Hard And Heavy: Kamala, prontos para estourar!

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Luciano Piantonni, Fonte: Hard And Heavy
Enviar correções  |  Ver Acessos

Não é de hoje que o Kamala vem se destacando por fazer um Thrash moderno, de qualidade, com um excelente currículo que inclui os álbuns, Kamala (2007), Fractal (2009) e o mais recente, The Seven Deadly Chakras, lançado este ano. E mesmo com todos esses trunfos, parece que ainda falta algo para que eles estourem de vez. E é sobre isso e outros assuntos, que conversamos com o vocalista e guitarrista Raphael Olmos.

Bon Jovi: chocando companheiros de banda com confissãoSepultura: Andreas Kisser explica por que nunca rolará reunião

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Raphael, como surgiu o conceito de The Seven Deadly Chakras? Aliás, pode ser considerado um álbum conceitual?

Raphael Olmos: Falamos que nós não chegamos no conceito, o conceito chegou até nós. Percebemos que tudo que estava em volta da banda, girava em torno do número 7. Quando começamos a compor o álbum, a banda tinha 7 anos, todos os membros tinham 7 letras no primeiro nome (na época o baixista era o produtor dos 3 álbuns, Ricardo Piccoli)...entre outras coisas. Sentimos que seria o início de uma nova fase, e começamos a pesquisar mais sobre o número 7. Foi ai que chegamos nos 7 pecados capitais e nos 7 chakras do corpo humano. Achamos a relação fantástica, pois um lado busca equilíbrio e o outro mostra o lado desequilibrado do ser humano. O Kamala sempre buscou misturar a cultura ocidental com a oriental, e isso reflete nesses 2 temas. Sem dúvida esse álbum é conceitual!

O Kamala está em seu terceiro disco, todos consideram abanda como sendo excelente, só que no entanto, ainda não emplacou no sentido de ficar 'mega conhecida'; em sua opinião, o que falta para o Kamala estourar?

Raphael Olmos: De fato ainda não somos uma banda "mega conhecida", porém a cada trabalho lançado, sentimos que conquistamos mais admiradores pelo nosso trabalho, dentro e fora do país. Alias, com o novo álbum, estamos sentindo que a banda começou a fazer barulho fora do Brasil. O que acho que falta, é um pouco mais de interesse do público em geral para buscar e estar "aberto" para conhecer novas bandas. Tem muita banda sensacional por ae, fazendo grandes álbuns e grandes shows, o pessoal tem que ter a cabeça mais aberta para as novas bandas e não apenas ser fã das clássicas. Mas estamos aqui, fazendo acontecer, a cada novo lançamento, sentimos que subimos alguns degraus e nunca ficamos parados. Então acho que tudo é uma sequencia de trabalho, as vezes todo mundo acha que conheceu uma banda nova, mas essa banda já tem 4/5 álbuns lançados. Tudo tem o seu momento certo, a banda vem sendo conhecida por fazer shows fortes, com muita energia e dinâmica, antes não tínhamos essa experiência... agora sentimos que esse é o momento, esse é um novo capítulo na carreira da banda e vamos continuar trabalhando intensamente para buscar nossos objetivos como artista.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Digo isso, porque não é tão comum ver vocês participando de shows grandes, como por exemplo, na abertura dos tantos shows internacionais que acontecem por São Paulo - que ao meu ver é um grande engano dos produtores em não contar com o Kamala... Em sua opinião, o que acontece?

Raphael Olmos: O que vou falar aqui, não é novidade... porém muitas pessoas tem medo de tocar nessa assunto, achando que vão fechar portas, sendo que você já começa com portas fechadas. Se você tiver qualidade em seu trabalho, você abre portas, confiamos em nosso potencial e buscamos estar no palco por merecimento, por mérito de ser uma banda que vai somar no cast do evento. Agora outra forma de "abrir essas portas" é participando do sistema de compra de vaga para ser banda de abertura de um evento nacional ou internacional de maior porte. O Kamala já abriu shows do Sepultura, Paul Dianno, Blaze Bayley, Glenn Hughes, Onslaught, Biohazard Torture Squad, Claustrofobia, de festivais como o Roça n' Roll e outros festivais de renome pelo país, e nenhuma dessas oportunidades compramos a "oportunidade", estamos lá por que os produtores sabiam da qualidade do nosso trabalho. No fundo, o público sente quando uma banda está pagando para fazer uma abertura, não entendem por que certa banda está lá e por que outras bandas que mereciam, não. Preferimos fazer nosso trabalho com ética e saber que quando estamos no palco é exclusivamente por merecimento. Qualquer produtor que quiser contar com o Kamala para de fato somar no evento, aquecer a galera e fazer uma noite especial para todos os presentes, basta entrar em contato, estamos sempre em busca dessas oportunidades!

Para ler a entrevista completa, acesse:
http://hardandheavy.com.br/ptbr/?p=1296




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Kamala"


Thrash Metal: 20 bandas brasileiras de qualidade inquestionávelThrash Metal
20 bandas brasileiras de qualidade inquestionável


Bon Jovi: chocando companheiros de banda com confissãoBon Jovi
Chocando companheiros de banda com confissão

Sepultura: Andreas Kisser explica por que nunca rolará reuniãoSepultura
Andreas Kisser explica por que nunca rolará reunião


Sobre Luciano Piantonni

Luciano Piantonni, é editor do site Hard And Heavy ([email protected]) e redator da revista Rock Brigade. Natural de Santo André (ABC Paulista) começou sua história com a música aos 8 anos quando foi assistir ao show do Kiss, em 1983. Desde então, acompanha Rock e Metal como suas maiores paixões. Já foi colaborador da revista Roadie Crew (entre 2006 e 2007), além de jornais e sites. Possui uma assessoria de imprensa, LP Metal Press, onde trabalha com os shows de diversas produtoras como Liberation MC, Tumba Productions, SG Entertainment, TC7 Produções, entre outras.

Mais matérias de Luciano Piantonni no Whiplash.Net.

Cli336x280 CliIL Cli336x280