Pantera: "fazíamos o chão tremer, atravessávamos paredes"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Nathália Plá, Fonte: Blabbermouth.net, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 

A Revolver TV disponibilizou em novembro de 2010 uma entrevista com Philip Anselmo (DOWN, PANTERA, ARSON ANTHEM, SUPERJOINT RITUAL). Você pode ver o vídeo no final desta matéria.

2366 acessosPantera: qual a verdade sobre a imagem do Vulgar Display of Power?5000 acessosUSA Today: as 20 maiores bandas de todos os tempos nos EUA

Sobre o álbum "Cowboys From Hell" do PANTERA, que foi recentemente relançado como uma edição expandida de 20º aniversário:

Anselmo: "Éramos jovens, obviamente. Éramos 20 anos mais jovens… [suspiros] Cara, éramos super-homens, éramos implacáveis. Fazíamos o chão tremer, atravessávamos paredes. Nós tínhamos esse cenário regional na área de DFW [Dallas/Ft. Worth, Texas] que era monstruoso, cara. Construímos isso e foi insano, cara. Acho que saindo o 'Cowboys From Hell', você tem de entender que a maioria daquelas coisas foi escrita em 88/89, as pessoas sabiam disso no cenário. Vínhamos tocando aquelas músicas ao vivo — 'Psycho Holiday', 'Heresy', 'Cowboys From Hell', obviamente... As pessoas adoravam essas músicas. Então, embora fosse a gravação do 'Cowboys', acho que a atitude, na verdade, a finalização, foi mais estilo 'Vulgar Display Of Power'. E digo isso porque a última música escrita para o 'Cowboys From Hell' foi a 'Primal Concrete Sledge', e se você escutar a 'Primal', você pode ouvir aquela ponte que te leva ao 'Vulgar Display'. Então era bem, bem faminto. Mas uma coisa que foi interessante, em 1989, ter um contrato era como um grande marco para as bandas, algo muito importante. Mas de repente, ser a banda mais popular regionalmente, chegar a isso de repente, você está nesse oceano imenso de novo e você é esse peixe pequenininho, sabe?! Fizemos shows com chips nas costas, e isso era a realidade – queríamos destruir todas as noites, e acho que conseguimos fazer isso. Mas foi trabalho duro; fizemos muita turnê."

Sobre a abordagem mais agressiva do PANTERA no álbum de 1992 "Vulgar Display Of Power" se comparado com o "Cowboys From Hell":

Anselmo: "Foi uma transição muito natural. Ir para o estúdio fazer o 'Vulgar Display Of Power', saindo da turnê do 'Cowboys From Hell', o momento… O que vimos, a exposição por todas essas cidades diferentes, todos esses lugares diferentes pelo mundo, e o que estava se passando, todas essas bandas diferentes... E sempre havia essa fronteira, o divisor de águas. De modo algum o Dimebag [falecido guitarrista do PANTERA] ia ser um guitarrista do SLAYER estereotipado – ele estaria no tom e de muito bom gosto, e ele era sério quanto a isso. E isso era aparente em nossas composições, também, porque elas eram músicas fortes – como hinos, especialmente no 'Vulgar Display'. Nos objetivamos isso. Compúnhamos músicas para incitar pessoas. Não queríamos eles lá simplemente parados em um lugar; não queríamos dar-lhes chance."

youtube player
Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

PanteraPantera
Não vai rolar reunião alguma, esqueça

2366 acessosPantera: qual a verdade sobre a imagem do Vulgar Display of Power?553 acessosPantera: Rex diz que "Buried Alive" não é um tributo a Dimebag1269 acessosGuitarristas: em vídeo, 5 fodões do instrumento quando bem jovens588 acessosRex Brown: ouça "Buried Alive", do seu primeiro álbum solo0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Pantera"

RessacaRessaca
Vinnie Paul dá a dica de remédio definitivo

DimebagDimebag
Dono do local onde guitarrista foi morto relembra o terror

PanteraPantera
Rex Brown fala sobre possível retorno

0 acessosTodas as matérias da seção Entrevistas0 acessosTodas as matérias sobre "Pantera"

USA TodayUSA Today
As 20 maiores de todos os tempos nos Estados Unidos

Heavy MetalHeavy Metal
Mapa revela os países com mais bandas do estilo

DécadasDécadas
Você percebe que ouve Heavy Metal há muito tempo...

5000 acessosFotos de Infância: Red Hot Chili Peppers5000 acessosKurt Cobain e Layne Staley: a coincidência de suas mortes5000 acessosCarlos Eduardo Miranda: "Um monte de roqueirinho que só quer ser da Globo"5000 acessosTesla: o Guns N' Roses teria roubado Patience?5000 acessosDee Snider: Frontman rebate Paul Stanley e o desafia para duelo5000 acessosKerry King: pensou em abandonar tudo por causa do Limp Bizkit

Sobre Nathália Plá

Mineira de Belo Horizonte, nasceu e cresceu ouvindo Rock por causa de seu pai. O som de Pink Floyd e Yes marcou sua infância tanto quanto a boneca Barbie, mas de uma forma tão intensa que hoje escutar essas bandas lhe causa arrepios. Ao longo dos anos foi se adaptando às incisivas influências e acabou adquirindo gosto próprio, criando afinidade pelo Hard Rock e Heavy Metal. Louca e incondicionalmente apaixonada por Bon Jovi, não está nem aí pras críticas insistentes dirigidas à banda. Deixando a emoção de lado e dando ouvidos à técnica e qualidade musical, tem por melhores bandas, nessa ordem, BlackSabbath, Led Zeppelin, Deep Purple, Metallica e Dream Theater. De resto, é apenas mais uma apreciadora do bom e velho Rock'n'roll.

Mais matérias de Nathália Plá no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online