Dio: demitido do Rainbow por não compor músicas comerciais

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Nathália Plá, Fonte: Blabbermouth.net, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 

Martin Popoff da revista Goldmine entrevistou, em junho de 2011, Wendy Dio, a esposa/empresária do lendário cantor de heavy metal Ronnie James Dio. Seguem alguns trechos da conversa.

1086 acessosDio: Gloriosa despedida do Mago da Voz em seu último full-length5000 acessosLed Zeppelin: Page surtado com bateria de dois bumbos de Bonham

Sobre o estilo de composição de Ronnie:

Wendy: "Ronnie tinha uma forma um pouco diferente de compor. Ele não queira escrever canções de amor; ele queria escrever sobre as experiências das pessoas, sonhos, anseios, suas esperanças para o futuro. Acho que eram músicas ótimas, e é algo que jamais poderá ser repetido. Elas eram músicas incríveis - 'Stargazer', 'Gates of Babylon', 'Catch the Rainbow' — todas eram músicas incríveis. O Ronnie lia muita ficção científica e livros de magia e místicos – lia um livro por dia. E ele sempre escreveu suas músicas assistindo esportes. Ele era muito influenciado pelos clássicos de Bach e Beethoven, e, é claro, DEEP PURPLE, obviamente LED ZEPPELIN, THE BEATLES, e em termos de bandas novas que estavam surgindo na época, provavelmente AEROSMITH e depois IRON MAIDEN."

Sobre a separação de Ronni do RAINBOW e subsequente decisão de entrar para o BLACK SABBATH:

Wendy: "Ele foi demitido pelo Ritchie (Blackmore), porque ele não escrevia músicas mais comerciais. Estávamos vivendo em Connecticut e decidimos voltar para Los Angeles onde conhecíamos mais pessoas. Eu conheci a Sharon Arden na época, antes de se tornar Osbourne, e conversávamos no telefone e ela convidou o Ronnie para conhecer os caras do SABBATH. O pai dela, Don Arden, era o produtor deles na época."

Sobre o primeiro contato de Ronnie com o BLACK SABBATH:

Wendy: "Eles eram grandes amigos. E eles sempre foram músicos incríveis – lendas. Eu era muito amiga de Gloria Butler, a esposa do Geezer Butler, e esses primeiros dias foram muito divertidos. Era tudo novo para nós. Pela primeira vez em nossas vidas, o Ronnie e eu tínhamos algum dinheiro. Não tínhamos dinheiro no RAINBOW. Mas nós de repente ganhamos dinheiro, e foi legal, e nós compramos nossa primeira casa e aproveitamos a vida."

"Musicalmente, o Ronnie realmente gostava de trabalhar como SABBATH, porque então ele podia ser mais obscuro, ele podia explorar mais. Ele e o Tony (Iommi) tinham uma relação fantástica em relação a composição; e o resto da banda em relação à forma de tocar. Eles eram gênios musicais, todos eles. O 'Heaven And Hell' foi escrito e gravado em Miami, no estúdio dos BEE GEES, e foi uma experiência totalmente nova para nós. As músicas, achei absolutamente fenomenais. A banda não tinha certeza quanto a elas até saírem, porque eles nunca tinham certeza. Quando a banda compõe algo, eles nuca realmente tem certeza (risos) até que as pessoas que estão mais do lado de fora possam ouvi-los e dizer, uau, isso é incrível. A 'Mob Rules', a canção, foi originalmente composta para o filme 'Heavy Metal'; fomos à Inglaterra, onde a versão do filme 'Heavy Metal' foi gravado na casa dos BEATLES. Foi uma aventura incrível e foram momentos felizes. Acho que o terceiro álbum, o álbum ao vivo, não foi feliz; na época, havia muitos problemas acontecendo."

Sobre a carreira solo do Ronnie:

Wendy: "Os anos da banda DIO foram novidades para nós, porque o Ronnie podia fazer o que quisesse então. Apesar de ser bem assustador também, porque era uma grande responsabilidade para ele. E no começo, apesar de termos algum dinheiro, não tínhamos muito dinheiro. Nós na verdade conseguimos uma grande hipoteca, uma segunda hipoteca de nossa casa, para começar a turnê (risos), e para ter certeza de que poderíamos ter as mesmas coisas que aproveitamos no SABBATH. Foi uma época nova e excitante – a banda estava pegando fogo. Não esperávamos que 'Holy Diver' saísse da forma como saiu, e foi incrível. Foi uma jornada incrível."

