Dave Mustaine: Auto biografia é motivadora e humorada

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Mário Orestes Silva, Fonte: Blog Orestes
Enviar correções  |  Ver Acessos

Auto biografias em geral apresentam-se numa previsibilidade didática de um paradigma mercadológico até. Quando se abrem as primeiras páginas, já se sabe, mais ou menos, o que se encontrará em "Mustaine - Memórias do Heavy Metal" que David Scott Mustaine escreveu com o auxílio de Joe Layden. Uma autobiografia séria, sem perder o humor em algumas passagens, sincera e com uma leve sensação de ausência em algo.

Metallica: banda "precisa tocar no Super Bowl", afirma Chris JerichoMetal: Mapa revela os países com mais bandas do estilo

O leitor facilmente perceberá, não apenas a forte personalidade do líder do Megadeth, mas também sua força física e mental. A física foi se desenvolvendo naturalmente com o passar da idade, devido a infância pobre que sofreu com um pai autoritário, abusador e alcoólatra, e mais tarde, na prática de artes marciais, que complementou muito a disciplina que ajudaria o músico como guitarrista e mentor de uma das maiores bandas de heavy metal do mundo. Evidentemente que seria impossível falar da vida deste homem, sem falar de sua passagem pelo Metallica. Mesmo porque ele foi um dos fundadores deste mito do rock e, sabe tanto quanto os demais membros, como começou sua história. Vale ressaltar que, devido a este episódio, é praticamente obrigatória a leitura deste livro para os fãs do Metallica, visto se tratar da versão de Mustaine para sua passagem pela banda e o porque de muita mágoa envolvida em ambas as partes. Mágoa esta que foi bastante amenizada com o sucesso do Megadeth, mas que, sem dúvida nenhuma, deixou cicatrizes profundas. A maior delas, talvez seja as circunstâncias traumáticas em que ele foi deixado por James Hetfield na estação de trem, após ser demitido do Metallica, que estava em ascensão e deve muito disso a Mustaine. Além deste, outros tópicos atiçam a curiosidade, como por exemplo a constante mudança de formação do Megadeth, o processo de composição e gravação dos álbuns clássicos, a opção do biografado em decidir ser o vocalista de sua banda (acredite: ele não queria, e se isso acontecesse, talvez a história seria outra) e a recuperação do alcoolismo, das drogas e principalmente da lesão num pulso, sofrida num acidente, que quase lhe tirou a habilidade de tocar guitarra. A força mental está na perseverança de Dave em continuar com a banda e no apoio conseguido através de sua conversão ao cristianismo. Curiosamente a ausência mais sentida no livro é o seu envolvimento com o satanismo que, conforme o mesmo em algumas entrevistas, foi profundo e causou-lhe sérios problemas.

Dentre as dezenas de fotos, há aquelas que são simplesmente históricas.

Mágoas e previsibilidade à parte, "Mustaine - Memórias do Heavy Metal" é a narração de um belo exemplo de vida que demonstra força para superação a problemas cruciais na vida de qualquer pessoa comum.

Tradução de Marcelo Barbão; editora Benvirá; brochura com lombada quadrada; 368 páginas.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de LivrosTodas as matérias sobre "Megadeth"Todas as matérias sobre "Metallica"Todas as matérias sobre "Dave Mustaine"


Metallica: banda precisa tocar no Super Bowl, afirma Chris JerichoMetallica
Banda "precisa tocar no Super Bowl", afirma Chris Jericho

Metallica: Contagem regressiva era para anúncio da banda em cinco festivaisMetallica
Contagem regressiva era para anúncio da banda em cinco festivais

Metallica: Jason Newsted diz que foi o responsável por dar estabilidade à bandaMetallica
Jason Newsted diz que foi o responsável por dar estabilidade à banda

Nickelback: show no Rock in Rio teve cover de Metallica, camisa do Slayer e hitsNickelback
Show no Rock in Rio teve cover de Metallica, camisa do Slayer e hits

