Ellefson: "Dave só é um cara difícil quando está focado"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Daniel Molina, Fonte: Rust In Page, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 

Jay Nanda do San Antonio Metal Music Examiner falou recentemente com o baixista do Megadeth, David Ellefson. Confira trechos da entrevista:

3429 acessosMegadeth: cinco vezes onde a banda foi melhor que o Metallica5000 acessosMotorhead: Segundo Lemmy Kilmister, "Rap não é música"

San Antonio Metal Music Examiner: Voltar a ensaiar com o Dave novamente é como sentar em uma bicicleta ou está sendo um novo processo de aprendizagem para vocês dois?

Ellefson: "Não, tem corrido tudo bem. Tipo, 'Puxa, isso soa demais', especialmente com o material do 'Rust In Peace'. Tem algumas músicas ali que nunca toquei ao vivo e tenho quase certeza que o Dave também não. Ninguém vai tentar improvisar nada, a não ser que estivessemos gravando. É um disco musicalmente desafiador. Nó escrevemos, gravamos e regravamos durante um ano e meio. Com alguns álbuns, é melhor se estivesse no estúdio gravando tudo, esse é um deles".

San Antonio Metal Music Examiner: "Peace Sells... But Who's Buying?" colocou o MEGADETH no mapa, mas muitas pessoas dizem que o 'Rust In Peace' é mais cru, mais pesado e polido, e que colocou a banda em um novo patamar. Como você se sente tocando ele na integra 20 anos depois?

Ellefson: "Sim, eu concordo com isso. O 'Rust In Peace' foi uma combinação de coisas. Uma nova formação, novo empresário, comprometimento maior da Capitol Records. Sabe, tudo é ciclico, seja tendencias da moda ou esses shows do Big Four. Esse é um ano bacana pra isso. Ano que vem talvez outra coisa seja popular. Meio que caiu no nosso colo sem ter um planejamento, bem a cara do Megadeth".

San Antonio Metal Music Examiner: Eu iria te perguntar sobre o Big Four depois, mas já que tocou no assunto - vocês são todos americanos, tocando pela primeira vez juntos em outros países, será que vai rolar nos Estados Unidos?

Ellefson: "É engraçado, acho que todos adorariam se passasse pelos Estados Unidos. Mas o espirito das pessoas nos festivais na Europa é bem diferente do que nos Estados Unidos. Aqui você faz um pacotão para as tours e sai na estrada, enquanto na Europa são meio que únicos, e são adaptados à cultura do país. Em alguns países, essa é a única chance que eles têm de ver muitas dessas bandas".

San Antonio Metal Music Examiner: Vou te fazer a mesma pergunta que fiz ao Chris Broderick em novembro passado. Numa escala de 1 a 10, sendo 1 uma pessoa "fácil", o quão dificil é o Mustaine como pessoa para se trabalhar junto?

Ellefson: "(Risos) Bem você sabe, Dave, em um determinado dia pode ser um 2, e nos outros dias ele pode ser um 8 ou 9, Uma coisa, eu conheço o Dave - e esse é o porque de eu ter conseguido trabalhar com ele durante anos - quando ele é um cara difícil é porque ele está muito focado na ideia que ele tem em mente. então eu consigo sentar e dizer 'Sabe, as ideias dele são muito boas'. Muita pessoas saem das suas zonas de conforto, e é por isso que acham o Dave uma pessoa difícil de se trabalhar. É fácil levar tudo pro lado pessoal, mas talvez você precise de alguns dias para digerir as coisas. E quando isso acontece, e você analise o passado, você percebe que ele sabia o que estava fazendo".

San Antonio Metal Music Examiner: Você possui algum arrependimento, ou algo que gostaria de mudar acerca da evolução do Megadeth?

Ellefson: "Quer saber... Não. Quero dizer, claro, se você olhar o Megadeth com os olhos de alguém de 45 anos e ver como eu me comportei quando tinha 18, 19, 20, então sim. Mas isso faz parte do amadurecimento. As coisas que passei com Dave nos deram mais força e nos deixaram melhores, talvez, mais do que nos deixariam se tivéssemos continuados juntos. Trouxe muitas coisas boas e nos permitiu seguir em frente".

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

MegadethMegadeth
Cinco vezes onde a banda foi melhor que o Metallica

3082 acessosHeavy Metal: os 10 melhores riffs dos anos noventa521 acessosMarty Friedman: ouça "Miracle", single do novo álbum solo3525 acessosMetallica: e se James Hetfield cantasse no Megadeth?0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Megadeth"

MegadethMegadeth
Dave Mustaine diz que cantar não é o seu forte

Marty FriedmanMarty Friedman
"Sim, você pode dizer que sou um hipócrita."

AC/DCAC/DC
Quem Dave Mustaine gostaria de ver no vocal?

0 acessosTodas as matérias da seção Entrevistas0 acessosTodas as matérias sobre "Megadeth"

MotorheadMotorhead
Segundo Lemmy Kilmister, "Rap não é música"

Guns N RosesGuns N' Roses
Pobreza, sexo, drogas e Rock n' Roll em nova biografia

RockstarsRockstars
18 roqueiros que já apareceram em filmes

5000 acessosSlipknot: veja a evolução das máscaras de cada integrante da estreia aos dias atuais5000 acessosMustaine: "Aos 15 entrei na magia e conheci o lado negro!"5000 acessosPower Metal: os dez álbuns essenciais do gênero5000 acessosClassic Rock Magazine: 8 vocalistas que podem substituir Brian Johnson no AC/DC4825 acessosNão culpe as gravadoras: você que é um tosco mesmo!4801 acessosIron Maiden: vídeo mostra "todos bem loucos" no Fúria Metal em 92

Sobre Daniel Molina

Nascido em 79, professor de inglês e tradutor. Conheci o metal e suas várias vertentes através de um amigo do meu irmão no final dos 80, onde em 89 acabei me deparando com Megadeth dentre os vinis que estava ouvindo e foi amor à primeira ouvida, uma paixão que dura 20 anos. Apaixonado por thrash metal, especialmente Bay Area e East Coast mas também aficcionado por NWOBHM, Hard e Death. Com o passar do tempo percebi que o rótulo é o que menos importa e sim o tipo de música que nos agrada, mas apesar de tudo, thrash sempre acima de tudo. Já trabalhei com vários sites, cobrindo shows e fazendo entrevistas mas sempre tocando a Rust In Page por amor ao Megadeth, e hoje além de dedicação total ao meu trabalho salvo bastante do meu tempo para manter a página rolando firme e forte e mantendo os Droogies brazucas informados.

Mais informações sobre Daniel Molina

Mais matérias de Daniel Molina no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online