Leviaethan - Entrevista exclusiva com a banda

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Enviar correções  |  Ver Acessos

Por Paulo Finatto Jr.

Com os discos "Smile" e "Disturbed Mind", lançados ainda em LP na passagem dos anos 80 para os 90 via Rock Brigade Records, surgia mais um grande expoente do thrash metal brasileiro: a banda gaúcha Leviaethan. Após um certo tempo de inatividade, o que apagou um pouco o seu nome, nos idos de 2002 tudo voltou ao normal com a banda, então formada por Flávio Soares (vocal e baixo), Carlos "Lots" e Denis (guitarras) e Ricardo "Ratão" (bateria). A banda até já possui uma nova música (chamada "Duality") e vem realizando alguns shows pelo estado do RS. Confira abaixo, esta entrevista concedida por Flávio e Carlos, que acabaram falando mais sobre a história da banda e as novidades para o futuro.

Whiplash! - Em primeiro lugar, por que vocês escolheram o nome Leviaethan para a banda, e ainda, a sua grafia latina?

Flávio / Na realidade a grafia latina não é intencional, é que juntamos duas palavras: Leviathan com Ethan, que significa "Amém" na Missa Negra. A grafia ficou assim. O nome foi tirado de um livro (Leviathan) em que o autor (Thomas Hobbs) critica a sociedade e a religião, temas que a gente também aborda nas nossas letras.

Whiplash! - Qual foi a repercussão que o primeiro LP de vocês, o "Smile", lançado pela então nova Rock Brigade Records aqui no Brasil?

Carlos / O nosso primeiro disco teve uma ótima repercussão, tanto que se esgotou e abriu várias portas pra gente.

Whiplash! - E quanto ao segundo LP, o "Disturbed Mind", qual foi a repercussão que ele obteve? Algum dos dois LP's chegou a ser lançado no exterior?

Flávio / Não, não conseguimos nenhum contrato com o exterior. Quanto ao nosso segundo disco, ele recebeu ótimas críticas e uma ótima repercussão junto ao público, só que tivemos o azar de fazer um dos últimos lançamentos em vinil, pois na época o CD estava estourando aqui no Brasil, então a vendagem dele não foi tão boa...

Whiplash! - Atualmente, o Leviaethan voltou à ativa. Qual é a diferença entre a primeira formação da banda e a atual?

Carlos / Basicamente só as pessoas são diferentes, pois tanto o Denis (guitarra) como o Ricardo Ratão (bateria) são ótimos músicos, que não ficam devendo nada para os da formação original...

Whiplash! - Uma nova música está sendo tocada nos shows, "Duality". Ela está presente no novo CD de vocês, junto com os dois primeiros LP's como bônus. Como está se saindo esse CD?

Flávio / Em primeiro lugar, esta informação não procede, pois não estamos com um trabalho novo nas lojas... A música "Duality" foi gravada no final de 2002 para marcar a volta da banda e para termos algo rolando nas rádios. E ela foi muito bem aceita...

Whiplash! - Por falar nos dois primeiros LP's, existe a possibilidade de ambos serem relançados por alguma gravadora?

Carlos / Realmente a idéia é relançar os dois discos, mas se não encontrarmos ninguém interessado, nos mesmos iremos bancá-los.

Whiplash! - Quando o Leviaethan fazia sucesso, eu ainda era criança e não conhecia o heavy metal. Qual é o balanço que vocês fazem daquela época?

Flávio / Era muito bom ter uma banda nos anos 80. Tínhamos muitos shows e a galera sempre participava. Felizmente, parece que os bons tempos estão de volta.

Whiplash! - Aliás, qual foi o motivo que os levou a interromperem a banda nos anos 90?

Carlos - Em 1997, o Danilo (baterista) resolveu se mudar para o Rio Grande do Norte (ele está lá até hoje) e não achamos ninguém competente para o lugar dele. Isto nos desmotivou e cada um foi pro seu lado.

Whiplash! - [Para o Flávio] Muitos te conheciam apenas pelo seu trabalho na loja Madhouse em Porto Alegre/RS, sem conhecerem muito sobre o Leviaethan. Como você lidava com essa situação?

Flávio / Acho interessante, pois agora que eu não estou mais com a Madhouse as pessoas me conhecem pela banda... Mas são duas coisas que fazem com que você tenha bastante contato com o pessoal que gosta de metal, e eu gosto disso!

Whiplash! - [Para o Flávio] A Madhouse fechou. Existe a possibilidade de a loja voltar a funcionar em um futuro próximo?

Flávio / Tudo é possível, na vida a gente nunca pode dizer "nunca", e as coisas tem que ter um ciclo...

Whiplash! - Qual é a sua opinião sobre a atual cena do RS, tratando-se de metal extremo, com boas bandas além do Leviaethan; como a Bestial, Distraught, Dark Celebration, Arena Age, Empire of Darkness, entre outras?

Carlos / Sempre tivemos ótimas bandas por aqui, que se destacam por conseguir juntar criatividade, garra, originalidade e competência. Só precisamos estar mais unidos...

Whiplash! - O que você acha de outros retornos de bandas oitentistas de thrash, como o Attomica, Chakal, e o no caso mais atual, o Witchhammer?

Flávio / Fico muito feliz com o retorno de bandas dos anos 80, como Chakal e o Attomica. E tem muita gente curtindo o metal oitentista. Isto realmente é muito bom...

Whiplash! - Obrigado pela entrevista. Para terminar, peço que deixe uma mensagem aos fãs da banda que conferiram esta matéria aqui no Whiplash!

Flávio - Gostaríamos de agradecer pelo apoio e dizer para as pessoas que entrem em contato com a gente (leviaethan@ibest.com.br). E para quem quiser, estamos divulgando os dois discos em formato CD-R. É só entrar em contato... Um grande abraço e obrigado!


Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal


GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Leviaethan"


Axl no AC/DC: O fiasco que se transformou numa surpreendente uniãoAxl no AC/DC
O fiasco que se transformou numa surpreendente união

Slayer: quando Cronos deixou Tom Araya de olho roxoSlayer
Quando Cronos deixou Tom Araya de olho roxo


adClio336|adClio336