Queen: filme não ignora sexualidade de Freddie Mercury, diz ator

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Igor Miranda, Fonte: Attitude / NME
Enviar correções  |  Ver Acessos

O ator Rami Malek, que interpretará Freddie Mercury no filme biográfico do Queen, "Bohemian Rhapsody", rebateu as críticas de que o longa-metragem ignora a sexualidade do vocalista. Em entrevista à revista "Attitude", publicada no NME, o intérprete destacou que as prévias divulgadas até o momento são curtas e não indicam toda a abordagem da produção.

Ôôôôôeeee: Sílvio Santos aprovou montagem com Steve HarrisLegião Urbana: Eduardo e Mônica, uma análise psico-neurótica

"É uma pena que as pessoas estejam fazendo comentários a partir de um teaser de um minuto, onde você só quer conferir a música. Não acho que o filme evite sua sexualidade ou sua doença arrasadora, que é a Aids. Não sei como seria possível evitar isso, ou se alguém queria evitar. É um pouco absurdo que alguém esteja nos julgando por um trailer de um minuto", afirmou.

Malek disse, ainda, que os problemas de saúde de Mercury teriam de ser abordados de uma forma "delicada". "Não se pode fugir disso. Foi um momento importante para se ter no filme. O final é muito triste, mas é, também, empoderador. Ele mostra o quão resilientes os seres humanos podem ser e como confiamos na força dos nossos amigos e familiares para superar tempos difíceis. Essa pandemia ainda é uma ameaça horrível para tantas pessoas no mundo. Ela existe como uma realidade para tantos que acho que seria uma vergonha não lidar com isso", disse.

Entenda o caso

As acusações ganharam força logo quando o primeiro trailer de "Bohemian Rhapsody" foi divulgado, em maio deste ano. Uma das críticas mais fortes veio do produtor Bryan Fuller ("Star Trek: Discovery", "Hannibal"). Ele destacou que o vídeo mostra Freddie Mercury flertando com mulheres e que a descrição do vídeo, divulgada pela 20th Century Fox em seu canal no YouTube, apenas cita que ele enfrentou uma "doença com risco de vida".

"Querida 20th Century Fox... sim, foi uma doença com risco de vida, mas, mais especificamente, era Aids. Por ter feito sexo gay com homens. Faça melhor", escreveu Fuller, usando a hashtag #hetwashing - indicando algo próximo a "filtragem heterossexual".

Queen: produtor critica filme por ignorar sexualidade de Freddie MercuryQueen
Produtor critica filme por ignorar sexualidade de Freddie Mercury

Já faz algum tempo que o guitarrista Brian May e o baterista Roger Taylor estão com o conceito de "Bohemian Rhapsody" finalizado - eles serão, inclusive, os produtores executivos do longa. Em entrevistas, eles afirmam que a ideia é fazer um filme mais "familiar", que pode, de certa forma, ocultar detalhes sobre a vida pessoal de Freddie Mercury.

O cantor era bissexual, mas May e Taylor já revelaram, anteriormente, que a orientação sexual do vocalista não era conhecida por eles nos tempos de Queen. A ausência de menções à sexualidade de Mercury teriam feito, inclusive, com que o ator Sacha Baron Cohen - inicialmente cotado para interpretá-lo no filme - desistisse do papel.

"Bohemian Rhapsody" vai retratar a trajetória do Queen sob a ótica do vocalista Freddie Mercury, falecido em 1991. A cinebiografia conta com as atuações de Rami Malek (Freddie Mercury), Gwilym Lee (Brian May), Joseph Mazzello (John Deacon) e Ben Hardy (Roger Taylor).

A estreia está marcada para o próximo dia 2 de novembro.



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção NotíciasTodas as matérias sobre "Queen"Todas as matérias sobre "Freddie Mercury"


Queen: Sacha Baron Cohen não levou Freddie a sério, diz Roger TaylorQueen
Sacha Baron Cohen não levou Freddie a sério, diz Roger Taylor

Queen: a paquera de Freddie Mercury com Bono Vox em 1985Queen
A paquera de Freddie Mercury com Bono Vox em 1985


Ôôôôôeeee: Sílvio Santos aprovou montagem com Steve HarrisÔôôôôeeee
Sílvio Santos aprovou montagem com Steve Harris

Legião Urbana: Eduardo e Mônica, uma análise psico-neuróticaLegião Urbana
Eduardo e Mônica, uma análise psico-neurótica


Sobre Igor Miranda

Jornalista formado pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU) e apaixonado por rock há mais de uma década. Começou a escrever sobre música em 2007, com o surgimento do saudoso blog Combe do Iommi. Atualmente, é redator-chefe da área editorial do site Cifras e mantém um site próprio (www.IgorMiranda.com.br). Também co-fundou o site Van do Halen, para o qual trabalhou até 2013.

Mais matérias de Igor Miranda no Whiplash.Net.