Mundo Cao: O cão é bravo, o som é nervoso!

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami Scopinho
Enviar correções  |  Ver Acessos

O paulistano Mundo Cao começou suas atividades em 2005 e daí em diante soube como aproveitar o tempo para refinar sua música. O trio tocou com Bruce Kulick em sua passagem pelo Brasil e teve como baterista Ivan Busic (Dr Sin), formação que gravou um excelente primeiro álbum, independente e intitulado simplesmente como "Mundo Cao". Considerando que seu Hard Rock cantado em português consegue sair da mesmice, o Whiplash.Net! foi conhecer melhor a banda, o que deu na entrevista a seguir:

De AC/DC a ZZ Top: Origens dos nomes de bandas e artistas de rockZakk Wylde: cinco momentos insanos do guitarrista

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Whiplash.Net: Olá pessoal! O Mundo Cao já tem alguns anos de estrada e agora está estreando em disco. Que tal contar um pouco de sua história?

Zeca Salgueiro: Olá para todos que acompanham o Whiplash.Net! Fabio e eu nos conhecemos como músicos contratados em outro projeto. Como o entrosamento foi bom, começamos a gravar minha voz em algumas canções que ele tinha na gaveta e gostamos do resultado. Depois chamamos um batera, que foi Edson Cruz, um cara que pegou o trem na primeira estação e ajudou a alimentar a fornalha!

Whiplash.Net: Li algumas críticas negativas em relação à demo "Bomba Caseira" (06), mas as novas canções do disco "Mundo Cao" parecem estar muito diferentes. Como rolou o desenvolvimento de sua sonoridade ao longo dos anos, afinal?

Fabio Gadel: A demo "Bomba Caseira" trazia tudo o que tínhamos feito até então - até um clipe que fizemos de brincadeira em uma tarde. Eram 14 músicas e as ideias ainda estavam amadurecendo. O próprio nome da banda veio depois da gravação das músicas e fizemos a demo junto com uma história em quadrinhos. Nos shows nós começamos a perceber o que funcionava ou não com o público e a escolha das músicas do CD foi bem criteriosa: pegamos 6 faixas da demo e mais 4 inéditas, todas tendo como princípio o conteúdo das letras.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Whiplash.Net: O cerne do Mundo Cao é o Hard Rock, mas vocês parecem exibir alguma particularidade, que por vezes até remete a Gabriel Pensador e o saudoso Chico Science. Esta percepção é equivocada ou essa brasilidade é natural no seu processo de composição?

Zeca: Olha, você foi um dos poucos a perceber qual é... A música que escolhemos para o primeiro clipe, "Maloqueiro Sem Futuro", foi escrita por mim há quase 15 anos, e quando a escrevi eu quis mostrá-la exatamente pro Gabriel, o Pensador! Acho que o fato de escrevermos em português e falarmos do nosso dia a dia, sem piegas, já lembra os artistas que você mencionou, que além de compositores, são cronistas do seu tempo e situação.

Whiplash.Net: Vocês tiveram Ivan Busic (Dr Sin) como baterista até pouco tempo. Como rolou essa parceria? E o substituto, Felipe Abdala? Vi uma entrevista com vocês no YouTube, e o cara parece ser uma figura!


Fabio: Convidamos Ivan para a gravação do CD, e ele topou. Aí ele gostou do trabalho e quis fazer shows conosco, inclusive fazendo o lançamento na Fnac Pinheiros. O problema é que as agendas começaram a conflitar, afinal de contas o cara é o batera do Dr. Sin, e para solucionar o problema ele nos apresentou Felipe, que é um figuraça e está colaborando bastante até na parte de produção.


Felipe: Eu estava no estúdio num dia em que eles conversavam sobre esse problema de agenda. De repente o Ivan aponta pra mim e diz: '...leva ele...'. Eles acreditaram, né? (risos)

Whiplash.Net: Está aumentando o número de bandas de rock pesado e cantado na língua portuguesa. Você acha que o rock brasileiro tem uma identidade definida, ou isso não existe?

Zeca: Acho que a música brasileira em geral tem uma identidade definida. Isso eu digo sobre a boa música. Há bandas que visam a Europa ou o Japão, daí têm que cantar em inglês, e os temas tendem a ser gerais. Quem canta em português, como nós, fala sobre o Brasil para os brasileiros. E no Brasil a maioria começa arranhando um violão... Acho que a identidade está aí.

Whiplash.Net: Há muito para se melhorar em termos de shows, mas me parece que o Brasil está em uma boa fase em se tratando de underground. Enquanto banda, como o Mundo Cao se vira neste sentido?

Fabio: Na real? Bandas com trabalho próprio apanham pra mostrar esse trabalho. Montamos uma equipe para tentar melhorar a situação e vender shows, mas não é fácil. Estamos batalhando para ir pro interior e outros estados também. Vamos trabalhar muito e aguardar.

Whiplash.Net: As letras de "Surtado", "Maloqueiro sem Futuro" e "Computadores pros Pobres" são exemplos que revelam que vocês, além de músicos, são pessoas esclarecidas. Como encaram tanto lixo musical sendo evidenciado para as grandes massas, enquanto bandas com real conteúdo são ignoradas?

Zeca: Sempre houve música boa e música ruim e isso só vai mudar quando o país melhorar em termos de educação. Pessoas esclarecidas procuram conteúdo abrangente, mas a grande massa ainda vive na base do 'pão e circo', graças aos nossos governantes. E as grandes emissoras de TV e rádio são guiadas pelo departamento comercial, não pelo de cultura. É compreensível, embora triste.

Whiplash.Net: Suponho que vocês não vivam exclusivamente das atividades do Mundo Cao. Que outras atividades vocês exercem no cotidiano? Ouvi falar, inclusive, que alguém aí já esteve no ranking paulista de Squash...

Fabio: Nossa! Quem contou isso? Eu já estive no ranking, mas há muito tempo. Hoje sou apenas guitarrista e diretor financeiro de uma escola.

Zeca: Eu sou luthier (minha marca é a Salgueiro), músico da noite (aqueles de voz e violão), professor de inglês e editor de uma revista de lifestyle, a EstiloTenis.

Felipe: Eu sou professor de bateria.

Whiplash.Net: Para fechar, uma simples palavra que defina o Mundo Cao:

Todos: Perseverança.

Whiplash.Net: Pessoal, o Whiplash.Net agradece pela entrevista e deseja boa sorte a todos. Fiquem à vontade para os comentários finais, ok?

Zeca: Gostaríamos de agradecer a todos que nos procuram nas redes sociais, no Youtube, etc. Essas pessoas nos fazem acreditar mais no nosso próprio trabalho. Quanto à entrevista, nós é que temos que agradecer pelo privilégio. O Whiplash.Net. é um portal que está provando a força que tem o rock nacional, e feito a partir do Maranhão, o que mostra que a música não conhece fronteiras. Em nome do Mundo Cao: Obrigado a todos vocês!

Contato:
http://www.bandamundocao.com.br/
Sol Brocanelli (Manager)
11 9297.1622
11 8174.2191
http://www.zivworldmusicpress.com




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Mundo Cao"


De AC/DC a ZZ Top: Origens dos nomes de bandas e artistas de rockDe AC/DC a ZZ Top
Origens dos nomes de bandas e artistas de rock

Zakk Wylde: cinco momentos insanos do guitarristaZakk Wylde
Cinco momentos insanos do guitarrista


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

Cli336x280 CliIL Cli336x280 CliInline