Tankard: A melhor cerveja é a do camarim, porque é de graça

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Leonardo Daniel Tavares da Silva
Enviar correções  |  Ver Acessos

Paulistas, guardem um bom estoque de cerveja, pois em 21 de fevereiro quatro alemães sedentos irão invadir a cidade. Andreas "Gerre" Geremia (vocal), Frank Thorwarth (baixo), Olaf Zissel (bateria) e Andreas "Andy" Gutjahr (guitarra), o TANKARD, faz única e exclusiva exibição da "Kings of Beer Worldwide tour" no país, no próximo dia 21 de fevereiro, no tradicional Hangar 110, em São Paulo. Ainda há ingressos à venda no site Ticket Brasil e pontos autorizados em São Paulo, Santo André, São Bernardo, São Caetano, Osasco, Diadema, Guarulhos, São Mateus, Sorocaba e Santos. Eu conversei por email com Gerre sobre vários assuntos, principalmente cerveja (é claro). Você confere nossa conversa logo abaixo.

Milhões: Os eventos com maior público da história da músicaDepressão: 10 músicas que devem ser evitadas

Daniel Tavares: Oi, Gerre. É legal conversar com você de novo. Sou o Daniel Tavares e escrevo para alguns sites de Heavy Metal aqui no Brasil. Nós nos encontramos alguns anos atrás em Fortaleza (e você me deu um "Pedala Robinho" quando me viu tomando notas para a resenha do show - Nota: Leia a resenha no site abaixo). Risos. Então, o que os fãs brasileiros de cerveja e Thrash Metal podem esperar do show em São Paulo?

Andreas "Gerre" Geremia: Oi, Daniel, legal falar com você de novo também. Os fãs podem esperar uma boa mistura de coisas novas e velhas. Nós estamos ansiosos para celebrar uma grande festa thrash junto com os fãs malucos outra vez!

Daniel Tavares: Eu sei que todos vocês tem os seus empregos regulares e que vocês pensam que é importante trabalhar em outras áreas e ter a música mais como uma fonte de alegria do que uma obrigação, mas eu tenho que insistir. Por que apenas um show?

Gerre: Dessa vez nós realmente quisemos visitar países onde nunca estivemos, então, sentimos muito por ter apenas um show no Brasil, mas eu acho que não vai ser a última vez que vamos visitar o seu maravilhoso país!

Daniel Tavares: Falando sobre seu emprego regular, você pode nos contar algo sobre ele? Como é o Gerre quando você não está cantando?

Gerre: Eu trabalho como assistente social e cuido de pessoas viciadas em drogas. Então, é uma coisa completamente diferente do TANKARD.

Daniel Tavares: Posso te fazer uma pergunta pessoal? Como está sua saúde? Alguns anos atrás você apareceu muito magro. Eu espero que esteja tudo bem. Você toma cuidados com a saúde?

Gerre: Não se preocupe. Eu fiquei gordo de novo.......hahahahaha

Daniel Tavares: E quais são os seus planos como líder de banda, para o futuro? O que o futuro reserva para o TANKARD que você já saiba??

Gerre: Depois que voltarmos da América do Sul, nós vamos começar a escrever novas canções para o próximo álbum, que vamos trazer em 2017 para celebrar nosso 35º aniversário. No verão (Nota: Gerre se refere aqui ao verão do Hemisfério Norte), vamos tocar em algum festival e fazer alguns shows em clubes mais tarde esse ano!

Daniel Tavares: E o novo álbum, "Rest In Beer", como você tem visto a recepção a ele? Que canções você acha que se transformarão em clássicos da sua discografia?

Gerre: As reações tem sido bem boas e nós entramos nas listas oficiais de vendas da Alemanha em 41º lugar, o que é um sucesso grande para uma banda como o TANKARD. Eu acho que a faixa título e "Fooled by your guts" vão se tornar clássicos.

Daniel Tavares: Estando falando sobre cerveja por mais de 32 anos, existe ainda algo a ser falado sobre cerveja?

Gerre: Nós demos o nome pra nossa segunda demo de "Alcoholic Metal" só como uma piada porque no meio dos anos 80 um monte de novos estilos de metal tinha aparecido, como speed, thrash, black, poser, etc. Depois nós fizemos tudo para manter este tipo de imagem. No meio dos anos 90, nós quisemos nos livrar dessa imagem, mas ninguém realmente acreditou e nós falhamos totalmente. hahahaha...Hoje em dia, nós fazemos muitas piadas e parodiamos nossa própria imagem, não nos levamos muito a sério, apesar de que também tenhamos letras sérias! Este lado do TANKARD tem sido sempre subestimado, mas nós podemos viver com isso. Nós nunca vamos nos livrar dessa imagem, mas isso está realmente ok pra gente!

