Hangar: entrevista exclusiva com a banda para o RockBox

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Bárbara Sudbrack, Fonte: RockBox
Enviar correções  |  Ver Acessos

Na última quinta-feira, 1º de abril, a HANGAR lançou em Porto Alegre o seu mais novo álbum, "Infallible".

Blender: as letras mais repulsivas do Heavy MetalCuriosidades: 40 fatos inacreditáveis do rock

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Solícitos e atenciosos, os músicos concederam ao RockBox uma entrevista logo após a passagem de som no Revolution Music Pub.

Sobre o álbum novo: Na opinião de vocês, "Infallible" é muito diferente dos álbuns anteriores? Poderiam traçar um comparativo com o álbum anterior?

Fábio Laguna: "O álbum anterior, em relação a esse, foi diferente em todas as etapas. O anterior demoramos 2 anos e meio, 3 anos, pra fazer. Dessa vez levamos 4 meses. Então ele é diferente porque retrata muito mais o que a banda é no momento, o que é agora. É um álbum que a gente ainda está assimilando, pela velocidade que ele foi feito".

"A gente fez um álbum como ele deve ser feito mesmo: pré-produção, ensaio, gravação, clipe, orçamento... E a banda inteira junta, em estúdio. O álbum anterior foi mais por etapas porque dependia de agenda de outros projetos de cada membro da banda. Outra diferença é que o The Reason of Your Conviction era um álbum conceitual, tinha um clima mais tenso, as letras eram mais 'pesadas'. Nesse álbum novo isso também mudou. A gente colocou nas letras mensagens positivas. Deixamos as nossas influências fluírem, sem se prender em 'ah, vamos fazer pesado', simplesmente deixamos fluir".

E esses 4 meses, que parecem pouco tempo, influenciaram positivamente no processo todo, fazendo com que a banda lançasse um material com essa energia atual, da formação nova?

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Humberto Sobrinho: "Sim, sim. Conforme o Fábio falou, estava todo mundo junto. Isso por si só já dá velocidade a todo o processo. Como antes era cada um em um lugar e cada um dependendo do outro, era mais complicado".

Aquiles Priester: "Antes também tinha uma coisa que era engraçada. A gente fazia as coisas por etapas. O Mello e o Matinez faziam as coisas aqui, daí levavam pra São Paulo. Aí eu mexia um pouco. Depois levavam pra Mococa, o Fábio mexia um pouco... Então não tava todo mundo junto pra lapidar aquilo juntos e no final falar: 'isso aqui representa o que todo mundo quer'.

"Então dessa vez foi muito mais objetivo. A gente acabava as músicas e não tinha aquela coisa de 'ah, essa parte aqui tá estranha'. Quando gravamos elas era porque já estavam muito definidas. Antes a gente gravava as músicas mas não estava mais ouvindo elas. Depois de gravar todas a gente voltava a mexer na primeira música. Aí a gente tinha uma visão um pouco mais fria".

"E quatro meses podem parecer pouco. Mas foram quatro meses mesmo, inteiros, seguidos, trabalhando desde a hora que acordava até a hora de dormir, só trabalhando no disco, todo mundo, sem final de semana nem nada. Talvez nos 3 anos do disco anterior tenhamos trabalhado menos do que nesse disco, porque foram quatro meses intensos".

O trabalho de vocês com o ANGRA também influenciava nisso, não? O tempo era dividido entre duas bandas.

Aquiles: "Sim. E naquela época também os integrantes não estavam trabalhando somente com bandas..."

Workshops, aulas?

Aquiles: "Não, outros empregos mesmo!"

"Jobs"? Risos

Aquiles: "Exatamente! A gente tinha outros trabalhos paralelamente à banda".

Veja a entrevista completa no RockBox! (link abaixo).




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Hangar"


Aquiles Priester: Baterista revela porque muitos músicos não conseguem ganhar dinheiroAquiles Priester
Baterista revela porque muitos músicos não conseguem ganhar dinheiro

Aquiles Priester: A impressionante bateria que ele previu em 1986Aquiles Priester
A impressionante bateria que ele previu em 1986


Blender: as letras mais repulsivas do Heavy MetalBlender
As letras mais repulsivas do Heavy Metal

Curiosidades: 40 fatos inacreditáveis do rockCuriosidades
40 fatos inacreditáveis do rock


Sobre Bárbara Sudbrack

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, enviando sua descrição e link de uma foto.

Cli336x280 CliIL Cli336x280 CliInline