A Chave do Sol: "o cão São Bernardo que curtia Blues"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Willba Dissidente, Fonte: blog: A Chave do Sol
Enviar correções  |  Ver Acessos

Comemorando 30 anos de sua fundação, a pioneira banda do hard rock brasileiro A CHAVE DO SOL esboçou um retorno aos palcos me meados de 2012, porém só um "pocket show" ocorreu. O que teria acontecido com a banda? Para exclarecer essa pergunta que tira o sono dos amantes do metal nacional e resgatar algumas "curiosidades histórias", Willba Dissidente bateu um papo (por e-mail) com o guitarrista e membro original Rubens Gióia.

Cranberries: causa da morte de Dolores O'Riordan é reveladaRodolfo: 100% arrependido das letras dos Raimundos

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A entrevista, intitulada "O cachorro que curtia blues, o que é e o que passou" foi publicada originalmente no blog: A CHAVE DO SOL, site destinado a reunir o material de acervo da banda e também divulgar as novidades do conjunto. Confira abaixo!

Rubens Gióia no Victoria Pub em 1983.
Rubens Gióia no Victoria Pub em 1983.

Quando a banda carioca METALMORPHOSE voltou à ativa em 2009, comemorando os 25 de seu primeiro disco, eu conversei - informalmente - com o baixista André Bighinzoli, que me contou sobre os planos do grupo de relançamentos e gravação de material inédito. Ao longo destes 03 anos, muito do que ele me contou realmente aconteceu. Então, eu pergunto, quais são os planos de retorno d' A CHAVE DO SOL? Em boas palavras: o que devemos esperar dessa volta?

Rubens Gióia: A expectativa era grande... mas tanto o Zé hoje no VIOLETA DE OUTONO e o Luiz na banda PEDRA inviabilizam... quase aconteceu, mas como estão trabalhando ativamente não foi possível. Com a aquiescência deles montei uma nova formação, até porque A CHAVE DO SOL é uma franquia minha, criada quando eu tinha 14 anos, e está em estudos... quem sabe em algum momento uma reunião seja possível, nos damos bem.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Cada uma das vezes que A CHAVE DO SOL retornou, você trouxe consigo uma nova formação, sempre com músicos expressivos e experientes em rock pesado. Como foi o processo de seleção do time atual d' A CHAVE DO SOL?

Rubens Gióia: Respeito musical e amizade... basicamente... e respeito à essência da Chave.

Rubens ao vivo no Clube Sete Praias, em Interlagos (São Paulo), durante o "Outubro Music Festival", 1986.
Rubens ao vivo no Clube Sete Praias, em Interlagos (São Paulo), durante o "Outubro Music Festival", 1986.

A CHAVE DO SOL é um grupo que passou por muitas mudanças de estilo dentro do rock pesado, indo da linha do jazz-rock ao hard rock mais comercial, por vezes em músicas com aura de heavy metal; alterando, gradualmente, as composições do português para o inglês. Com que temática, estilo e língua você preferiria compor músicas novas com a banda?

Rubens Gióia: A Chave mais notória, que se pautava pelo perfeito entendimento do Zé, mais jazzista, e o Luiz, um músico completo e eclético... acho que o peso vinha das minhas mãos...

Quando você não quis mais continuar com a banda em 1987, o sucederam guitarristas que se tornaram muito famosos no metal nacional - Eduardo Ardanuy (DR. SIN) e Kiko Loureiro (ANGRA). Estes músicos, entretanto, são de outros gêneros musicais de metal, enquanto que você manteve-se no 'mesmo estilo de som' na PATRULHA DO ESPAÇO e no YANKEE. Você nunca cogitou fazer um outro estilo de mais aceitação comercial para atingir maior sucesso?

Rubens Gióia: Nunca entendi arte como comércio, apesar de querer subsistir dela... saí justamente porque A CHAVE DO SOL estava tomando rumos mais mercadológicos que artísticos.

O grupo mineiro HOLOCAUSTO fez um disco, Campo de Extermínio (1987), abordando o nazismo de maneira que há muitos que o acuse de apologia ao regime de exceção. A CHAVE DO SOL possui músicas que tem postura política oposta à citada, denunciando desigualdades sociais e a opressão. Quem assistiu o documentário "Ruido das Minas (2009)" viu o HOLOCAUSTO afirmar que apenas contava uma história da Segunda Guerra Mundial e não apoiava o Reich. E A CHAVE DO SOL, uma música como Sun City somente conta a história da lutas dos negros, ou a banda acreditava na mensagem passada?

