Tibet: Vírus mortal e um governo castrador

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Nelson de Souza Lima, Fonte: Nelson de Souza Lima
Enviar Correções  

Como se já não tivéssemos problemas demais com um celerado na presidência, enfrentamos agora a pandemia do novo coronavírus que matou mais de cinco mil pessoas em nosso país até o momento. Os números não param de subir, mostrando que a Covid-19 é implacável, além de ser "terrivelmente" democrática, contaminando geral, sem distinção de classe social, gênero e idade.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A crise instalada no meio artístico com shows e espetáculos adiados, remarcados ou cancelados não para de trazer notícias ruins.

No último final de semana o mundo rock /metal foi surpreendido pelo baque do desmanche da banda paulistana Nervosa. Numa tacada só deixaram o grupo a baixista/vocalista Fernanda Lira e a baterista Luana Dometto. De acordo com a guitarrista Prika Amaral, única remanescente do trio, a Nervosa continuará com novas integrantes. Amaral se pronunciou nas redes sociais, sem muitos detalhes sobre o desligamento de Lira e Dametto.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Para entender um pouco do que se passa neste momento de turbulência troquei uma ideia com a cantora, compositora, apresentadora, agitadora cultural, escritora, psicóloga e bruxa ocasional Elizabeth Queiroz.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Tibet como é conhecida tá na estrada há mais de quarenta anos e viveu as várias fases do rock tupiniquim. Nos anos 70 integrou as fileiras do Tutti Frutti e Made In Brazil e atualmente comanda os microfones da AJNA. Para ela o momento é delicado não só para o rock, mas também para a cultura de forma geral. "Encaramos um vírus mortal e um governo castrador. Muitas bandas estão encerrando atividades, integrantes saindo de grupos consagrados, autorais sem espaço para shows e até bandas cover estão com dificuldades pra tocar por mixaria", diz.

Fã das garotas da Nervosa a vocalista enaltece o trabalho do trio. "A batalha delas foi honesta. Ganharam por merecimento e talento", atesta.

Para Tibet o desinteresse do público pelos grupos brasucas e autorais, entre outros motivos ,é a falta de empresários no nível do cacife de bandas internacionais. "Lá fora o rock é mainstream, aqui ainda é underground", lamenta a líder do AJNA.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Confira abaixo a entrevista completa com Tibet que, respeitando as recomendações de isolamento, foi feita por email e whats.

1 - Nos últimos dias a cena metal/pesada brasileira foi pega de surpresa (e que surpresa) com a saída de Fernada Lira (voz/baixo) e Luana Dametto (bateria) da Nervosa.

Repercutiu bastante, uma vez que a banda estava num grande momento, inclusive com turnê agendada para Europa e depois para Estados Unidos e Canadá. Ainda não estão muito claras o porquê da saída de ambas. Prika Amaral (guitarrista) fundadora da Nervosa deve continuar com novas integrantes. Como você analisa este momento delicado, não só para a Nervosa, mas que também afeta o metal brasuca?

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Tibet - Momento muito delicado mesmo não só para o Rock mas também para cultura de uma forma geral. Um vírus mortal e um governo castrador. Muitas bandas estão encerrando as atividades, integrantes saindo de bandas consagradas, bandas boas autorais sem espaço pra shows, até banda covers, com dificuldade pra tocar ou tocando por mixaria... .. mas isso não é só no Brasil, é um fenômeno que aflige todo mercado do Rock mundial.

publicidade

2 - Você as conhece pessoalmente? Chegaram a trabalhar com elas de alguma forma? Dividindo o palco ou compondo algo?

Tibet - Conheci as meninas da Nervosa através da Pitchu Ferraz, que foi batera do AJNA por 10 anos, durante os anos 90.

Quando resolvi voltar com a banda em 2015 ela já fazia parte do trio Nervosa.

Pitchu sempre tocou muito pesado, que é uma característica do AJNA e que casou muito bem com o estilo da Nervosa . Gosto muito do trabalho delas e acho que a batalha delas foi honesta, ganharam por merecimento e talento.

3 - Este ano marca exatamente os quarenta anos de seu primeiro trabalho solo. Que aliás teve produção de Carlini e participação de grandes músicos da época. Como avalia esse disco e a importância que teve na sua carreira? Se bem que em 1978 gravou um compacto que trazia "Suada de Amor", música que flertava com a discoteca.

