RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemO hit da Legião Urbana que traz crítica contra "Escolinha do Professor Raimundo"

imagemDigão diz a Jão que não quer treta mas não tem sangue de barata

imagemA banda que desbancava Roberto Carlos na época da Jovem Guarda, segundo Miguel Plopschi

imagemBanda cancela show porque perdeu laptops e Sebastian Bach alfineta; "Isso é uma piada?"

imagemMegadeth: Chris Poland teve que trabalhar como garçom após ser demitido

imagemJão, do Ratos de Porão, chama Digão para resolver as diferenças em um ringue

imagemA banda que Mustaine achou que pudesse ser a nova encarnação dos Beatles (e não foi)

imagemDave Mustaine cascava o bico das bandas de new metal que faziam turnês com o Megadeth

imagemA opinião curta e grossa de Tony Iommi sobre documentário de Ronnie James Dio

imagemA curiosa analogia de Kiko Loureiro sobre Uber e F1 para explicar importância da prática

imagemPrince "não sabia lidar com as pessoas", segundo seu antigo empresário

imagemBaixista do Avatar, que abriu shows do Iron Maiden, tem tatuagem do Brasil

imagemNovo produtor do Slipknot esperava mais do grupo, afirma guitarrista

imagemO desenrolo que Alissa White-Gluz precisou fazer para trabalhar na pandemia

imagemThom Yorke em 1992: "Tenho um desprezo patológico por Jim Morrison"


Stamp

Povos Indígenas do Brasil: Entrevista Arandu Arakuaa

Por Jakline Costa
Fonte: Povos Indígenas do Brasil
Em 19/08/14

Povos Indígenas do Brasil: O que vocês pretendem alcançar com a temática da banda?

Nájila - Sempre fui apaixonada por toda essa diversidade de culturas que o nosso mundo possui, infelizmente ao longo da história da humanidade, muitas culturas foram dizimadas da terra e esse processo continua, infelizmente. A temática da Arandu Arakuaa busca resgatar um pouco da nossa cultura, tanto os indígenas como os povos do sertão do Brasil, merecem ser reconhecidos, é linda e riquíssima as formas de expressão cultural, pretendo levar um pouco disso a um grande número de pessoas e ajudar na conscientização, no respeito e preservação.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Povos Indígenas do Brasil: Como os povos indígenas encaram o trabalho de vocês?

Zândhio – Os que já tivemos contato ficam felizes por estarmos ajudando a passar a mensagem, inclusive temos alguns amigos indígenas que nos apoiam e é ótimo para nós termos esse respaldo.

Povos Indígenas do Brasil: Pela cultura indígena ser subestimada e termos pouco conhecimento sobre o assunto, você acha que o som da Arandu Arakuaa sofre algum tipo de preconceito?

Zândhio – Sim. É uma junção de três coisas que o brasileiro tem preconceito enraizado: rock, indígenas e música regional. Acabamos por sofrer preconceito fora do rock por tocarmos rock e dentro do rock por incluirmos elementos da nossa cultura nativa. Mas por outro lado quem se dá ao trabalho de tentar entender a mensagem respeita muito e é isso que realmente importa. Toda mudança de cultura demanda tempo e estamos prontos para dar nossa contribuição.

Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva

Povos Indígenas do Brasil: Quais as fontes de informação que você utiliza para ter mais conhecimento sobre a cultura indígena?

Zândhio – Livros, contato direto com indígenas, vídeos... Aqui no Brasil em se tratando de material de pesquisa sobre povos indígenas o Instituto Sócio Ambiental é o que tem mais informações acessíveis.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Povos Indígenas do Brasil: Quais as dificuldades que cada membro enfrentou até se adaptar ao som proposto pela banda?

Saulo - Cada membro tem uma escola bem diferente da outra, mas acho que só fez com que acrescentasse novos elementos ao som. Claro que testamos tudo exaustivamente até acharmos o melhor resultado. Cada um sede um pouco a flui naturalmente.

Adriano - Particularmente não tive muitas dificuldades em adaptação ao som proposto, pois sempre tive a vontade de fazer algo diferente e inovador como o som da Arandu Arakuaa.