Daniel Tavares: Sim, ainda há o que falar sobre cerveja. Você tem visitado muitos países por todos esses anos. Você prova as cervejas locais? Qual a melhor cerveja do mundo, tirando a alemã, claro?

Gerre: Esta é a única razão para a qual nós fazemos as turnês: provar todas as cervejas diferentes do mundo inteiro..........hahahahahaha......a melhor cerveja é sempre a cerveja que a gente pega nos camarins, porque ela é de graça!

Daniel Tavares: E o que você acha das cervejas brasileiras? Seja honesto, por favor.

Gerre: Skol e Brahma eu posso me lembrar, elas eram bem boas. Elas realmente desciam bem, então, eu acho que vou tomá-las novamente!

Daniel Tavares: E nosso futebol? O mundo inteiro ficou surpreso quando a Alemanha ganhou aquele jogo. 7 a 1. Inacreditável, eu tenho que dizer. Qual foi a sua reação naquele dia?

Gerre: Nós vimos o jogo no avião indo pra Austrália pra tocar três shows. Eu nunca esperei por aquilo e foi tão irreal pra gente também. Em geral eu sou mais interessado em futebol de times, então meu time favorito é o Eintracht Frankfurt e eu tento assistir quantos jogos forem possíveis ao vivo nos estádios.

Daniel Tavares: Esta é uma questão que eu sempre pergunto para todos os meus entrevistados. Existe algum músico brasileiro que você goste ou que tenha tido alguma influência na sua música ou no seu estilo?

Gerre: Nós conhecemos um ao outro na escola e éramos os únicos headbangers na escola! Era o começo dos anos 80. Nós todos crescemos com a New Wave Of British Heavy Metal e amávamos bandas como o TANK, RAVEN, JAGUAR, TIGERS OF PAN TANG e, claro, as grandonas como IRON MAIDEN e JUDAS PRIEST. Então, nós ouvimos os primeiros álbuns do EXODUS, do SLAYER, do METALLICA e do EXCITER e eles realmente explodiram nossas cabeças! Essas são realmente as nossas influências! O primeiro contato que o Frank e eu tivemos em 1978 com o álbum ao vivo "Let there be rock" do AC/DC foi ouvindo no rádio pela primeira vez. O primeiro show que eu fui foi do SAXON com o PICTURE em 1981, mas eu estou realmente muito velho, não consigo lembrar muito...........Claro que nós ouvimos SEPULTURA também nessa época e tocamos juntos em alguns festivais nos anos 80 e 90. Isto foi realmente incrível.

Daniel Tavares: Você poderia deixar uma mensagem para todos os seus fãs brasileiros, especialmente para aqueles que vão comparecer ao seu show em São Paulo?

Gerre: Nós realmente gostaríamos de agradecer a todos os fãs brasileiros por todo o seu apoio nos últimos 34 anos e nós temos certeza realmente de que vamos voltar nos próximos anos! Saude!

(Nota: Gerre escreveu a palavra "Saúde" em português mesmo, só não colocou o acento).



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Tankard"


Tankard: Crystal é uma cerveja tão ruim quanto a HeinekenTankard
"Crystal é uma cerveja tão ruim quanto a Heineken"

1986: O ano definitivo da música pesada1986
O ano definitivo da música pesada


Milhões: Os eventos com maior público da história da músicaMilhões
Os eventos com maior público da história da música

Depressão: 10 músicas que devem ser evitadasDepressão
10 músicas que devem ser evitadas


Sobre Leonardo Daniel Tavares da Silva

Daniel Tavares nasceu quando as melhores bandas estavam sobre a Terra (os anos 70), não sabe tocar nenhum instrumento (com exceção de batucar os dedos na mesa do computador ou os pés no chão) e nem sabe que a próxima nota depois do Dó é o Ré, mas é consumidor voraz de música desde quando o cão era menino. Quando adolescente, voltava a pé da escola, economizando o dinheiro para comprar fitas e gravar nelas os seus discos favoritos de metal. Aprendeu a falar inglês pra saber o que o Axl Rose dizia quando sua banda era boa. Gosta de falar dos discos que escuta e procura em seus textos apoiar a cena musical de Fortaleza, cidade onde mora. É apaixonado pela Sílvia Amora (com quem casou após levar fora dela por 13 anos) e pai do João Daniel, de 1 ano (que gosta de dormir ouvindo Iron Maiden).

Mais matérias de Leonardo Daniel Tavares da Silva no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin adWhipDin