Andre Matos: A carreira solo não foi uma escolha

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Pedro Zambarda de Araújo
Enviar correções  |  Comentários  | 

Conversamos com o cantor e compositor Andre Matos, fundador das bandas Angra e Shaman, que atualmente segue em carreira solo comemorando os 20 anos do disco Angels Cry, lançado em 1993.

2785 acessosAngra: "Uma rapazeada bonita, mas nenhum foi bonzinho"5000 acessosMTV: experts indicam as maiores bandas de Heavy Metal

Entrevista por Pedro Zambarda de Araújo.
Via Ultimate Music Press.

1 - Hoje, tocando uma carreira solo, você se sente como um músico livre, por mais que tenha arranjado conflitos durante sua carreira?

Andre Matos - Se houve alguns conflitos durante minha carreira foi por tentar fazer, e às vezes até impor, o que considerava certo, tanto musicalmente, quanto moral e profissionalmente. Nunca busquei quaisquer conflitos, mas eles são comuns em qualquer profissão que se escolha. Há de saber aceitá-los como parte da vida e usá-los a favor de um maior auto-conhecimento.

A carreira solo não foi uma escolha, mas uma necessidade. E, sem dúvida, por mais que isso me acarrete mais responsabilidades hoje em dia, sinto-me bem mais livre. Hoje, se houver dúvidas ou conflitos, eles são resolvidos imediatamente, de maneira clara. Do ponto de vista musical, a liberdade é ainda maior. Minha banda abarca uma carreira de 25 anos e podemos passear por todo o repertório com tranquilidade, além de produzir sempre material novo, pois já estamos no terceiro álbum de estudio. Foi difícil no começo, no entanto, agora posso dizer que a carreira está solidificada e é definitiva.

2 - Sua volta ao Viper em 2012, celebrando discos como Soldiers of Sunrise, foi uma espécie de preparação para as comemorações da estreia do Angra?

AM - Sem dúvida, porque foi aí que nasceu a ideia de uma turnê comemorativa também em 2013. A turnê do Viper estava prevista para durar apenas um mês e acabou se estendendo por cinco! E o mesmo aconteceu com a turnê atual da banda solo, pois sabíamos que iríamos participar de festivais como Abril Pro Rock e Rock in Rio, mas não imaginávamos que permaneceríamos ocupados até os últimos dias do ano, quase ininterruptamente. A tour foi um sucesso e o tributo ao Angels Cry teve uma importância crucial, porque era algo que as pessoas estavam esperando. Se vamos continuar fazendo turnês comemorativas ou não, isso não ouso afirmar.

3 - Você sabia o que Angels Cry se tornaria, 20 anos depois?

AM - Não tinha a menor ideia. Assim como não tinha em relação ao Theatre of Fate, ao Ritual, ao Virgo, ao Time to be Free. Cada álbum tem o seu tempo de maturação e a sua maneira particular de entrar para a história. Muitas vezes um álbum é composto e produzido não exatamente de acordo com o tempo presente, mas mirando o futuro, à frente de seu tempo.

4 - Como está sendo tocar Angels Cry sem seus antigos companheiros do Angra? Foi por opção? Bate uma nostalgia ao tocar Angels Cry na íntegra?

AM - O clima que percebo não é de nostalgia, mas sim de celebração. É muito empolgante ver a resposta do público às músicas deste disco que fez história no Brasil e no mundo. Quanto aos músicos que me acompanham, estou mais que satisfeito com a performance da banda solo porque eles estão tocando as composições com perfeição. Não me recordo dos arranjos soarem tão precisos ao vivo em toda a carreira, e estamos agradando por onde passamos. A escolha deste tributo foi uma sugestão já antiga. A ideia se provou viável depois da turnê de reunião do Viper, com Soldiers of Sunrise e Theatre of Fate ao vivo. A única condição para se fazer o Angels Cry era a de tocar o disco na íntegra, do início ao fim. Deste ponto de vista, foi um grande desafio, mas que acabou se transformando em diversão no decorrer dos shows.

5 - Como é competir com shows internacionais no Brasil hoje?

AM - Não podemos competir, mas sim conviver com eles. A verdade é que os shows internacionais tornaram-se tão ou mais freqüentes quanto as apresentações de bandas nacionais. Então, tudo passa por uma questão de qualidade. Ofereça a mesma qualidade e mantenha o seu público fiel, para não haver a necessidade de competição. Obviamente, é aconselhável optar por datas que não sejam conflitantes, para não colocar o seu próprio fã em xeque. Antigamente isto não era tão drástico, mas a quebra da indústria fonográfica obrigou todos os artistas a estarem na estrada o tempo todo. Veremos até onde isto deve chegar.

6 - O que os fãs podem esperar deste novo show em São Paulo e que encerra mais uma bem-sucedida turnê? Em recentes entrevistas, você declarou que a apresentação terá mais de 3h e que contará com algumas surpresas, certo?