"Quando chegou nos anos 90, todas gravadoras, todos selos largaram todo mundo. Eu então era a empresária da banda, é claro, eu tive de sair e encontrar independentes, o que me aterrorizou, mas eu fui à Europa e conversei com várias pessoas diferentes, e descobri que na realidade as independentes eram melhores do que as grandes (risos). Você tem muito mais controle e você não vende sua alma a eles. Então essas são algumas de minhas experiências. Mas nos divertimos muito; toda minha vida, toda minha jornada com o Ronnie foi uma experiência linda."

Sobre a autobiografia envolta de rumores em que o vocalista trabalhou por anos:

Wendy: "O Ronnie escreveu – estava escrevendo – um livro, até alguns dias antes de falecer, uma autobiografia, e ele concluiu em torno de três quartos dela. O que ele fazia era escrever tudo a mão e então ele me entregava e meu assistente digitava. Foi como trabalhamos. Então líamos capítulo por capítulo, até os últimos meses, é claro. E eu já tinha conseguido um agente para ele. Então eles querem que eu termine, e eu vou terminar, e vai sair em 2012. Na realidade eu ainda não voltei e li a última parte porque é cedo demais para mim – as memórias são preciosas demais. Mas eu farei isso."

Leia a entrevista na íntegra na revista Goldmine.

http://www.goldminemag.com/features/wendy-dio-discusses-the-...

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

5000 acessosQuer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Rock e MetalRock e Metal
Dez vocalistas cujas vozes nunca envelheceram

1086 acessosDio: Gloriosa despedida do Mago da Voz em seu último full-length2422 acessosDio: Os Estranhos Caminhos dos Anos 901349 acessosDio: Wendy Dio sai em defesa de holograma e diz que é "o futuro"1226 acessosDio: Mais um ítem obrigatório na história da música1727 acessosDio: "Sacred Heart", outra obra-prima feita pelo mestre da voz0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Dio"

Heavy MetalHeavy Metal
Os vinte melhores álbuns da década de 80

Jorn LandeJorn Lande
O nascimento do Heavy Metal e a morte de Dio

LoudwireLoudwire
Os 25 melhores álbuns de estreia do Metal

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 29 de junho de 2014

0 acessosTodas as matérias da seção Entrevistas0 acessosTodas as matérias sobre "Dio"0 acessosTodas as matérias sobre "Rainbow"

Led ZeppelinLed Zeppelin
Page surtado com bateria de dois bumbos de Bonham

SlipknotSlipknot
Root responde qual foi o álbum que lhe deixou viciado em Metal

Marty FriedmanMarty Friedman
"Prefiro mastigar vidro que ouvir Jimi Hendrix"

5000 acessosSlash: o segredo do timbre do guitarrista5000 acessosMarcos De Ros: os álbuns que marcaram o guitarrista5000 acessosPaul McCartney: um baita susto pregado por George Harrison5000 acessosLobão: delirando sobre o seu próprio sucesso nos Anos 805000 acessosCapas de álbuns: versão "cultura pop" de capas famosas5000 acessosSlash: como surgiu a desavença com Paul Stanley

Sobre Nathália Plá

Mineira de Belo Horizonte, nasceu e cresceu ouvindo Rock por causa de seu pai. O som de Pink Floyd e Yes marcou sua infância tanto quanto a boneca Barbie, mas de uma forma tão intensa que hoje escutar essas bandas lhe causa arrepios. Ao longo dos anos foi se adaptando às incisivas influências e acabou adquirindo gosto próprio, criando afinidade pelo Hard Rock e Heavy Metal. Louca e incondicionalmente apaixonada por Bon Jovi, não está nem aí pras críticas insistentes dirigidas à banda. Deixando a emoção de lado e dando ouvidos à técnica e qualidade musical, tem por melhores bandas, nessa ordem, BlackSabbath, Led Zeppelin, Deep Purple, Metallica e Dream Theater. De resto, é apenas mais uma apreciadora do bom e velho Rock'n'roll.

Mais matérias de Nathália Plá no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online