Matérias Mais Lidas

imagemA bizarra exigência de Ace Frehley para participar da última turnê do Kiss

imagemVital, o ex-Paralamas que virou nome de música e depois foi pro Heavy Metal

imagemEngenheiros do Hawaii e as tretas com Titãs, Lulu Santos, Lobão e outros

imagemRegis Tadeu explica porque Ximbinha é um dos melhores guitarristas do Brasil

imagemMax Cavalera revela como "selou a paz" com Tom Araya, vocalista do Slayer

imagem"Stranger Things" traz cena com "Master of Puppets", do Metallica

imagemO álbum do The Who que Roger Daltrey achou "uma m*rda completa

imagemLobão explica porquê todo sertanejo gostaria, no fundo, de ser roqueiro

imagemO grave problema do refrão de "Eagle Fly Free", segundo Fabio Lione

imagemEdu Falaschi descobriu que seu primo famoso tem mais seguidores que ele no Instagram

imagemAndreas Kisser conta quais os dez álbuns que mudaram a sua vida

imagemAlice Cooper diz que em sua equipe "todo mundo é tratado como a banda"

imagemPink Floyd: Gilmour nega alegação de Waters sobre "A Momentary Lapse of Reason"

imagemProdutor de "Temple of Shadows" conta problemas que teve com voz de Edu Falaschi

imagemGregório Duvivier: "Perto de Chico Buarque, Bob Dylan é uma espécie de Renato Russo!"


Stamp

Joe Lynn Turner: como surgiu a idéia do Over The Rainbow

Por Monica Fontes
Fonte: antiMusic
Em 19/02/09

Com Ritchie Blackmore totalmente envolvido com o BLACKMORE’S NIGHT, as chances de se ver uma reunião do Rainbow eram quase nulas... até agora. O ex-vocalista, Joe Lynn Turner, fez a reunião sob um novo nome: OVER THE RAINBOW. A banda conta com ex-membros do RAINBOW de várias formações, incluindo o baterista Bobby Rondinelli, o tecladista Tony Carey e o baixista Greg Smith. Ocupando o lugar de guitarrista está o filho de Ritchie, Jürgen "J.R." Blackmore, que vem fazendo uma carreira discreta na Alemanha. Morley Seaver, da antiMusic's, conversou recentemente com Joe sobre a banda e também sobre os outros projetos do vocalista.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

antiMusic: Como aconteceu essa reunião do Rainbow?

Joe: "Bem, para ser sincero, eu estava na Rússia com alguns produtores, depois de uma turnê, e eles comentaram: 'Seria ótimo fazer uma reunião do Rainbow. O que você acha?' E eu respondi: 'Vocês sabem que não podemos contar com o Ritchie. Sabem o que isso significa? Ele está muito feliz com o seu trabalho'. E então eles perguntaram quem eu chamaria, mas isso não iria dar certo. Só que eles achavam que sim. Aí eu expliquei que não seria um problema com relação aos outros caras, mas sim com o guitarrista. De repente, eu tive uma idéia e falei: 'Blackmore tem um filho'. Eles nem acreditaram porque ninguém sabe disso, ou melhor, quase ninguém. Ele é meio alemão e seu nome é Jürgen Richard Blackmore. Toca guitarra há uns 30 anos e é ótimo! E então fui para a Alemanha, comecei a pensar sobre isso, liguei para o Jürgen e o chamei para jantar. Eu o conheci quando ele tinha uns 16, 17 anos nos shows. Ele devia me ver como um irmão mais velho ou algo assim. Enfim, jantamos e ele adorou a ideia. E eu pensei que, agora que já tenho o Blackmore, tenho que reunir os outros. Mas eu queria englobar todas as formações da melhor maneira possível. Não estava procurando nenhum nome em particular, mas também não queria ninguém que usasse álcool ou drogas a níveis altos. Você sabe o que estou querendo dizer (risos). Tudo bem que você beba um pouco de vez em quando, mas não queria ninguém bêbado o tempo todo. E com isso eu eliminei várias pessoas (risos)".

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

antiMusic: (risos)

Joe: "Não vou citar nomes para preservá-los. Mesmo assim, temos um grande lineup com Jürgen na guitarra, Bobby Rondinelli na bateria (que é um fenômeno), Tony Carey nos teclados, que fez muito sucesso no PLANET P também, e Greg Smith no baixo, que foi da última formação do RAINBOW e membro da minha banda (JOE LYN TURNER BAND). Ou seja, estamos entre amigos e consideramos esse projeto como uma família. É assim que me refiro nos e-mails. É um pouco estranho porque nos conhecemos há mais de 25 anos e estamos nos reunindo só agora".

antiMusic: Wow.

Joe: "Pois é, todo mundo acha que vai ser ótimo tocarmos juntos. Quando divulgamos, a reação das pessoas foi incrível. Agora temos que corresponder às expectativas" (Nota do editor: a entrevista foi realizada antes das apresentações da banda).

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

antiMusic: Quanto a isso, não há problema. Você já tocou com o JR antes?

Joe: "Ultimamente, não. Teve uma época que fizemos algumas jams, mas ele era muito novo e melhorou bastante desde então. Acessei o MySpace dele e alguns sites para saber mais sobre os seus projetos. Ele usa um timbre legal e tem muito conhecimento de melodia. Perguntei se ele estava preocupado em ocupar o lugar de seu pai, se estava se sentindo intimidado com alguma coisa, e ele respondeu: 'Não. Desde que me permitam, isso só reforça o trabalho do meu pai. Ele nunca foi um guitarrista rápido'. Mas é muito preciso, eu disse. 'Eu posso fazer exatamente o que ele faz, mas eu sou um guitarrista com muito feeling'. E eu falei que os guitarristas que mais gosto, como o Leslie West e outros do gênero, têm essa característica. Acho que vai dar certo. Mas estamos no início e nunca tocamos juntos. Se vai dar certo? Bem, somos muito bons no que fazemos e não tem como não dar. É como todo início de uma banda: você chama seus parceiros e diz 'vamos para o porão, temos que ensaiar'".

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Airbourne 2022
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


Dio: quando a potente voz dele fritou um microfone do Tenacious D


Axl Rose: "ele é um fracassado", diz mulher de Slash


Sobre Monica Fontes

Mônica Fontes - Carioca, nascida em 1968, vive no Rio de Janeiro e é tradutora de inglês e espanhol. Apaixonada por música, leitura e cinema, começou a ouvir rock aos 13 anos, já tendo presenciado grandes shows e eventos desse gênero. Além do rock, também se interessa por outros estilos, como o Pop e MPB. Led Zeppelin, Deep Purple, Black Sabbath, Pink Floyd, U2 e Guns N'Roses são algumas de suas bandas preferidas, sem deixar de prestigiar as excelentes bandas e artistas nacionais. Acessa o Whiplash há alguns anos e começou a colaborar por gostar de traduzir os diversos assuntos relacionados no site.

Mais matérias de Monica Fontes.