Omfalos: cheio de altos e baixos como a vida de um bipolar

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami Scopinho
Enviar correções  |  Ver Acessos

Aqueles que conseguem canalizar seus problemas para transformá-los em Arte podem se considerar abençoados, pois esta é uma válvula de escape que sempre vai gerar frutos dos mais interessantes. E assim é o Omfalos, projeto de Brasília que reuniu Thormianak (Miasthenia) e Le Misanthrope (Cabrunco) para materializar o álbum "Idiots Savants", que chegou ao mercado via Equivokke Records. Todo o desespero, depressão e solidão chamaram muito a atenção e o Whiplash.Net conversou com a dupla sobre toda a história envolvendo seu nome. Confiram aí!

Humor: as 101 regras do New Metal/Nu-metalKerrang!: os 100 melhores álbuns de Rock em lista da revista

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Whiplash.Net: Olá pessoal. O guitarrista Thormianak e o vocalista Zé Misanthrope são conhecidos por integrarem o Miasthenia e Cabrunco. O que os levou a dar início ao Omfalos, este é apenas um projeto ou uma banda real?

Thromianak: Em 2008, eu tinha algumas músicas que comecei a compor junto com meu amigo Gabriel Teykal (ex-Abhorrent, ex-Annihilation) para um projeto ainda sem nome. Em alguns meses ele teve que se mudar para Portugal e o projeto entrou em um hiato. Ainda nesse mesmo ano eu acabei por conhecer o Misanthrope e tivemos muitas afinidades logo de cara. Como ele tem um home Studio, a gente começou a trabalhar em cima das músicas, readaptar os arranjos e tudo foi fluindo muito naturalmente. Em 2011 acabamos as gravações e lançamos este trabalho com ajuda do Filipe da Equivokke Records.

Whiplash.Net: Seu primeiro disco realmente consegue se esquivar dos rótulos. Como vocês definiriam "Idiots Savants" ao público que desconhece o Omfalos?

Misanthrope: De primeira dá pra sacar o elemento Black Metal, que é o mais latente. Mas o ouvinte que prestar um pouco mais de atenção vai perceber toda a nossa gama de influências que incluem o punk, o grindcore, o industrial e o gótico, mas sem necessariamente se prender a nenhum desses. A gente mistura muita coisa, mas tentamos fazer tudo soar dentro de uma unidade fluída sem que nada soe forçado ou gratuito.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Whiplash.Net: Existem por aí bandas que tanto experimentam que sua música acaba se tornando uma massa sonora de difícil assimilação. Houve cuidados por parte do Omfalos para evitar esse caminho, ou o processo de composição de "Idiots Savants" fluiu naturalmente?


Thormianak: Não houve conscientemente nenhum esforço pra soarmos da maneira x ou y. Acho que, por sermos uma dupla e termos gostos musicais bem parecidos, tudo soou bem natural nesta parte de amalgamar as influências distintas que temos. A gente tem uma mensagem em nosso som e queríamos que as músicas expressassem nossos sentimentos com clareza, sem distrações nem virtuosismos desnecessários. É válido dizer também que nosso background mais punk nos ajuda muito a deixar as músicas com uma cara mais direta e urgente.


Whiplash.Net: Me parece bastante claro que "Idiots Savants" reflita suas necessidades de expressão. Mesmo que tudo sempre seja passível das mais variadas interpretações, o que rolava em suas vidas no momento em que escreviam estas letras, afinal? Há muito conflito aí...


Misanthrope: Como já é de conhecimento geral, tanto eu como o Thormianak sofremos de Transtorno Bipolar do Comportamento. Eu mesmo tomo remédio controlado há muitos anos e faço terapia desde que me entendo por gente. Acho que pelo fato de nós dois termos essa condição isso nos aproximou muito e nos ajudou a lidar com nossos próprios problemas. Esse ano de 2010 foi muito forte para nós. Diversas rupturas, mudanças de paradigma e crises indizíveis em quase todos os aspectos de nossas vidas. Por termos essa condição mental delicada, tudo ainda foi potencializado. A sorte é que conseguimos canalizar isso por meio de nossa arte e conseguimos exorcizar muitas das coisas que nos afligiam durante este período. A intensidade de nossa música reflete muito este nosso quadro, pois tudo é muito súbito, cheio de altos e baixos como a vida de um bipolar.


Whiplash.Net: "A Funeral Dirge For My Sanity" é uma excelente canção, e perfeita para ser transformada em vídeo. Considerando a amplitude da proposta do Omfalos, o que podem adiantar sobre sua concepção e lançamento?

Thormianak: Fábio Marreco da banda Totem está nos ajudando nessa parte. Acreditamos muito em sua visão e temos certeza que sairá um trabalho bem legal e diferenciado. Estamos ainda em um processo bem embrionário do clipe e em breve postaremos mais informações sobre ele.

Whiplash.Net: É gratificante saber que, além do Brasil, "Idiots Savants" também está sendo distribuído na Europa, Japão e EUA. Qual o retorno obtido nestes locais e que tipo de público o Omfalos tem atraído?

Misanthrope: O retorno tem sido muito maior do que nós esperávamos. Quando fizemos o material, não tínhamos a pretensão de que ele fosse sequer lançado em CD, quanto mais ser distribuído em tantos lugares por aí. Antes mesmo do CD ser lançado a gente já tinha passado da casa de sete mil downloads e estávamos em diversos blogs de download mundo afora. A nossa primeira prensagem está quase esgotando e isso não é nada mau para uma banda underground virtualmente desconhecida do grande público. Nisso só temos a agradecer ao Arthur da Just Kill The Time e o Filipe da Equivokke Records por acreditarem em nosso trampo. Quanto ao público que se identificou com nossa proposta, este não poderia ser mais heterogêneo. Tem muita gente do Black Metal, do Hardcore, do Gótico e de outros estilos que nada tem a ver com a cena extrema que se identificaram com nossa proposta.

