MoonshadoW - Entrevista exclusiva.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Enviar correções  |  Ver Acessos

O MoonshadoW é formado por Cristiano Miano (baixo), Eduardo D'Elboux (teclado), Claiton Junior (vocais), Rodrigo Cesarino (guitarras), Augusto Rego (percussão) e Celso Getz (bateria). Sem dúvidas, a banda vem se tornando grande, a partir do momento em que encara seriamente o seu trabalho. São shows com lotação esgotada, inúmeros contatos pela Internet, excelente tática de divulgação...Isso sem falar do som, lançado neste CD intitulado "Tales From Soul"; uma obra prima de quem entende da musicalidade compreendida nos anos setenta, sem deixar de incluir passagens bem atuais. Marillion, Deep-Purple, Jethro Tull, Kansas etc. Estas são algumas influências que ajudaram na carreira do MoonsahdoW; resgatando, a altura, o verdadeiro espírito do rock progressivo

Primórdios: O Rock Brasileiro da década de 50Freddy Frenzzy: O vocal que trocou Hard Rock por forró ostentação

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Por André Toral

Whiplash! / Sendo uma banda de muita musicalidade, foi difícil compor tantas melodias detalhadas para cada música?

MoonshadoW / Nem tanto, pois isto vai surgindo naturalmente no decorrer dos ensaios, até chegar o momento da gravação. O importante para isto acontecer é deixar a emoção fluir, tocar de forma natural, sem se prender a modismos e, principalmente, fazer o que se gosta. A sofisticação de algumas faixas e a simplicidade sincera de outras tem a ver com os climas pretendidos em cada composição, e a inspiração original só ganhou com um trabalho de constante de elaboração.

Whiplash! / Marillion, Jethro Tull, Kansas, Deep-Purple, etc. Todas estas influências compõem o resultado final de Tales From Soul. Que processo a banda utilizou para compor e saber dosar as influências?

MoonshadoW / Somos, naturalmente, influenciados por diversos tipos de música mas, em geral, não existe um segredo para compor com estas influências e ter um resultado que gere um som próprio e característico do MoonshadoW. O mais importante é usar as influências como um referencial, não como um padrão estabelecido dentro de nosso estilo. Pegamos tudo o que tínhamos, colocamos dentro de um liqüidificador e, com o estilo pessoal de cada um, moldamos o som do MoonshadoW.

Whiplash! / O MoonshadoW trouxe toda uma sonoridade setentista ao álbum. Isso fica nítido ao escutar Old Feelings, por exemplo. Desde o início, isso foi requisito ou foi questão da produção se adaptar à cultura da banda?

MoonshadoW / Na verdade, esta sonoridade veio naturalmente pelas próprias influências de cada integrante. O Celso adora Rolling Stones, o Cristiano ama Rush, o D'Elboux venera Emerson, Lake & Palmer, o Claiton Jr. pára diante do Marillion. O Rodrigo, anos 70 na veia, e o Augusto pega um pouco de tudo. Assim, não foi pré-requisito mas, felizmente, ocorreu de forma natural. Não foi nada forçado. Quanto à produção, talvez se tenha esta sensação pelos nossos próprios equipamentos que pela timbragem natural de cada um dos instrumentos - que nos traz de volta ao passado - pois utilizamos o inconfundível teclado Mini-Moog, amplificadores valvulados, guitarras clássicas como a Fender e a Gibson, violões com corda de nylon, e a própria percussão, que dá um toque progressivo maior no nosso som.

Whiplash! / As músicas de Tales From Soul possuem uma particularidade, ou seja, uma espécie de magia que transporta o ouvinte mais sensível a um universo de imaginações. Vocês pensam que este é o verdadeiro propósito da música, de atingir os sentimentos e o coração das pessoas?

MoonshadoW / Com certeza! Boa música é aquela que atinge o coração, que faz você pular, rir, chorar, sorrir, ficar com os pêlos do braço arrepiados! Quando sentimos isso na música, sabemos que é algo orgânico, faz parte da gente. Nossa música tem uma qualidade principal nisso tudo: procuramos ser sinceros com o público, de forma a atingir seus corações, emoções e mentes. Quando tocamos e sentimos o público com a gente, nos sentimos muito mais vivos. Para reafirmar o que falamos, citamos Strawinsky, que dizia que a música, por si só, é incapaz de expressar alguma coisa, mas é a arte que mais evoca o ouvinte - e esses sentimentos e impressões são reflexo da sensibilidade dos músicos e dos ouvintes.

