Bruce Springsteen: filme é uma declaração de amor à música de The Boss

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo Seelig, Fonte: Collectors Room
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

Baseado na autobiografia do jornalista inglês Sarfraz Manzoor, A Música da Minha Vida é uma ode à obra de Bruce Springsteen. Sarfraz, filho de um imigrante paquistanês na Inglaterra da década de 1980, encontra na música de Springsteen aquilo que a sua família não consegue lhe entregar, torna-se um fã inveterado do norte-americano e usa suas letras como modo de ver a vida e superar os problemas que encontra pelo caminho.

Alta Fidelidade: Lado A/Lado B do Bruce Springsteen (vídeo)Occult Rock: dez novas ótimas bandas para você conhecer

A imigração, hoje uma das maiores questões mundiais, é tratada sem maiores pudores no filme. A família "paqui" (termo depreciativo utilizado pelos ingleses para ofender os paquistaneses) de Manzoor convive com o preconceito e a xenofobia diariamente. Seu pai adota a postura defensiva, do não confrontamento, o que contrasta com o jovem protagonista, que como todo adolescente quer fazer parte da turma e consumir o que os seus amigos consumem. Essa luta entra a tradição asiática e a modernidade ocidental divide pai e filho e é o grande condutor dramático da obra.

Sarfraz descobre a música de Bruce Springsteen através de um amigo e encontra nas letras do Boss a definição e as explicações para os anseios e medos que está experimentando. Bruce é um dos maiores artistas do rock e um dos grandes letristas da música, e o que é mostrado em A Música da Minha Vida comprova o apelo universal de sua obra. O norte-americano superou há muitos anos os limites de seu país natal e hoje fala com todo o planeta. Aqui no Brasil, muito da força de suas canções se perde para quem não procura entender as letras que ele canta, mas o filme faz esse favor ao expor todo o conteúdo emocional e a veracidade crua dos poemas de Springsteen.

Ambientado na Inglaterra de Margaret Thatcher, assombrada pelo desemprego e com os ingleses tendo que dividir as poucas vagas de trabalho com os imigrantes paquistaneses, o filme mostra também a ascensão dos grupos de extrema direita nacionalistas britânicos, exemplificados na figura dos skinheads, e acaba gerando uma de suas cenas mais fortes ao mostrar as ações dessas facções contra os "paquis".

Mas o filme é, de modo geral, leve e inspirador. A direção de Gurinder Chadha é precisa, o roteiro escrito pelo próprio Sarfraz é direto ao ponto e a atuação de Viveik Kalra no papel principal é bastante consistente. Como curiosidade, vale mencionar a participação de Dean-Charles Chapman, que interpretou o jovem rei Tommem em Game of Thrones, no papal do melhor amigo do personagem principal.

Sarfraz Manzoor se tornou um jornalista, apresentador e documentarista respeitado no Reino Unido, com um duradouro trabalho no The Guardian e na BBC. E essa carreira deve muito à força que ele encontrou nas músicas de Bruce Springsteen. Com uma história positiva e uma trilha sonora impecável, A Música da Minha Vida, apesar do título brega escolhido para o mercado brasileiro, é um filme recomendadíssimo para quem ama a música e essencial para quem é fã de Springsteen.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção NotíciasTodas as matérias sobre "Bruce Springsteen"


Alta Fidelidade: Lado A/Lado B do Bruce Springsteen (vídeo)

Ultimate Classic Rock: As 10 melhores músicas que encerram álbunsUltimate Classic Rock
As 10 melhores músicas que encerram álbuns

SuperBowl: os melhores shows do intervalo segundo a UCRSuperBowl
Os melhores shows do intervalo segundo a UCR

Pra ouvir e discutir: os melhores discos lançados em 2002Pra ouvir e discutir
Os melhores discos lançados em 2002


Occult Rock: dez novas ótimas bandas para você conhecerOccult Rock
Dez novas ótimas bandas para você conhecer

Rolling Stone: os 100 melhores álbuns dos anos 90Rolling Stone
Os 100 melhores álbuns dos anos 90

Iron Maiden: versões pesadas para clássicos do RockIron Maiden
Versões pesadas para clássicos do Rock

Rock In Rio: Freddie Mercury desdenhou dos artistas brasileiros em 1985Rock In Rio
Freddie Mercury desdenhou dos artistas brasileiros em 1985

Regis Tadeu: Los Hermanos fez um tremendo mal ao rock brasileiroRegis Tadeu
Los Hermanos fez um tremendo mal ao rock brasileiro

Slayer: as músicas mais difíceis de tocar na guitarra baseSlayer
As músicas mais difíceis de tocar na guitarra base

Nirvana: baterista do Tool chamou Kurt de drogado morto em 1996Nirvana
Baterista do Tool chamou Kurt de "drogado morto" em 1996


Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336