Nájila - Dificuldades na vida é inevitável, estamos constantemente sendo desafiados, isso é a essência, a base do crescimento pessoal, cantar em Tupi foi um desafio mágico de concretizar. Naturalmente tenho admiração por nossos povos indígenas, respeito e me preocupo com a situação que se encontram, quando fiz o teste o Zândhio me apresentou o projeto e as letras, senti que era o lugar certo para cantar e buscar realizar alguns dos meus sonhos e a positividade da banda faz com que busque mesmo enfrentar qualquer desafio que Arandu Arakuaa venha a enfrentar.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Povos Indígenas do Brasil: Quais os pontos altos e baixos em relação ao álbum Kó Yby Oré? No processo de gravação qual música sofreu mais mudança?

Zândhio – Os pontos altos foram todo o processo desde a composição até a masterização e a aceitação do público que foi fantástica. Ponto baixo é aquele velho problema que as bandas independentes têm de falta de estrutura para distribuição, divulgação e shows. As músicas não sofreram mudanças na estrutura, apenas nos arranjos e o produtor Caio Duarte fez um grande trabalho nos auxiliando nesse aspecto.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Povos Indígenas do Brasil: O que podemos esperar do novo álbum? Vocês tem uma data aproximada para o começo da gravação?

Zândhio – Muito peso, regionalismo, cânticos indígenas, melodias marcantes, ou seja, explorar mais ainda todos os elementos já presentes em Kó yby Oré tendo agora a experiência e a confiança do público a nosso favor. Ainda não temos uma data, mas o planejamento é iniciar o processo de gravação no começo de 2015.

Povos Indígenas do Brasil: Com o cenário nacional atual, como esperam garantir o espaço de vocês? Como tem sido a aceitação e o espaço para shows?

Adriano - O espaço para todas as bandas hoje em dia está muito difícil, porém esperamos garantir cada vez mais espaço com o nosso som, profissionalismo e dedicação. É até engraçado, temos tido muita aceitação nacionalmente e até internacionalmente, entretanto quando falamos em shows, ainda estamos com dificuldades de fazermos shows em outros estados. Já fizemos Anápolis (GO), Miracema (TO) e estamos com um show para 2015 em SP e queremos muito mais, nossa intenção é rodar esse Brasilzão lindo e levarmos nosso ao maior número de pessoas. Na nossa cidade natal (Brasília) a nossa aceitação é legal e já fizemos muitos shows legais por aqui também.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Najila- A cada dia me surpreendo com a demonstração de aceitação da galera, isso faz tudo valer a pena, estamos sendo requisitados em festivais grandes e a tendência é aumentar o número de shows, estamos evoluindo a cada dia e consequentemente a responsabilidade de apresentar para um público cada vez maior cresce, e assim segue Arandu Arakuaa.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Povos Indígenas do Brasil: Se você pudesse mudar ou acrescentar algo no som de vocês, o que seria?

Adriano - As palavras mudança e acrescer serão sempre muito bem vindas, pois acreditamos que o Metal e a identidade está sempre em mutação, transformação. O Rock de uma forma geral precisa disso. Queremos trabalhar ainda mais regionalismo, novos instrumentos de percussão e outros, colocar mais peso e talvez mais rapidez em algumas novas músicas, mas sem perder a nossa raiz e base construtora que é o Metal com nativismo/ regionalismo.

Povos Indígenas do Brasil: Para finalizar, quais as expectativas e planos da banda para o futuro?

Saulo - Esperamos levar o nosso som ao maior número de pessoas possível, não só no Brasil, mas para o mundo que conhece tão pouco do nosso país.

Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva

Nájila - Com a temática da banda É POSSÍVEL tentar buscar levar um pouco da cultura do nosso país ao mundo, nacionalmente espero que o povo brasileiro preserve, apoie, respeite a nossa diversidade, internacionalmente tentar mudar esse conceito, BRASIL: país do futebol, bunda e sexo.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

NFL Steve Harris


publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Ultimate Classic Rock: os 100 maiores clássicos do rock

Supergrupos: Os melhores e piores na opinião da Metal Hammer


Sobre Jakline Costa

Formada em química, atualmente envolvida com qualquer tipo de trabalho literário. Meu primeiro contato com o rock foi por volta dos 12 anos de idade, quando fui em uma loja e comprei sem ao menos conhecer, uma camiseta do Iron Maiden. Chegando em casa meu tio todo orgulhoso ficou decepcionado ao saber que mesmo com a camiseta não conhecia nenhum som da banda e a partir daquele momento o objetivo de vida dele foi me ensinar os caminhos do rock. Graças a ele hoje conheço de Iron a Led e tenho todas as minhas influências musicas. Obrigada tio.

Mais matérias de Jakline Costa.