Whiplash.Net: Vocês anunciaram que o sucessor de "Idiots Savants" já está bastante adiantado. Considerando que o Omfalos não se limita no momento de compor, que novos elementos vocês utilizaram? O time é o mesmo, com vocês na produção e Caio Duarte (Dynahead) na mixagem e masterização?

Thormianak: O processo é rigorosamente o mesmo. Vamos produzir nós mesmos e tudo indica que o Caio ainda fará a mixagem e masterização. Ele é um sujeito que entende muito bem nossa proposta e não há motivo para mexermos nisso. Algumas destas músicas novas já estavam sendo compostas antes mesmo do lançamento de Idiots Savants. O que posso adiantar é que o novo play irá retomar exatamente onde o Idiots parou, mas um pouco mais variado e profundo.

Whiplash.Net: O fato de vocês terem feito de "Que Bonito és un Entierro" a abertura do disco apenas reforça que o Omfalos não se limita apenas à música extrema. Afinal, que tipo de manifestações artísticas tem atraído o interesse de vocês nestes tempos?

Misanthrope: A gente é bem fascinado por várias manifestações artísticas. Curtimos muito todas as formas de arte que são sentimentalmente intensas e desafiem o público a enxergar sua realidade de outro modo, seja na pintura, na prosa, poesia ou arte de performance. É meio engraçado falar isso, mas a gente teve muita influência dessas mídias para dar os climas de nosso CD. A gente tenta trazer esse aspecto mais visual como se estivéssemos pintando imagens com nossos instrumentos. E no final de contas, acho legal saber que de alguma maneira ajudamos o público a descobrir o trabalho de grandes artistas que nos influenciaram tanto e que fazemos tanta questão de mencionar como Alejandro Jodorowsky, Kenneth Anger, Gonçalo M. Tavares, Airkan Marasky, Pollock, Chris Burden, Genesis P. Orridge, Fernando Pessoa e tantos outros.

Whiplash.Net: O hábito de simplesmente baixar discos de forma ilegal fez com que as receitas das bandas venha de suas apresentações ao vivo. Considerando que o Brasil não possua uma cultura de turnês e boa parte do público não ter interesse em prestigiar os grupos autorais, o que resta aos músicos profissionais?

Misanthrope: Sempre vivemos o underground e estamos acostumados a não ter reconhecimento do grande público. Nunca ganhamos dinheiro com vendas de discos ou de shows. Eu nem sequer vejo isso como algo negativo necessariamente, é só como as coisas são. Para nós não faz a menor diferença, pois não produzimos música para podermos andar de carro importado, ser aclamado pelo público e nem nada disso. Não temos a música como emprego e acho que isso de alguma maneira evita que prostituamos nossa arte, pois só fazemos o que gostamos sem ter rabo preso com quem quer que seja.

Misanthrope: Não acho justo ver bandas por aí culpando o público por seus 'fracassos', choramingando por migalhas, sempre se sentindo injustiçadas por não ter o sonhado reconhecimento de seu trabalho. O engraçado é que muitas destas fazem um som extremamente derivativo, formulaico e que não acrescenta nada ao ouvinte. Pode parecer, mas o público não é besta. Se a música for boa, a mensagem vai chegar nos ouvidos de quem interessa. De um jeito ou de outro. No que depender de mim, podem baixar a vontade o nosso som, proliferar e tudo mais. Não somos músicos profissionais e no final de contas já é lisonjeiro demais saber que tem pessoas por aí que passam 28 minutos de seu precioso tempo ouvindo o que temos a dizer em nosso álbum. Para mim, não há pagamento melhor do que esse.

Whiplash.Net: Aproveitando o espaço, qual a atual situação do Miasthenia e Cabrunco?

Thormianak: As duas bandas estão bem ativas. O Miasthenia está fazendo muitos shows e acabamos de lançar um DVD retrospectivo pela Mutilation Records. Vamos fazer agora, em 10/03, nosso primeiro show em Teresina e abriremos o show do Hate em Curitiba no dia 14/4. Vamos lançar também um novo CD com um formato inovador que vai surpreender muita gente. O Cabrunco está meio parado de shows, mas está finalizando seu primeiro CD que deve sair ainda esse ano.

Whiplash.Net: Pessoal, o Whiplash.Net agradece pela entrevista e espera saber mais notícias do Omfalos em breve. O espaço é de vocês para as considerações finais, ok?

Misanthrope: Agradecemos sinceramente pelo espaço e a todos aqueles que compraram, baixaram ou ouviram de algum modo o nosso álbum. Aproveito aqui para dizer que a nossa cena está numa crescente, muita coisa boa está sendo produzida por aí, basta só procurar nos lugares certos e estar sempre atento no que se passa ao seu redor. Existe vida além das revistas 'especializadas' em metal brasileiras. O Brasil está pipocando de bandas com propostas íntegras e que valem a pena ser conhecidas como o Facada, The Black Coffins, Imago Mortis, Mythological Cold Towers, Social Chaos, Godtoh, Subterror, Defy, Headhunter D.C., Osculum Obscenum, Mamma Cadela, Plastique Noir, Vitrine, Mito da Caverna e tantas outras.

Contato: www.myspace.com/omfalossavants




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Omfalos"


Humor: as 101 regras do New Metal/Nu-metalHumor
As 101 regras do New Metal/Nu-metal

Kerrang!: os 100 melhores álbuns de Rock em lista da revistaKerrang!
Os 100 melhores álbuns de Rock em lista da revista


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

Cli336x280 CliIL Cli336x280 CliInline