Tibet - Meu primeiro trabalho foi 1978, pela RCA VITOR do Rio de Janeiro. Quem me levou pra lá foi o Tony Ozanah. Um compacto simples com 2 músicas. Uma discoteca "Suada de Amor", pois era época da Disco Music e as gravadoras estavam procurando boas cantoras. Mas eu sempre fui roqueira então do lado B gravamos um rokão.."I dont like Inglês" que teve a participação de Serginho Dias Batista ( Mutantes), Rui Mota ( Mutantes), Serginho Herval, (Roupa Nova,) Lucinha Thunmbur backing, sonzeira de primeira qualidade que está no YouTube e vale apena escutar. TIBET I DONT LIKE INGLÊS (LINK)

4 - Antes de lançar o primeiro álbum solo, você trabalhou com uma galera de peso como Made In Brazil e Tutti Frutti. Como é pra você: batalhar pelo rock no Brasil e sendo mulher, sofreu preconceito?. Pois as garotas da Nervosa tiveram que encarar os machistas de frente e manifestações sexistas em vários momentos.

Tibet - Exato, antes de ir pro Rio. Eu fazia backing vocal no Made in Brasil, aliás gravei vários discos com eles e até hoje faço participações em shows e gravações. Mas quando fui gravar meu segundo disco, pela RCA de São Paulo, chamei a galera do Tutti Frutti para gravar comigo. Já conhecia o Carlini a muito tempo e chamei a banda , que na época tinham acabado de se separar da Rita Lee. Carlini fez todos os arranjos, e gravei com uma galera de peso. Com o próprio Carlini nas guitarras, Guilherme Arantes, teclados, Marinho Testone (Casa das Maquinas) teclados, Marinho Thomaz, Batera, Manito, sax. Simbas backing , Silvinha Araújo backing...etc. Disco incrível, antológico..também está no YouTube. TIBET E TUTTI FRUTTI..

Sendo mulher e batalhadora do rock nacional, naquela época não sentia tanto preconceito, pois era uma cantora independente, eu é que convidava os caras para tocar comigo nos meus trabalhos solos, eu que tinha os esquemas e o contrato com a gravadora.

Senti mais o preconceito quanto comecei a fazer metal nos anos 90, quando montei o AJNA. Mas como era editora de uma revista de rock. A REVISTA DYNAMITE, a galera me respeitava e eu ajudei muito as bandas nessa época.

5 - Muito se fala da desunião que reina entre as bandas brasileiras. Que, diferentemente de outros estilos, é cada um por si. Você tem uma trajetória longa e já viveu vários momentos do rock nacional. O que acha do atual momento, fazendo um apanhado de outras épocas dá pra dizer se tá melhor ou pior?

Tibet -Realmenre agora está pior. Vivi 3 épocas do Rock Nacional, anos 70, que foi o começo de tudo, onde as dificuldade eram mais operacionais. Não tinha aparelhagem, nem tecnologia disponível, as musicas eram mais simples. Anos 90, que foi à época de ouro do metal no Brasil e no mundo. Eu era assessora de imprensa da Dynamo ..foi o começo do Thrash Metal em São Paulo, época que despontaram varias bandas ótimas, começaram também as feiras de música, onde sempre traziam novidades e tecnologia.

Galera muito sangue nos olhos. Época que a gente tocava com AJNA quase todo final de semana..e sempre tinha um público massa e casa de shows incríveis sempre cheias.

Em 2015, quando eu voltei com a banda o cenário tinha mudado. Bandas autorais abrindo pra banda cover.

6 - Sabemos que no Brasil temos um público roqueiro imenso (vide que lota estádios em shows de bandas gringas). Como fazer este público prestigiar a cena rock nacional?

Tibet - Boa pergunta. O público compara as bandas nacionais com as internacionais, que vêm com investimento incrível lá de fora .. No Brasil não existe empresários no nível do cacife das bandas internacionais. Lá fora o Rock é mainstream, aqui o Rock é underground.

7 - Como se não bastasse a crise econômica que o Brasil vive agora enfrentamos a crise na saúde com a pandemia do novo coronavírus. Tem causado estragos em vários segmentos, como por exemplo o fechamento de lojas na Galeria do Rock (templo roqueiro, ainda resistindo no Centro de São Paulo). Além disso, artistas que já não tinham muito espaço pra se apresentar foram obrigados a parar as atividades. Invocando o lado psicóloga da Tibet como analisa este momento?

