Kiss: Paul Stanley comenta sua atividade como pintor

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Daniel Faria, Fonte: Blabbermouth, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 

Liza Grant Smith, da revista Palm Beach Illustrated, conduziu em novembro de 2007 uma entrevista com o vocalista/guitarrista do KISS, Paul Stanley, que falou, dentre outras coisas, sobre sua atividade como pintor.

318 acessosAce Frehley: "Anomaly" ganha versão deluxe; ouça música inédita5000 acessosRock Stars: como se pareceriam alguns se não tivessem morrido

Palm Beach Illustrated: Como você descreveria sua arte?

Stanley: "É sobre escavar a mim mesmo. Quando começo uma pintura é como uma viagem na qual eu não sei para onde estou indo, mas eu sei quando tiver chegado. É realmente sobre encontrar uma conexão emocional e uma vez que sinto que isso está completo, eu começo a acreditar que vai conectar e ressonar com outra pessoa. E até agora eu tenho acertado".

Palm Beach Illustrated: Qual é a diferença entre criar música e criar obras de arte?

Stanley: "A música tem mais limites e molduras nas quais você tem que trabalhar. Você tem a estrutura da música, a melodia em cima de tudo, e até as letras têm que rimar. Tudo tem que se encaixar em parâmetros. Enquanto que com pintura, não há regras. Você não tem as mesmas limitações com as cores e texturas, as possibilidades são infinitas".

Palm Beach Illustrated: Você sempre considerou a arte uma expressão pública ou você ficou nervoso em compartilhar suas pinturas com o mundo?

Stanley: "Foi feito por razões muito pessoais, quase como uma terapia, mas quando eu vi como outras pessoas estavam se relacionando (com as pinturas), foi só uma questão de tempo até eu começar a mostrar minhas peças em público. Foi ótimo no sentido que todos nós compartilhamos uma conexão através das nossas emoções e isso vai além das palavras".

Palm Beach Illustrated: É difícil para algumas pessoas avançarem além dos seus dias do KISS e ver essa nova faceta da sua vida?

Stanley: "Sem dúvida meu sucesso e fama colocaram meu pé na porta, mas você ainda tem todo o direito de fechar essa porta. Poucas pessoas vão comprar uma pintura porque elas amam a sua música e eu prefiro assim. Eu originalmente comecei a pintar para mim mesmo, mas eu estaria mentindo se eu não reconhecesse que quanto mais minhas pinturas forem aceitas e vendidas, mais eu vou querer pintar. Nenhum artista passou fome por escolha própria".

Leia a entrevista completa (em inglês) no palmbeachillustrated.com.

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Sharon para GeneSharon para Gene
Pare de tentar lucrar com tudo, você já tem muito $$$

318 acessosAce Frehley: "Anomaly" ganha versão deluxe; ouça música inédita730 acessosKiss: bicicleta de triathlon em edição limitada2538 acessosKiss: 40 anos atrás, era lançado o álbum Love Gun825 acessosRio Rock City: O absurdo das cotas de meia-entrada0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Kiss"

Álbuns ao vivoÁlbuns ao vivo
10 grandes registros da história do rock

KissKiss
Para redator do Yahoo!, eles não são grande coisa

KissKiss
O encontro inusitado com o Pato Howard

0 acessosTodas as matérias da seção Entrevistas0 acessosTodas as matérias sobre "Kiss"

Rock StarsRock Stars
Como se pareceriam alguns se não tivessem morrido

Dream TheaterDream Theater
O vacilo na capa de "A Dramatic Turn of Events"

PosturaPostura
12 coisas que você nunca deve dizer a um músico

5000 acessosSlayer: "Não sei improvisar", diz Kerry King5000 acessosCrianças: veja como cresceram as de "Nevermind", "War" e outras5000 acessosSeparados no nascimento: Eddie e Seu Madruga5000 acessosGravadoras: livro relata erros cometidos pela indústria musical5000 acessosJack Osbourne: "Meu pai não é um idiota, mas sim um gênio"5000 acessosRod Stewart: admitindo que consumia cocaína pelo ânus

Sobre Daniel Faria

Nascido em 1977, cresceu em um lar onde rock progressivo dominava as ondas do ar. Aos 12 anos, com a compra de "Paranoid" (Black Sabbath) tudo mudou e o metal gradualmente passou a ser o som predominante em casa. Estudou Computer Science / Applied Science pela Concordia University (Montreal, Québec, Canada) e hoje vive em um vilarejo rural em Simcoe County, centro-sul de Ontario, Canada.

Mais matérias de Daniel Faria no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online