Kreator: "A raça humana precisa ser orientada sobre o que fazer", diz Petrozza

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por João Paulo da Silva Brito, Fonte: Blabbermouth, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 

Matéria de 25/12/16. Quer matérias recentes sobre Rock e Heavy Metal?

Jason Cenador, da MariskalRock TV, conduziu uma entrevista com o guitarrista/vocalista Mille Petrozza, do KREATOR.

967 acessosThrash: o Big 4 dos EUA Vs. o Big Teutonic 4 da Alemanha5000 acessosGastão Moreira: A coleção do VJ, apresentador e jornalista musical

SOBRE A INSPIRAÇÃO PARA O TÍTULO "GODS OF VIOLENCE", DO NOVO ÁLBUM:

Mille: "o conceito original falava sobre os antigos deuses gregos. Na Grécia Antiga, para cada faceta humana, havia um deus. Havia o deus do amor, o deus da paz, da violência. Eu queria escrever um álbum conceitual sobre como esses ícones são relevantes ainda hoje. Violência, para mim, é parte da natureza humana. Como lidar com isso hoje em dia me deu a inspiração para este registro."

Sobre o significado da palavra "violence" para ele e para o KREATOR:

Mille: "é uma ideia, mas a mensagem é sobre a paz. Não me entenda mal: é a violência que você canaliza e torna em algo positivo. Por exemplo, você vai a um show, e entra num mosh, despindo-se de toda a violência em um bom sentido, se livrando de todas as emoções negativas. Outro exemplo: você pega a sua guitarra e começa uma banda de Metal. Escreve os riffs mais violentos possíveis. Você transforma o negativo em algo positivo. Essa é a minha filosofia. A violência brutal primitiva está errada. Ela causa guerras, dor, terror, miséria, e não é isso que queremos promover. Queremos promover uma boa perspectiva. Na minha opinião, devemos todos nos dar bem e aproveitar muito da atitude hippie. Queremos que o Mundo seja um lugar pacífico. Isso não funciona, mas eu jogo com essas palavras: "violência", "morte", "terror". É também um reflexo da sociedade; é um espelho."

Sobre a linha "devemos matar", usada na faixa-título do novo álbum:

Mille: "isso foi baseado nos Dez Mandamentos. Um dos Mandamentos diz: "Não matarás". Hoje em dia as pessoas parecem estar com tanta... raiva. Elas sufocam suas próprias emoções, sufocam tudo o que poderia ser bom nas vidas delas colocando merda em suas cabeças. É por isso que existe o "devemos matar". Numa mão, devemos matar tudo o que é negativo, e na outra, "devemos matar" é baseada num Mandamento. É um duplo sentido."

Sobre a eleição de Donald Trump:

Mille: "só posso dizer isso: política tem sido uma mentira para mim. Ela é corrupta e má. Mas, na outra mão, a raça humana precisa ser orientada sobre o que fazer. Existem tantos políticos no Mundo tentando fazer da sua vida algo miserável, que não devemos deixá-los assumir o poder. Devíamos viver nossas vidas sem sofrer horror por essas pessoas. Elas sempre vão estar lá, seja nos rostos dos mais novos ou nos dos mais velhos. As coisas vão ficar bem, eu não me preocuparia. Não haverá uma Terceira Guerra Mundial. Duvido muito."

Sobre qual canção do KREATOR seria mais apropriada para Trump:

Mille (sorrindo): "World War Now, a primeira canção do disco."

Sobre o que inspira as letras do KREATOR:

Mille: "as pessoas sempre esperam que eu seja uma figura política. Eu não. Apenas pego minhas influências de fontes políticas pois, na política, há muitas forças do mal no poder. Isso me dá um monte de material metafórico para trabalhar com as minhas letras. Não sou um grande fã de políticos. Não gosto de muitos deles. Acho que essas pessoas, muitas delas, são corruptas. Provavelmente há alguns bons, mas uma vez que ingressam no poder, toda a bondade se vai. Uma vez que ingressam no poder, elas ficam com fome dele, e isso fode com as suas cabeças.”

Sobre o aumento do uso da melodia pela banda:

Mille: “acho que não é algo que fazemos de propósito. Esses elementos vem naturalmente. Sim, tenho que admitir que temos um guitarrista finlandês – Sami Yli-Sirniö –, então ele adiciona toques escandinavos à música, embora façamos qualquer coisa que torne uma canção ótima. Não impomos limites como: “Isso não pode ser assim. Faremos com que soe desse jeito ou não faremos.” As pessoas irão nos colocar nesta ou naquela categoria. Penso que a coisa mais importante é que escrevamos grandes músicas, não importa como. Tais categorias e comparações, elas vem naturalmente pois tentam orientar a si mesmas.”

Sobre se “Gods of Violence” é o álbum mais técnico e dinâmico da banda:

Mille: “absolutamente. É um álbum totalmente guitarrístico. Toda a coisa está calcada na guitarra. É claro, nós entramos em detalhes, especialmente nas partes melódicas e nos interlúdios suaves. Queríamos que soasse como um Metal Clássico, quase.”

Sobre se ele acha que o KREATOR é a banda de Thrash Metal européia mais bem-sucedida:

Mille (sorrindo): “sim. Acho que trabalhamos duro para isso. Não apenas em anos, mas também em investimentos, muitos deles, muitos investimentos em vida. Por outro lado, eu não quero mais saber de nada. Esta é a minha vida. É o que eu faço. Tento fazer o melhor que eu posso.”

Sobre se ele se preocupa em se tornar demasiado velho para tocar no KREATOR:

Mille: “isso depende. É uma coisa psicológica. Você precisa se manter em forma. Você precisa de energia para ser aquele cara energético no palco que as pessoas conhecem. Uma vez que fico cansado, uma vez que não sinto aquele poder e aquela raiva necessários para performar aquele tipo de música, eu sairei por contra própria.”

Gods of Violence será lançado dia 27 de janeiro de 2017 pela Nuclear Blast.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 25 de dezembro de 2016

Wacken 2017Wacken 2017
Vídeos proshot de Megadeth, Kreator, Amon Amarth, etc

967 acessosThrash: o Big 4 dos EUA Vs. o Big Teutonic 4 da Alemanha122 acessosButeco do Rock Podcast: álbuns de 20170 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Kreator"

KreatorKreator
A promessa de um futuro melhor é uma mentira

Thrash MetalThrash Metal
As 10 melhores baladas de bandas do gênero

KreatorKreator
Homenagem a Dio, Burton, Lemmy e mais em clipe

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Kreator"

Collectors RoomCollectors Room
A coleção de Gastão Moreira, ex-VJ do programa Fúria Metal

Globo ReprterGlobo Reprter
De onde surgiu a instigante música da abertura?

GhostGhost
De quais bandas brasileiras eles gostam?

5000 acessosBruce Dickinson: "Prefiro errar letras a usar monitores!"5000 acessosGhost: qual a identidade secreta de Papa Emeritus?5000 acessosMetallica: gosto musical impediu que se tornassem um Maiden5000 acessosSoundgarden: especialista comenta a morte de Chris Cornell5000 acessosRammstein: Eles foram processados por canibal de Rotenburg5000 acessosNightwish: Floor e a dificuldade em lidar com lado suave da banda

Sobre João Paulo da Silva Brito

Malfeito feito!

Mais matérias de João Paulo da Silva Brito no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online