Matérias Mais Lidas

imagemA bizarra exigência de Ace Frehley para participar da última turnê do Kiss

imagemRegis Tadeu explica porque Ximbinha é um dos melhores guitarristas do Brasil

imagemMax Cavalera revela como "selou a paz" com Tom Araya, vocalista do Slayer

imagemEngenheiros do Hawaii e as tretas com Titãs, Lulu Santos, Lobão e outros

imagem"Stranger Things" traz cena com "Master of Puppets", do Metallica

imagemProdutor de "Temple of Shadows" conta problemas que teve com voz de Edu Falaschi

imagemO álbum do The Who que Roger Daltrey achou "uma m*rda completa

imagemLobão explica porquê todo sertanejo gostaria, no fundo, de ser roqueiro

imagemPink Floyd: Gilmour nega alegação de Waters sobre "A Momentary Lapse of Reason"

imagemGregório Duvivier: "Perto de Chico Buarque, Bob Dylan é uma espécie de Renato Russo!"

imagemAndreas Kisser conta quais os dez álbuns que mudaram a sua vida

imagemAndreas Kisser explica por que o Sepultura mistura Metal com música brasileira

imagemEdu Falaschi descobriu que seu primo famoso tem mais seguidores que ele no Instagram

imagemVital, o ex-Paralamas que virou nome de música e depois foi pro Heavy Metal

imagemO grave problema do refrão de "Eagle Fly Free", segundo Fabio Lione


Stamp

Rotting Christ: Histórias remotas por trás das melodias

Por Michel Sales
Em 25/04/20

Situar conceitos históricos por meio da música é uma das maneiras mais instigantes de apreciação. E são diversas as bandas de Heavy Metal que replicam fatos importantes do passado intercalando com a contemporaneidade.

O RottingChrist, por exemplo, é um grupo singular no Black Metal que sem hesitação resvala, mexe e destrincha o legado remoto e milenar de sua Grécia, estimando a arte, a língua, as batalhas, a poesia, a política, a religião e as conquistas. O sexto álbum da banda, o simplório ‘Khornos’ (2000) referiu o Rotting Christ buscando uma nova identidade, onde praticaram uma sonoridade mais Heavy/Thrash sob a produção de Sakis Tolis e Peter Tagtgren no Abyss Studios, na Suécia.

O álbum é interessantíssimo na discografia da banda e facilmente está entre os melhores, embora não agregue nada novo no cenário Metal, mas o que chama atenção nesta saga musical é sua mensagem sobre o ‘Tempo’, referindo a mitologia dos titãs, filhos de Urano (o céu estrelado) e Gaia (a Terra), filhos mais velhos de Oceano e Tétis.

Khronos foi o rei dos titãs, possuidor de um caráter destrutivo, sempre regendo e devorando o destino de todos. Casado com sua irmã Reia, Khronos devorou a maioria de seus filhos: Héstia, Deméter, Hera, Hades e Poseidon, exceto Zeus, que o derrotou e o acorrentou no Tártaro com os demais titãs, mas logo Khronos seria perdoado e governaria os Campos Elísios, lugar dos mortos bem-aventurados.

Já em 2002, o Rotting Christ lançou seu sétimo disco, o gótico ‘Genesis’. Um álbum fascinante, embora tenha demonstrado uma sonoridade um tanto perdida em sua essência mais ríspida no Black Metal. Genesis ao menos propôs reorganizar as ideias do Rotting Christ numa demonstração de suas origens, nascimento.

O disco foi produzido por Andy Classen, no Stage-One-Studio, na Alemanha. No mais, Genesis é muito bom e embora não seja conceitual, o álbum remeteu ao sagrado, acentuando o primeiro livro da Bíblia Cristã, história que antecede o Êxodo, livro que faz parte do Pentateuco. No contexto bíblico, Genesis configura o bem e o mal, narrando a criação do mundo e da humanidade.

Em 2004, o Rotting Christ lançou seu oitavo álbum, ‘Sanctus Diavolos’, um disco promissor, onde o quarteto deslanchou sua sonoridade Black Metal de outros tempos. Porém, o álbum não rendeu entusiasmo tanto quanto ‘Theogonia’ (2007), nono disco dos caras, onde eles introduziram muita criatividade, personificando a identidade do Rotting Christ de um jeito mais tribal, épico, melodioso e obscuro, fatores que se tornaram preponderantes em seu som, desde então, inclusive referindo novas linguagens.

Theogonia, não é um disco totalmente conceitual, mas a banda apostou novamente em uma simbologia cativante, a Genealogia dos Deuses Gregos, baseada em um poema mitológico de 1022, por Hesíodo, no século VIII a.C. A narrativa origina os heróis divinos representando fenômenos ou aspectos da natureza humana e a constituição do universo, onde na gênese ocorre o caos, a escuridão, o amor, o dia, a noite, o céu e a água.

