Matérias Mais Lidas

imagemBill Hudson diz que tatuagem pode ter sido entrave para entrar no Megadeth

imagemMarcos Mion conta história de encontro (e manjada) com Bon Jovi no banheiro

imagemQuando Angus Young, do AC/DC, detonou o Led Zeppelin e os Rolling Stones

imagemO que mais impede Kiko Loureiro de voltar ao Angra? (Não tem nada a ver com o Megadeth)

imagemBeatles: Paul McCartney conta a história por trás de "Ob-La-Di, Ob-La-Da"

imagemEdgard Scandurra, do Ira!, explica atual sumiço do rock nas rádios brasileiras

imagemPhil Campbell conta como era fácil "comprar" Lemmy pra fazer qualquer coisa

imagemRage Against The Machine vem ao Brasil em dezembro, diz José Noberto Flesch

imagemApós viralizar com anúncio, Harppia revela identidade do novo baixista

imagemAutor de "God Save The Queen", Johnny Rotten diz que sente orgulho da Rainha Elizabeth

imagemA curiosa opinião de Ozzy sobre cover do Metallica para "Sabbra Cadabra"

imagemJimmy Page dá opinião sobre streaming e enaltece desconhecido herói dos músicos

imagemBruce Dickinson diz o que o surpreendeu quando retornou ao Iron Maiden

imagemKiko Loureiro explica por que acha uma merda seu solo de guitarra em "Rebirth"

imagemChad Smith chama matéria sobre Taylor Hawkins de "sensacionalista e enganosa"


Stamp

Igor Cavalera: "Quando todos tentavam ir mais rápido, eu estava diminuindo"

Por Mark Ark
Fonte: Blabbermouth.net
Em 16/07/18

Igor Cavalera, ex-baterista do SEPULTURA e atual CAVALERA CONSPIRACY, concedeu uma entrevista à revista alemã Drumtalk.

Perguntado sobre os elementos tribais e percussivos que passaram a integrar o som do SEPULTURA, Igor contou que o processo do Roots começou com o Arise quando começaram a experimentar pequenas introduções com sons sinistros como barulhos de selva e coisas parecidas. E uma vez que viram que sons como esses poderiam ser misturados com metal, hardcore ou qualquer som, começaram a experimentar mais no Chaos A.D. e o baterista passou a incorporar batidas mais tribais, usando mais tambores e tocaram uma música acústica no Chaos A.D. Em seguida estavam preparados para o Roots.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Como baterista ele confessa que estava mais confortável com o que fez no Roots e mesmo Chaos A.D. do que em Beneath the Remains quando estava se esforçando bastante para ser um baterista de Thrash Metal.

Igor revela que quando começou a tocar bateria, tocava samba e ritmos brasileiros e que, para ele, foi muito mais fácil incorporar essas coisas e, de certa maneira, criou seu próprio estilo misturando essas coisas. Confessa que no começo era mais difícil porque se cobrava tocar um bumbo-duplo super rápido e do jeito que as outras bandas de Metal estavam tocando. Depois quando dedicou-se às batidas tribais, sentiu que aquilo era mais sua cara, que estava colocando suas próprias idéias na bateria. Para Igor, foi interessante porque desde o começo o álbum Roots tornou-se um álbum conceitual e toda música tinha uma direção experimental.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Como músico provavelmente a coisa mais incrível que fez foi tocar com uma tribo, os Xavantes, que não usavam tambores, os únicos sons que fizeram, além das próprias vozes, foi chacoalhar algumas peças amarradas ao corpo e pisadas no chão. Então Igor trouxe alguns instrumentos percussivos e sentiu-se livre para experimentar. Para o baterista, foi um dos pontos altos de sua carreira, ir ao Brasil e fazer música com os índios.

Ao ser perguntado sobre "blast-beats" [batidas muito rápidas, como uma rajada], o ex-baterista do SEPULTURA conta que apesar de amar esse tipo de batida, não funcionava com as músicas que estava trabalhando. Ele se lembra da primeira vez que viu Mick Harris do NAPALM-DEATH que tocava "blast-beats" como uma besta. Hoje em dia, Igor vê muito "blast-beat", especialmente em bandas de Black Metal, mas ele nunca incorporou muito essa técnica. O baterista confessou que enquanto todos estavam tentando ser mais rápidos, ele estava diminuindo a partir do Chaos A.D. e nos álbuns subsequentes, tentando, ao mesmo tempo, manter mais groove e peso.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Para quem tiver curiosidade (ou saudade) dos barulhos sinistros que antecediam algumas das músicas do álbum Arise:

E para quem tiver curiosidade sobre "blast-beats":

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

PRB
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp




Sobre Mark Ark

Nascido em São Paulo em 1979, seu amor pelo metal e rock vem desde o final dos anos 80. Grande fã de Pantera e trash metal, mas curte Rock em geral (e outros estilos como Blues e Rap). Acessa o site há mais de 20 anos e em 2018 decidiu ser colaborador e criar seu próprio site rockaddict.com.br.

Mais matérias de Mark Ark.