AM - Será a grande despedida em São Paulo, encerrando a turnê, e ao mesmo tempo o último show nos próximos meses. Realizamos o penúltimo em Manaus no final de semana passada com casa lotada, o que vem sendo uma constante nesta turnê. As pessoas não querem perder o Angels Cry ao vivo e na íntegra, além dos clássicos e das músicas do álbum novo, The Turn of the Lights. Estivemos em SP bem no início da tour, logo no segundo ou no terceiro show, e posso garantir que o que o público presenciará agora é praticamente um outro espetáculo. Depois de quase 40 apresentações, as músicas pegaram energia e fluidez, além de nos sentirmos bem à vontade no palco para executá-las. Como se trata de uma comemoração de fim de ano, resolvemos incluir mais cinco músicas diferentes. Haverá surpresas inesperadas entre algumas faixas que foram pedidas ao longo desse ano e até coisas inéditas mesmo. A comemoração será pra valer. Tenho certeza de que fecharemos a noite de forma inesquecível, com tudo o que o público pode esperar. Já estamos contando as horas para pisar no palco pela última vez em 2013.

7 - Andre, você acredita que fez discípulos no heavy metal? Que novos cantores você destacaria nos últimos 10 anos? Eles foram influenciados diretamente por você?

AM - Muitos jovens vêm constantemente até mim e fazem questão de declarar que me incluem entre suas principais influências. Isso é motivo de orgulho pra mim. Não deixo, no entanto, de alertar para que cada um deles busque sempre uma identidade própria. Influências são importantes e até mesmo necessárias, mas não como um fim em si mesmas. Há diversos bons cantores e cantoras que surgiram no Brasil nos últimos anos. Citar apenas alguns seria injusto. Não deixo de valorizar também os mais antigos que continuam em constante evolução.

8 - O que falta ao heavy metal atualmente?

AM - Criatividade? Ousadia? Coragem? Sair da chamada "zona de conforto"? Não sei, retribuo esta pergunta a você e aos próprios leitores! Como costumo dizer, a última coisa "nova" que apareceu dentro da música pesada, e que me chamou realmente a atenção, foi o Rammstein. A vinda deles já faz quase 15 anos! Mas este é um ponto de vista estritamente pessoal. Gostaria, na verdade, que algo hoje em dia me surpreendesse tanto quanto eles me surpreenderam naquela época.

Quer saber mais detalhes sobre o próximo show de Andre Matos? Confira abaixo.

RockShowBiz apresenta Andre Matos
Abertura: Voodoopriest
Data: 15 de dezembro (domingo)
Local: Carioca Club
Endereço: Rua Cardeal Arcoverde, 2899 – Pinheiros (ao lado do Metrô Faria Lima)
Horário: 17h
Ingressos:
Pista: R$ 40,00 (meia/estudante) | R$ 50,00 (promocional)
Camarote: R$ 70,00 (meia/estudante) | R$ 80,00 (promocional)
Passes Meet and Greet (encontro com a banda para fotos e autógrafos após o show - quantidades limitadas): R$ 50,00
Ingressos online: www.clubedoingresso.com e www.ticketbrasil.com.br
Pontos de Venda: bilheterias do Carioca Club e loja Lady Snake (Galeria do Rock)
Informações: www.cariocaclub.com.br e tel: 11 3813-8598
Classificação: 16 anos (de 14 a 16 anos: acompanhado dos pais ou responsável legal)
Imprensa: press@theultimatemusic.com | 11 9 6419.7206

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Edu FalaschiEdu Falaschi
Vamos surpreender na segunda parte da turnê Return of Shadows

2785 acessosAngra: "Uma rapazeada bonita, mas nenhum foi bonzinho"197 acessosAltair: comédia diabólica de Progressive/Power Metal0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Angra"

Ed MottaEd Motta
Brasileiros que tocam no exterior discutem desabafo

Edu FalaschiEdu Falaschi
O fax com convite de seleção para o Iron Maiden

MegadethMegadeth
Vídeo de "Poisonous Shadows" em 360º

0 acessosTodas as matérias da seção Entrevistas0 acessosTodas as matérias sobre "Andre Matos"0 acessosTodas as matérias sobre "Viper"0 acessosTodas as matérias sobre "Angra"0 acessosTodas as matérias sobre "Shaman"

Melhores do metalMelhores do metal
Experts da MTV elegem Sabbath, Judas e Metallica

Marc Ferr?Marc Ferr?
A música "Wasting Love", do Iron Maiden, é um Plágio?

Guns N RosesGuns N' Roses
A crítica de Portnoy ao trabalho de Matt Sorum

5000 acessosMusical Box: Os 20 discos seminais do Hard Rock5000 acessosDedo x Palheta: Jason Newsted joga gasolina na fogueira do debate5000 acessosHeavy Metal: Os 11 melhores álbuns dos anos 2000 segundo o Loudwire5000 acessosPrincesa Leia: rockers comentam morte de Carrie Fisher5000 acessosWhitesnake: Em 1989, o sobrenatural álbum com Steve Vai3181 acessosPower trios: Os melhores do heavy metal, conforme o Loudwire

Sobre Pedro Zambarda de Araújo

Nascido em 1989. Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero, em São Paulo, Pedro foi apresentado ao heavy metal através da banda Blind Guardian, em meados de 2004. Ouve e aprecia outros estilos do rock, como o punk, o indie e vertentes mais variadas. Gosta de assistir e cobrir shows.Toca muito mal guitarra, mas aprecia vários tipos de instrumentos musicais.

Mais matérias de Pedro Zambarda de Araújo no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online