Matérias Mais Lidas

imagemOs Raimundos traíram os Titãs? Sérgio Britto comenta e conta a versão dele

imagemRegis Tadeu explica porque Sandy não deve cantar músicas do Metallica

imagemA banda de rock que impressionou Paulo Ricardo e o fez ver grandeza do estilo em São Paulo

imagemNoel Gallagher revela o rockstar que ficou mais impressionado de conhecer pessoalmente

imagemAndreas Kisser opina sobre a reunião do Pantera, que começou nesse sábado

imagemA estratégia do Barão Vermelho para evitar críticas de copiar Titãs nos anos 1990

imagemO surpreendente disco que Tom Morello considera um dos melhores de todos os tempos

imagemGene Simmons admite que "Ace estava certo" sobre o Kiss no começo dos anos 80

imagemMetallica: o que Regis Tadeu achou de "Lux Aeterna", nova música da banda?

imagemCinco discos de heavy metal para ouvir sem pular nenhuma faixa

imagemLars Ulrich poderia tocar músicas do Rush com Geddy Lee e Alex Lifeson?

imagemNoel Gallagher relembra o dia em que foi ao show de uma banda cover de Oasis

imagemVeja Sandy cantando Metallica na TV Globo em programa de Marcos Mion

imagemGene Simmons conta como a insegurança afetou o Kiss em "Creatures of the Night"

imagemBeatles: Ringo Starr conta como foi o seu último encontro com John Lennon


Stamp
Summer Breeze

Dave Mustaine: Auto biografia é motivadora e humorada

Por Mário Orestes Silva
Fonte: Blog Orestes
Postado em 22 de agosto de 2019

Auto biografias em geral apresentam-se numa previsibilidade didática de um paradigma mercadológico até. Quando se abrem as primeiras páginas, já se sabe, mais ou menos, o que se encontrará em "Mustaine – Memórias do Heavy Metal" que David Scott Mustaine escreveu com o auxílio de Joe Layden. Uma autobiografia séria, sem perder o humor em algumas passagens, sincera e com uma leve sensação de ausência em algo.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O leitor facilmente perceberá, não apenas a forte personalidade do líder do Megadeth, mas também sua força física e mental. A física foi se desenvolvendo naturalmente com o passar da idade, devido a infância pobre que sofreu com um pai autoritário, abusador e alcoólatra, e mais tarde, na prática de artes marciais, que complementou muito a disciplina que ajudaria o músico como guitarrista e mentor de uma das maiores bandas de heavy metal do mundo. Evidentemente que seria impossível falar da vida deste homem, sem falar de sua passagem pelo Metallica. Mesmo porque ele foi um dos fundadores deste mito do rock e, sabe tanto quanto os demais membros, como começou sua história. Vale ressaltar que, devido a este episódio, é praticamente obrigatória a leitura deste livro para os fãs do Metallica, visto se tratar da versão de Mustaine para sua passagem pela banda e o porque de muita mágoa envolvida em ambas as partes. Mágoa esta que foi bastante amenizada com o sucesso do Megadeth, mas que, sem dúvida nenhuma, deixou cicatrizes profundas. A maior delas, talvez seja as circunstâncias traumáticas em que ele foi deixado por James Hetfield na estação de trem, após ser demitido do Metallica, que estava em ascensão e deve muito disso a Mustaine. Além deste, outros tópicos atiçam a curiosidade, como por exemplo a constante mudança de formação do Megadeth, o processo de composição e gravação dos álbuns clássicos, a opção do biografado em decidir ser o vocalista de sua banda (acredite: ele não queria, e se isso acontecesse, talvez a história seria outra) e a recuperação do alcoolismo, das drogas e principalmente da lesão num pulso, sofrida num acidente, que quase lhe tirou a habilidade de tocar guitarra. A força mental está na perseverança de Dave em continuar com a banda e no apoio conseguido através de sua conversão ao cristianismo. Curiosamente a ausência mais sentida no livro é o seu envolvimento com o satanismo que, conforme o mesmo em algumas entrevistas, foi profundo e causou-lhe sérios problemas.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Dentre as dezenas de fotos, há aquelas que são simplesmente históricas.

Mágoas e previsibilidade à parte, "Mustaine – Memórias do Heavy Metal" é a narração de um belo exemplo de vida que demonstra força para superação a problemas cruciais na vida de qualquer pessoa comum.

Tradução de Marcelo Barbão; editora Benvirá; brochura com lombada quadrada; 368 páginas.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Siga Whiplash.Net: Facebook | Instagram | Twitter | YouTube

Receba as novidades do Whiplash.Net por WhatsApp


Samael Hypocrisy


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Ex-guitarrista do Exodus diz que Dave Mustaine é o padrinho do thrash metal

Cinco músicos que nunca voltarão para as bandas que os consagraram

Megadeth: dez curiosidades interessantes sobre a banda de Dave Mustaine

Bandas de heavy metal que lançaram discos em cinco décadas diferentes

Rock And Run: 20 músicas para deixar sua corrida mais animada

Os 25 melhores álbuns de 2022, em lista da Revolver Magazine

A inesperada música que Dave Mustaine considera uma das melhores do Megadeth

Dave Mustaine diz que não ouve Metallica nem sabe os nomes das músicas

Dave Mustaine conta que o número 13 o persegue há muito tempo

Dave Mustaine afirma que tomou calote do Metallica por músicas de "Kill 'Em All"

Dave Mustaine gostaria que Metallica organizasse nova tour do Big Four

O baterista Nick Menza pensou em ser guitarrista do Limp Bizkit

Lista: 10 ótimas músicas lançadas no segundo semestre de 2022

Discussão sobre direitos autorais impediu projeto que reuniria Mustaine e Hetfield

Dave Mustaine cutuca ex-integrantes diz que não é maníaco por controle

Slash: gravadora barrou parceria com Steven Tyler

Dia do Professor: dez discos que são verdadeiras aulas de heavy metal

Megadeth: Ellefson diz que se não tocar músicas antigas, pode ser que ninguém mais as ouça

Punk Rock: os 25 melhores discos segundo o site IGN

Black Metal: cinco bandas do lado depressivo do satanismo


Sobre Mário Orestes Silva

Deuses voavam pela Terra numa nave. Tiveram a idéia de aproveitar um coito humano e gerar uma vida experimental. Enquanto olhavam, invisíveis ao coito, divagavam: - Vamos dar-lhe senso crítico apurado pra detratar toda sua espécie. Também daremos dons artísticos. Terá sex appeal e humor sarcástico. Ficará interessante. Não pode ser perfeito. O último assim, tivemos de levar à inquisição. Será maníaco depressivo e solitário. Daremos alguns vícios que perderá com a idade pra não ter de morrer por eles. Perderá seu tempo com trabalho voluntário e consumindo arte. Voltaremos numas décadas pra ver como estará. Assim foi gerado Mário Orestes. Décadas depois, olharam como estava aquela espécie experimental: - O que há de errado? Porque ele ficou assim? Criamos um monstro! É anti social. Acumula material obsoleto que chamam de música analógica. Renega o título de artista pelo egocentrismo em seus semelhantes. Matamos? - Não. Ele já tentou isso sem sucesso. O Deixaremos assim mesmo. Na loucura que criamos pra vermos no que dará, se não matarem ele. Já tentaram isso, também sem sucesso. Então ficará nesse carma mesmo. Em algumas décadas, voltaremos a olhar o resultado. Que se dane.

Mais matérias de Mário Orestes Silva.