Tibet - É uma grande depressão. Mas se formos analisar a história da humanidade sempre houveram tempos obscuros. E estamos vivendo um desses períodos. Onde nossos medos e nossos piores pesadelos se tornaram realidade. A música e a arte precisam de luz, mas em tempos de escuridão a única coisa que podemos fazer é aproveitar esse período sinistro e nos inspirar. Eu mesmo tô fazendo uma música nova "The Dark Side" e que espero poder gravar logo.

8 - War Crimes é o mais recente trabalho da AJNA. Como é divulgar um disco de forma virtual, já que não dá pra fazer shows? Fala do seu jeito de cantar, gutural mais compreensível, diferente de outras cantoras.

TIbet - War Crimes é o mais recente trabalho do AJNA produzido pelo Marcelo Pompeu (,Korzus,) em 2019 . Hoje na nossa formação temos Ivo Rocha, batera, Nando Simões ,baixo. Gustavo Manzan, Guitarra, Lucas Pelarin guitarra e Tibet vocais.

Já saímos com esse disco de forma moderna. Ou seja lançamos o disco em CD CARD. primeira banda brasileira a lançar nesse formato. Também lançamos recentemente 2 lyrics videos Killer God e Hunger e estaremos lançando em maio de 2020 mais um vídeo clipe. War Crimes, com imagem ao vivo do show de aniversário da Rádio Stay Rock.

Meu jeito de cantar soa diferente das outras cantoras atuais porque eu uso os três estilos. Lírico, Groove de Voz e Gutural. É uma voz pesada com pitadas de hardcore. Além de um timbre feminino muito particular.

9 - Pós-pandemia o que você acha ou espera que aconteça. Muita gente diz que teremos um "novo normal". O que você espera?

Tibet - Essa pandemia será realmente um marco na história da humanidade. Como disse anteriormente, de tempos em tempos temos períodos de escuridão e esse em particular vêm acompanhando de demônios e anti Cristo bem estilizados na forma humana e com grande poder nas mãos. Egos inflados e desejo de acumulação cada vez maior.

A natureza reage..e esse é o maior de todos os poderes....

10 - Você é divulgadora e incentivadora de novas bandas com o "Quem sabe faz autoral" e com o "Na Teia". Tem larga experiência no show bussines e sabe como gerenciar sua carreira. O que você fala pras novas bandas? A galera pede muito dicas pra você?

Tibet - Sempre dividi minha carreira entre a cantora, a empresária e a divulgadora. Desde a Revista Dynamite, que inicialmente foi um fanzine da Dynamo. Até o QUEM SABE FAZ AUTORAL que foi o primeiro projeto em prol do rock autoral no Brasil, que rola desde 2015, enquanto ninguém tava nem aí com o autoral.

E falo sempre pras bandas não abra mão do seu talento. Músico quer tocar, e não quer tocar qualquer coisa, não dá pra vender a alma pro diabo e ir tocar sertanejo. Se sua alma quer rock, toca rock caraca ..

11 - Como é a Tibet psicóloga, deve tá tendo muito trabalho nesses dias de pandemia. Fazendo muitas consultas virtuais.

Tibet - Minha segunda loucura é a psicologia, adoro..e nessa fase difícil muitas pessoas estão precisando de ajuda pra poder lidar com o medo, a solidão e a ansiedade. Estou trabalhado muito mesmo e tentando ajudar as pessoas a passar por essa fase difícil. Mas depois da tempestade sempre vêm à calmaria , dias melhores virão..fiquem em casa e se cuidem.

Obrigada pela entrevista..valeu!

12 - Dá seus contatos e quem quiser saber novidades da AJNA e da Tibet.

http://ajnarockofficial.blogspot.com.br

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Opinião: Headbangers não praticantes: radicalismo no MetalOpinião
Headbangers não praticantes: radicalismo no Metal

Ozzy Osbourne: O Rio de Janeiro é uma porra duma merda!Ozzy Osbourne
"O Rio de Janeiro é uma porra duma merda!"


Sobre Nelson de Souza Lima

Jornalista, repórter, resenhista, colunista musical. Assim é Nelson de Souza Lima. Mas acima de tudo um amante do rock, classic, hard e metal. Entre minhas entrevistas estão as feitas com Angra, André Mattos, Royal Hunt, Blind Guardian, entre muitas outras. Além disso sou baixista da banda de Classic Rock e metal The Green Pigs.

Mais matérias de Nelson de Souza Lima no Whiplash.Net.

Goo336 Goo336 Cli336 GooAdHor Goo336 Cli336 WhiFin Goo336