RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemQuando Roberto Carlos foi alfinetado por Raul Seixas, mas o Rei gostou do que ouviu

imagemQuando o Lynyrd Skynyrd irritou Mick Jagger ao abrir o show dos Rolling Stones

imagemApós dez anos, Jason Newsted procura guitarristas para montar um projeto de metal

imagemAs queixas que colegas do Paralamas mais fazem sobre Herbert Vianna, segundo o próprio

imagemMax Cavalera escolhe seus álbuns "não metal" preferidos

imagemO grande amor de Renato Russo que durou pouco mas marcou sua vida para sempre

imagemA única música tocada no Festival de Woodstock que atingiu o primeiro lugar nas paradas

imagemA icônica reportagem de Glória Maria em que Raul Seixas disse que foi atropelado por onda

imagemA reação de Jairo Guedz quando houve o racha do Sepultura no auge do sucesso

imagemO hit da Legião Urbana antiviolência cantado sob perspectiva de jovem da periferia

imagemA bizarra lembrança que Kerry King tem do último show do Slayer

imagemManowar confira apresentação única em São Paulo para setembro

imagemJohn Lennon queria regravar todas as músicas dos Beatles, segundo produtor George Martin

imagem"A vida é curta", afirma Floor Jansen, vocalista do Nightwish

imagemA visão de Zakk Wylde sobre aposentadoria de turnês de Ozzy Osbourne


Stamp

A frustração de Jim Morrison com as gravações do The Doors

Por André Garcia
Postado em 31 de dezembro de 2022

Há bandas que são melhores ao vivo, outras melhores nos discos; há ainda as que são boas em ambos e as que são fracas em ambos. Palco e estúdio são universos diferentes e possuem características muito distintas — a maior delas a presença do público e a troca de emoção e calor humano.

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Em entrevista de 1969 para a Rolling Stone, Jim Morrison, vocalista do The Doors, confessou uma frustração com as gravações da banda. Amante do improviso, ele via as músicas passarem de um estado de "constante mudança" para o "estático".

Rolling Stone: Você mencionou que as músicas que prefere cantar são aquelas que tem espaço para improvisação. Suponho que você se referia a coisas como 'The End' e 'The Music’s Over'.

Jim Morrison: Depois de gravadas, as músicas se tornam muito ritualizadas e estáticas. Essas duas meio que tinham trechos em constante mudanças livres, mas depois de gravadas, elas pararam. Elas estavam no auge de seu efeito [quando gravadas], então não faz muita diferença.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Não. Eu me referi a músicas onde os músicos começam a improvisar. A coisa começa com um ritmo e você não sabe como aquilo vai acabar, ou o quanto vai durar, ou sobre o que é — só sabe quando acaba. É esse tipo que eu mais curto.

Rolling Stone: Você se refere a improvisação instrumental em vez de vocal…

Jim Morrison: Não, os dois. Acho que me refiro a uma coisa blues. Eu pego um ritmo, um rio sonoro correndo, e posso simplesmente relaxar, não me preocupar com tempo, como começa, como termina, ou o que tenho que dizer. Mas nem todo mundo gosta de ouvir isso.

Rolling Stone: Foi assim que surgiu "Celebration of the Lizard"?

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Jim Morrison: Eu meio que construí ela a partir de trechos que eu tinha, não foi um desenvolvimento natural. Ela não funciona, porque não foi criada espontaneamente. Eram mais trechos de diferentes ocasiões, elementos pré-existentes do que um núcleo gerador da qual cresceu. [Mas] acho que ainda há esperança para ela, só acho que a gente teria que retomar uma concepção livre e recomeçar do zero. A gente poderia tocar uma versão de meia hora dela, acho que o que vemos é apenas a superfície. Ela não me interessa tanto assim. Jamais foi levada além, e eu perdi meu interesse nela.

The Doors

O The Doors foi formado em 1965 em Los Angeles, pelo vocalista Jim Morrison, o tecladista Ray Manzarek, o guitarrista Robby Krieger e o baterista John Densmore. Eles se destacaram por criar músicas que exploravam temas como a liberdade, o amor livre, experimentações e a rebeldia, incorporando elementos de rock, blues, jazz, psicodelia e poesia.

Em sua carreira, o The Doors lançou álbuns clássicos como seu autointitulado debut de 1967 e "Strange Days" (1968), que conquistaram uma legião de fãs. Mas era ao vivo que a banda realmente brilhava, com o magnético carisma de seu vocalista em incendiárias apresentações performáticas para lá de provocativas e imprevisíveis.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A partir de 1968, por outro lado, as frustrações de Jim com a vida de rockstar e sua falta de reconhecimento como um escritor sério o levaram a afundar no alcoolismo. Para piorar, problemas na justiça contribuíram para que ele perdesse o interesse na música e caísse na depressão.

Após terminar sua parte na gravação de "L.A. Woman" (1971), Morrison partiu em retiro para a França, em busca de se recuperar física e mentalmente. Infelizmente, ele jamais retornaria daquela viagem. Poucos meses após o lançamento do álbum, ele foi encontrado morto na banheira aos 27 anos.

Os membros remanescentes ainda tentaram seguir em frente sem seu frontman, mas, após fracassarem com "Other Voices" (1971) e "Full Circle" (1972), não restou a eles outra alternativa se não o fim da banda.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:

Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Def Leppard Motley Crue 2

The Doors: Cacildis! Break on through to the other saidis!

Jim Morrison: lagarto compositor de Venice Beach

Capas de álbuns: agora com gatos em discos clássicos

Futurologia: como estariam Cobain, Hendrix, Joplin e Morrisson?

The Doors: A opinião de Jim Morrison sobre Pink Floyd e Miles Davis


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre André Garcia

Sou redator e tradutor freelancer e escritor, autor do livro de contos Liber IMP. Ouço rock desde pequeno, leio coisas sobre bandas desde sempre e escrevo sobre ela já tem anos. Cresci como fã de Iron Maiden e paladino do rock, mas já me tratei. Hoje sou fã de nomes como Beatles, David Bowie, The Cure, Kraftwerk e Velvet Underground, e de cenas como a Londres psicodélica, a Nova Iorque proto-punk e a Manchester pós-punk. Escrevo notas e notícias rápidas para o Whiplash.Net visando compartilhar conteúdo relevante sobre música e cultura pop.
Mais matérias de André Garcia.