Matérias Mais Lidas

imagemEngenheiros do Hawaii e as tretas com Titãs, Lulu Santos, Lobão e outros

imagemA bizarra exigência de Ace Frehley para participar da última turnê do Kiss

imagemEdu Falaschi descobriu que seu primo famoso tem mais seguidores que ele no Instagram

imagemIggor Cavalera diz que reunião da formação clássica do Sepultura seria incrível, mas...

imagemDave Mustaine, eufórico, compara James LoMenzo com Cliff Burton

imagemGregório Duvivier: "Perto de Chico Buarque, Bob Dylan é uma espécie de Renato Russo!"

imagemNovo clipe do Megadeth foi filmado no litoral de São Paulo, veja fotos

imagemQuando Jimi Hendrix chamou Eric Clapton para subir no palco e afinar sua guitarra

imagemQuando Fiuk achou que iria apanhar do Chorão, do Charlie Brown Jr.

imagemJoão Gordo diz que não torce pela seleção brasileira de futebol

imagemTravis Barker, do Blink-182, é hospitalizado às pressas e filha pede orações

imagemCuecão de couro: Rob Halford posa com suas "great balls of fire" em camarim

imagemCinco nomes do heavy metal que já gravaram músicas do ABBA

imagemVeja diz que David Coverdale só passa vergonha nas redes sociais

imagemKerry King explica por que não assumiu o posto de guitarrista do Megadeth


Stamp

Deep Purple: Ritchie Blackmore comenta o impacto do sucesso de "Smoke on the Water"

Por André Garcia
Em 31/05/22

Ritchie Blackmore foi o fundador do Deep Purple, e por muito tempo a banda girou ao redor dele. Surgido em 1968, com seu álbum de estreia "Shades of Deep Purple" seguiu os passos de bandas como Cream, Jimi Hendrix Experience e Vanilla Fuge. Mas foi em 1972, com o lançamento de "Machine Head" e o hit "Smoke on the Water" que a banda se tornou mundialmente conhecida.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Em entrevista disponível no canal oficial do Deep Purple no YouTube, Blackmore relembrou aquela fase de sua carreira. Entre outras coisas, ele falou sobre o impacto causado por "Smoke on the Water", tanto em sua vida quanto no rock.

Sobre como o sucesso de "Smoke on the Water", em 1972, mudou sua vida
"[Depois do lançamento de 'Smoke on the Water'] nós tocamos tanto que devemos ter passado 11 meses por ano fazendo turnê — e ainda tínhamos que gravar discos ao mesmo tempo. Então eu fiquei doente, peguei hepatite, que é uma dessas doenças que te derruba se você não se cuidar. E é impossível se cuidar na estrada quando se excursiona tanto assim. Depois Ian Gillan [também] pegou hepatite, então não era algo isolado. Infelizmente, tivemos que parar por um tempo. Por outro lado, aquilo felizmente nos ajudou, porque adoecer é uma oportunidade de descansar. Porque tem certos empresários que querem que você trabalhe até morrer. Eu vejo isso acontecendo com muitas bandas."

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre bandas serem exploradas por empresários

"Quando músicos se juntam, eles o fazem sob circunstâncias muito ingênuas: você quer tocar sua música e acha que seria bacana se ela tocasse na rádio. Aí você tem aqueles empresários desonestos que manipulam e tiram proveito da situação fazendo as pessoas assinarem contrato sem saber o que estão assinando. Eu já assinei muito contrato sem fazer ideia do que aquilo significava, e depois me arrependi. É uma dessas coisas que eu vejo acontecer com todo mundo a meu redor, principalmente as bandas novas."

Sobre a marca que "Smoke on the Water" deixou no rock

"Eu nunca parei para pensar na marca que eu deixei no rock tocando 'Smoke on the Water'. Ela é basicamente só quatro notas. O [Deep] Purple tinha muitas outras músicas que eram ótimas, e você nunca ouviu tocar nas rádios, elas sempre pegam 'Smoke on the Water'. Você acaba aceitando isso, sabe? Se essa é a música que eles querem pegar e dizer que é maravilhosa… ótimo, que seja! Ela não é das minhas preferidas, embora não seja ruim."

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre 1972 ter sido o auge do Deep Purple

"Eu nunca cheguei ao auge com o Deep Purple. [Era uma] ótima banda [com] grandes músicos, mas eu nunca senti que era algo extraordinário. Só o fato de que em certo ponto aquilo pagava nossas contas era ótimo, mas eu nunca senti que fosse extraordinário. Eu gosto muito das músicas, como 'Child in Time', uma grande música, mas eu nunca me senti um astro ou qualquer coisa além de um músico sortudo o bastante para pagar as contas."

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net



publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


Sobre André Garcia

Sou redator e tradutor freelancer e escritor, autor do livro de contos Liber IMP. Ouço rock desde pequeno, leio coisas sobre bandas desde sempre e escrevo sobre ela já tem anos. Cresci como fã de Iron Maiden e paladino do rock, mas já me tratei. Hoje sou fã de nomes como Beatles, David Bowie, The Cure, Kraftwerk e Velvet Underground, e de cenas como a Londres psicodélica, a Nova Iorque proto-punk e a Manchester pós-punk. Escrevo notas e notícias rápidas para o Whiplash.Net visando compartilhar conteúdo relevante sobre música e cultura pop.

Mais matérias de André Garcia.