Rubens Gióia: No nosso caso acreditávamos e certamente acreditamos... sempre achamos que a arte é uma arma poderosa... temos posições humanísticas e achamos que pudéssemos ser um instrumento de conscientização...não panfletária nem partidária, mas a serviço de levar opinião e esclarecimento... quem foi às nossas gigs no Lira Paulistana viu uma mistura de som, performance, literatura e atitude... creio...

A CHAVE DO SOL clássica, antes da gravação do primeiro compacto. Zé Luis (bateria), Luiz Domingues (baixo) e Rubens Gióia (guitarra).
A CHAVE DO SOL clássica, antes da gravação do primeiro compacto. Zé Luis (bateria), Luiz Domingues (baixo) e Rubens Gióia (guitarra).

Conversando com Nivaldo da loja STAND UP, galeria do rock de São Paulo, ele me contou que quando tocava com a banda SUBURBIO (que incluiu o guitarrista Edgar Scandurra, do IRA) fez um show com A CHAVE DO SOL na Av. Ibirapuera numa casa chamada APonto. Isso ocorreu entre 1978 e 1980, época que o grupo contava com Dedé e Silvio, antes do início oficial da banda em 1982. A CHAVE SOL antes do Luiz Domingues e do Zé Luis era o mesmo grupo? Há alguma estória interessante dessa época que você queria contar ao blog?

Rubens Gióia: Tá bem informado, hein? Realmente... foi uma das casas mais bacanas que conheci... Aponto... como falei, A CHAVE DO SOL foi um sonho meu de adolescência... nesta busca entrei na SANTA GANGUE e lá conheci estes tipinhos que compraram meu sonho... posso dizer que A PATRULHA DO ESPAÇO, na pessoa do Jr (nota: Rolando Castello Júnior), foi o Grande padrinho... o conheci neste bar e ele abriu a casa dele pra que eu assistisse ensaios e até emprestar equipamento pra essas gigs no bar... vale ressaltar uma vocalista que tivemos, a Verônica... uma moça de 1.80 modelo loira com a voz da Tina Turner, que eu conheci num bar chamado Deixa Falar, antes Be Bop A Lula, que lançou MUTANTES e TERÇO... aliás, palco da primeira jam da CHAVE DO SOL mais conhecida... a primeira vez em que tocamos juntos eu, Zé e Luis, compusemos 18h, que seria nosso primeiro "hit". Além de Scandurra, neste bar eu vi o grande guitarrista Renato Ribeiro e o embrião do ULTRAJE A RIGOR, entre outros... O Aponto bar virou uma segunda casa pra mim... conviver com músicos desse naipe foi determinante... interessante é que havia um São Bernardo, o cão mesmo, que só saía da casinha dele quando se tocava blues... o palco era suspenso e ele se posicionava em baixo e à frente uivando... AUUUUUUUUUUUUUUUUUU!!!!... tempos bons, honestos e livres...

Willba Dissidente agradece aos amigos Rubens Gióia, pelo tempo e atenção, e Luiz Domingues, que cedeu as imagens que ilustram essa matéria.

Sites relacionados (em português):

http://achavedosol.blogspot.com.br
http://pt-br.facebook.com/pages/A-Chave-do-Sol/2013319665618...
http://www.orkut.com/Main#Community?cmm=1279098&hl




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "A Chave do Sol"


Vocalistas: As maiores vozes esquecidas do MetalVocalistas
As maiores vozes esquecidas do Metal


Cranberries: causa da morte de Dolores O'Riordan é reveladaCranberries
Causa da morte de Dolores O'Riordan é revelada

Rodolfo: 100% arrependido das letras dos RaimundosRodolfo
100% arrependido das letras dos Raimundos


Sobre Willba Dissidente

Willba Dissidente é fã das bandas de hard rock dos anos 70 e 80 e de metal oitentista dos mais variados países. Quem quiser saber mais deve acessar seu canal no youtube. Obrigado! Stay Hard (True As Steel)!

Mais matérias de Willba Dissidente no Whiplash.Net.

Cli336x280 CliIL Cli336x280 CliInline