Metallica: banda divulga link misterioso com contagem regressivaMetallica
Banda divulga link misterioso com contagem regressiva

Metallica: "One" em vídeo profissional filmado na IrlandaMetallica: vídeo pro-shot tocando "The Green Manalishi" na versão do Judas PriestMetallica: uma versão energética de "Creeping Death" ao vivo em ParisEntrevista: Martin Popoff, a máquina de escrever do rock/metal

James Hetfield: Tony Iommi comenta sua volta à reabilitaçãoJames Hetfield
Tony Iommi comenta sua volta à reabilitação

Metal Hammer: site lista as dez melhores músicas do Metallica com Cliff BurtonMetal Hammer
Site lista as dez melhores músicas do Metallica com Cliff Burton

Metallica: "Now That We're Dead" ao vivo na Suíça

Slipknot: Cancelamento do Metallica ferrou a turnê dos carasSlipknot
Cancelamento do Metallica ferrou a turnê dos caras

Metallica: ex-baixista Ron McGovney oferece ajuda para James HetfieldMetallica
Ex-baixista Ron McGovney oferece ajuda para James Hetfield

Metallica: Matt Sorum manda mensagem de apoio para James HetfieldMetallica
Matt Sorum manda mensagem de apoio para James Hetfield

Mastodon: a surreal história de como conheceram o MetallicaMastodon
A surreal história de como conheceram o Metallica

Dave Mustaine: imprensa mantinha a rivalidade acesaDave Mustaine
"imprensa mantinha a rivalidade acesa"

Rock e Metal: As exigências bizarras nas turnêsRock e Metal
As exigências bizarras nas turnês


Metal: Mapa revela os países com mais bandas do estiloMetal
Mapa revela os países com mais bandas do estilo

Separados no nascimento: Ian Hill e Stênio GarciaSeparados no nascimento
Ian Hill e Stênio Garcia

Ghost: uma foto assustadora dos bastidores do Rock In RioGhost
Uma foto assustadora dos bastidores do Rock In Rio

Hall Of Shame: as melhores músicas ruins da história do MetalHall Of Shame
As melhores músicas ruins da história do Metal

Metallica: a regressão técnica de Lars UlrichMetallica
A regressão técnica de Lars Ulrich

Megadeth: a diferença entre os investimentos das gravadorasMegadeth
A diferença entre os investimentos das gravadoras

Megadeth: As histórias por trás de algumas músicas de DystopiaMegadeth
As histórias por trás de algumas músicas de Dystopia


Sobre Mário Orestes Silva

Deuses voavam pela Terra numa nave. Tiveram a idéia de aproveitar um coito humano e gerar uma vida experimental. Enquanto olhavam, invisíveis ao coito, divagavam: - Vamos dar-lhe senso crítico apurado pra detratar toda sua espécie. Também daremos dons artísticos. Terá sex appeal e humor sarcástico. Ficará interessante. Não pode ser perfeito. O último assim, tivemos de levar à inquisição. Será maníaco depressivo e solitário. Daremos alguns vícios que perderá com a idade pra não ter de morrer por eles. Perderá seu tempo com trabalho voluntário e consumindo arte. Voltaremos numas décadas pra ver como estará. Assim foi gerado Mário Orestes. Décadas depois, olharam como estava aquela espécie experimental: - O que há de errado? Porque ele ficou assim? Criamos um monstro! É anti social. Acumula material obsoleto que chamam de música analógica. Renega o título de artista pelo egocentrismo em seus semelhantes. Matamos? - Não. Ele já tentou isso sem sucesso. O Deixaremos assim mesmo. Na loucura que criamos pra vermos no que dará, se não matarem ele. Já tentaram isso, também sem sucesso. Então ficará nesse carma mesmo. Em algumas décadas, voltaremos a olhar o resultado. Que se dane.

Mais matérias de Mário Orestes Silva no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336