Então, chegamos em 2010, quando o Rotting Christ lançou ‘Aealo’, 10º disco da banda e que também caracterizou toda a atmosfera criativa originária em Theogonia. Porém, Aealo está um degrau acima. O vocalista Sakis Tolis afirmou que o significado de Aealo é surra, catástrofe ou destruição, fatores refletidos no disco.

A capa de Aealo é sensacional e referiu a face apodrecida do rei e general espartano Leónidas I (491 a.C.), que defendeu o desfiladeiro das Termópilas com aproximadamente 7.000 homens, sendo que apenas 300 eram espartanos. Eles conseguiram repelir alguns ataques, mas Xerxes I, rei da Pérsia, foi auxiliado por Efialtes, um pastor local que conduziu Xerxes por um contorno e pôde cercar Leónidas e seu exército que resistiu até a morte.

Já o ano de 2013 pariu o 11º álbum do Rotting Christ, ‘ and #922; and #945; and #964; and #940; and #964; and #959; and #957; and #948; and #945; and #943; and #956; and #959; and #957; and #945; and #949; and #945; and #965; and #964; and #959; and #973;’, subtendido como ‘Faça o que quiser’, uma citação associada a Aleister Crowley e a seita Thelema, segundo Sakis Tolis. Curiosamente, a mesma frase pode ser conferida em grego na lápide de Jim Morrison. Kata Ton Daimona Eaytoy mergulhou na mitologia inca, maia, persa, eslava, babilônica e grega, ou seja, Sakis remontou uma jornada de conhecimentos sobre as civilizações antigas, referindo a linguagem e o ocultismo do passado.

O disco possui uma masterização reconstrutiva e revigoradora para as novas facetas incorporadas ao Black Metal da banda, referidas pelo produtor sueco Jens Bogren que assumiu as rédeas do grupo e levou a sonoridade do quarteto ao clímax do extremo, desde então. Particularmente, considero o melhor disco da banda, mas não o ápice do Rotting Christ.

Agora, o ano é 2016, quando o Rotting Christ lançou o fantástico ‘Rituals’, 12º petardo dos gregos, álbum que logo obteve repercussão notória no mundo, estreando no número 14 nas paradas da Billboard Heatseekers e na posição 10 da IFPI da Grécia. Rituals até soa como um disco conceitual, remetendo orações pagãs, ocultismo e citações de referências consagradas como William Blake e Charles Baudelaire. O álbum também contou com várias participações, dentre eles, Michael ‘Vorph’ Locher (Samael) e Nick Holmes (Paradise Lost, Bloodbath).

Cruel, bestial, profano, catedrático, religioso e apocalíptico, estes adjetivos fortes referem demasiadamente a qualidade do ‘The Heretics’ (2019), 13º petardo do Rotting Christ, um disco que flertou experiências diversas de Sakis Tolis, sobretudo, com suas ideias apontando o dedo médio para as crendices humanas, as conspirações e reverência ao fogo. No mais, The Heretics é um tributo a filosofia fúnebre dos hereges Edgar Allan Poe, Voltaire, Friedrich Nietzsche, Thomas Paine e Martin Twain.

Até o momento, considero The Heretics o ápice da carreira do Rotting Christ, um álbum atmosférico, agressivo e ao mesmo tempo melódico, recheado de cantos gregorianos e solos de guitarra memoráveis que energizaram o projeto. No mais, que venham mais discos como estes e vida eterna ao ‘Cristo Apodrecido’.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Airbourne 2022
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Rotting Christ: Polêmicas com Mustaine e político norte-americano

Grécia: dez das maiores bandas de metal do país


Axl Rose: "ele é um fracassado", diz mulher de Slash


Sobre Michel Sales

Jornalista formado pela Universidade Federal de Roraima (UFRR), com pós-graduação em Teologia Pastoral pelo Instituto Padre Calleri/UFRR. Atualmente está concluindo a graduação de Licenciatura em Educação Física pela Universidade Estadual de Roraima (Uerr). Começou a escrever sobre Cultura em 2004, iniciou em blogs, depois atuou na equipe de redação da revista Somos, da Fecomércio (Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Roraima), trabalhou na assessoria de Comunicação do Sesc-RR (Serviço Social do Comércio) e na redação do Jornal Folha de Boa Vista. Tem colaborado com o portal Whiplash.Net desde 2020, nutre gosto por fotografia e colecionismo de Discos, Quadrinhos, Figuras de Ação e Filmes. Nas redes sociais: michel.sales.33 ; @mythospoetico #hellfireclub #rrclubehq .

Mais matérias de Michel Sales.