo e LOU REED com a mesma facilidade que um cozinheiro de botequim frita bolinho de bacalhau. Definida como "new wave travestida de balada", a faixa – que já fazia parte do repertório de um projeto anterior de BYRNE- The Artistic" , se tornou o aríete da carreia da banda e entrou de sola na cultura pop- endossando de games a episódios dos Simpsons.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Em tradução, "Pshycho" é ambígua e, como muito coisa assinada por BYRNE, necessitaria do apoio de um tratado de semiótica para ser dissecada. Trechos como "Não pareço que possa encarar os fatos/Estou tenso e nervoso, não consigo relaxar/Não consigo dormir, a cama está em fogo/Não toque em mim, sou realmente um arame vivo" parecem fazer remissão ao "assassino serial"; em outros momentos frases como "Você começa uma conversa que nem pode terminar/Você está falando bastante mas não está dizendo nada/Quando não tenho nada a dizer meus lábios ficam selados/Dizer uma coisa uma vez, por que dizê-la novamente?" dão o contraponto na narrativa , apontando o que poderia ser um conflito doméstico- o que seria dos resenhistas se esses questionamentos prosaicos não existissem?

Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva

Entretanto, como é peculiar aos autores, BYRNE não poderia perder a passada e, em declaração em 2006, soltou a pérola- "Quando comecei a escrever isto, imaginei ALICE COOPER fazendo uma balada do estilo de RANDY NEWMAN. Tanto o Coringa quanto Hannibal Lecter eram muito mais fascinante do que os mocinhos. Todos torcemos para para os bandidos nos filmes". Entenderam agora?

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Quais são os melhores filmes sobre Rock and Roll? (vídeo)




Sobre Paulo Severo da Costa

Paulo Severo da Costa é ensaísta, professor universitário e doente por rock n'roll. Adora críticas, mas não dá a mínima pra elas. Email para contato: [email protected]

Mais matérias de Paulo Severo da Costa.