Matérias Mais Lidas

imagemRock in Rio 1991, Maracanã lotado, e o Guns N' Roses ameaçou não subir ao palco...

imagemBaixista do Faith No More diz que integrantes odiavam músicas do "The Real Thing"

imagemO álbum do Kiss que infelizmente é ignorado pela banda, segundo Andreas Kisser

imagemO álbum de David Bowie que Mick Jagger disse que achou "horrível"

imagemA história da capa de "Christ Illusion", que fez o Slayer ter problemas

imagemMetallica: a explicação da banda para o volume do baixo no And Justice For All

imagemSupla explica por que fala sempre misturando português com inglês

imagemCinco músicas que são covers, mas você certamente acha que são as versões originais

imagemTúnel do Tempo: 25 músicas que mostram por que 1991 é um ano tão celebrado

imagemLars Ulrich: "Não sou um baterista particularmente talentoso"

imagemOzzy acha que suas novas músicas deveriam ter sido gravadas pelo Black Sabbath

imagemOs únicos quatro assuntos das conversas nos EUA que enchiam saco de Fabio Lione

imagemSem ter o que fazer, guitarrista do Journey comprou 150 guitarras durante a pandemia

imagemRevista Veja diz que Rock in Rio virou "túmulo do rock" e explica motivo

imagemAntes mesmo do fim do primeiro semestre, Mike Portnoy escolhe seu "Álbum do ano"


Stamp

A importância do professor Kiko Loureiro na vida de seu aluno Roberto Barros

Por Gustavo Maiato
Em 19/02/22

Kiko Loureiro e Roberto Barros apresentam muitas coisas em comum. Os dois já gravaram com Edu Falaschi, são famosos pela "fritação" na guitarra e são referência no instrumento no Brasil. Mas o que pouca gente sabe é que Kiko foi professor de Roberto no início dos anos 2000 e ensinou muito para seu aluno.

Ville Juurikkala
Ville Juurikkala

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Em entrevista ao Ibagenscast, Roberto Barros deu sua opinião sobre Kiko Loureiro e disse que o guitarrista é um "gênio". Durante o bate papo, Roberto explicou um pouco sobre como eram suas aulas com o atual guitarrista do Megadeth.

"O Kiko é um gênio. Um guitarrista incrível. Eu estudei com o Kiko na época do ‘Temple of Shadows’. Lembro que em uma aula ele me mostrou um trecho da ‘Spread Your Fire’! Ele tinha chegado da Alemanha, quando gravou o álbum. Foram muitos meses com ele. Só tocamos guitarra na primeira aula! Nas outras, ele ficava ao piano. Eu ouvia o que ele dizia. Eram aulas diferentes. Lembro com muito carinho. Era tipo... Hoje vamos falar sobre o ‘Bolero de Ravel’. Era umas coisas de outro nível. Na primeira aula que ele me viu tocando, eu já era técnico. Não tinha a linguagem que tenho hoje, mas já era um punheteiro. Ele me viu tocando e disse que nem precisávamos falar sobre técnica, e sim de improvisação e composição. Em outra aula, improvisamos em cima da harmonia de ‘Tico-Tico no Fubá’. Ele quis me testar. Eu tinha acabado de me formar no IGT. Ele ligou o metrônomo e improvisou soando todos os acordes. Eu fazia junto e ele ia orientando", explicou.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Em outro ponto, Roberto Barros comentou sobre como a figura de Kiko Loureiro foi importante para seu desenvolvimento como músico. Segundo ele, a possibilidade de observar um guitarrista de metal famoso e bem sucedido foi importante para sua formação musical.

"Foi um período muito incrível, porque pude ver um cara que na época era um grande ídolo para mim. Um cara mais velho. Hoje, admiro muito o Kiko. Ele me abriu muitas portas para certos conceitos. Esse lance da virtuosidade, por exemplo. Nos anos 2000, o Kiko Loureiro também sofreu com isso. As pessoas o acusavam de ser fritador. Mas ele toca também coisas brasileiras e tudo. Se você ler a história de Paganini, é a mesma coisa. Os virtuosos acabam sofrendo com essas coisas. É uma forma de atacar. A inveja está presente em todas as vertentes. Ele me mostrou como ampliar minha visão musical. Não ser só um fritador. Lembro de uma aula que me fez pensar muito. Ele estava tocando Tom Jobim no piano. Acho que era na música ‘Wave’. Lembro que isso me impressionou muito. O cara era metaleiro, mas tinha toda essa linguagem e conhecimento. Ele teve um papel muito importante não só como um influenciador de guitarra, mas por tudo que ele representava. Ser bem sucedido, famoso, entender de várias coisas. Aquilo foi uma grande influência", concluiu.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Confira a entrevista completa abaixo:

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

In-Edit
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Angra anuncia apresentação presencial e por streaming em São Paulo


Top 20: discos recentes de bandas clássicas tão bons quanto os antigos



Sobre Gustavo Maiato

Jornalista, fotógrafo de shows, youtuber e escritor. Ama todos os subgêneros do rock e do heavy metal na mesma medida que ama escrever sobre isso.

Mais matérias de Gustavo Maiato.