Whiplash! / Considerando o nome da banda, qual o significado de toda a arte de Tales From Soul, incluindo as suas mensagens?

MoonshadoW / Um CD deve ser considerado pela banda como um trabalho completo. Não adianta você ter um som maravilhoso e não ter uma boa apresentação, mas também não adianta você ter uma belíssima apresentação que não faça parte do contexto do disco, ou seja, tudo deve ser casado. A capa do CD Tales From Soul tem o objetivo de passar ao público toda a suavidade e magia de nosso som. Na capa você pode ver uma criança segurando a Lua em suas mãos. Isso simboliza que na nossa imaginação tudo é possível e que nunca podemos esquecer o nosso lado infantil- que é a fase mais forte e pura de nossa imaginação. O próprio CD possui um Yin & Yang, que simboliza equilíbrio- outro fator necessário para o bom andamento de qualquer coisa.

Whiplash! / Em se tratando de produção, nota-se que o álbum soa com perfeição. Quais foram os segredos por trás deste trabalho?

MoonshadoW / O segredo é um só: muito trabalho, dedicação nos ensaios e amor pelo o que fazemos. Sem isso, nada teria sentido. Tecnicamente falando, fizemos um longo processo de pré-produção, onde desenvolvemos cada uma das músicas aos poucos e com muito cuidado. Todos chegaram ao estúdio sabendo exatamente o que deveriam fazer e isto, sem dúvidas, foi imprescindível para o resultado final.

Whiplash! / Vocês diriam que, pelo fato de estarem resgatando a magia do rock progressivo setentista, os fãs fariam parte de um "público alvo"?

MoonshadoW / Não necessariamente. Na verdade, nosso público alvo é qualquer pessoa que goste de boa música, intensa, expontânea. Nossos fãs são de diversos grupos de idade, com diferentes gostos musicais. Temos realmente aqueles que gostam do progressivo dos anos 70, mas também temos muitos fãs que nunca tinham ouvido rock antes (ou mesmo que não gostavam). Estas pessoas estão aprendendo a gostar de muitas coisas através da gente, e isto nos deixa muito gratificados.

Whiplash! / O MoonshadoW, quando reformulado, foi "remontado" através da Internet. Como isso aconteceu?

MoonshadoW / Após ver a formação anterior se dissolver por completo, o Claiton Jr. começou a buscar por novos músicos na Internet, interessados em reformular o trabalho antigo do MoonshadoW, enfim, em transformar o MoonshadoW em uma banda nova, reciclada. Aos poucos, fomos chegando e hoje temos um ano com essa formação. Foi muito trabalhoso, mas gratificante também, pois além de reformular a banda, nos transformamos em amigos pessoais, uma verdadeira família..

Whiplash! / Na internet, como foi encontrar músicos que tivessem um pensamento musical mais voltado para os anos 70, considerando que, na maioria, os internautas são jovens com uma cultura sonora do momento em que se vive?

MoonshadoW / Na verdade, a Internet não tem mais este apelo voltado para a juventude há algum tempo. Hoje, muitas pessoas mais velhas tem acesso. No nosso meio musical, a maioria das pessoas tem pelo menos um e-mail. Além disso, existem muitos jovens que, influenciados pela própria Internet, estão buscando fontes dos anos 70. Estão pegando as influências positivas, o que é muito bom. Hoje, em um mundo globalizado, banalizam-se muitas artes, mas também temos acesso a coisas que nem imaginávamos - um internauta pode estar a procura de um novo drum'n'bass, mas pode esbarrar e gostar de uma melodia tibetana ou, quem sabe, no som do MoonshadoW..

Whiplash! / Em termos de shows, como a banda se define?

MoonshadoW / Tocamos para o público e com o público; com garra, energia e sentimento. Tudo para eles.

Whiplash! / Que nível de aceitação o álbum Tales From Soul tem tido, em nível nacional e internacional?

MoonshadoW / Estamos indo bem no Brasil, estamos começando a sentir um feedback agora, e vem sendo ótimo. Estamos saindo em bons veículos de mídia de massa e especializada, com boas críticas. Além disso, estamos atingindo um número cada vez maior de fãs, o que nos satisfaz muito.Fora do Brasil, estamos começando agora, mas já conseguimos boas críticas até em países como EUA, Romênia e Austrália.

Whiplash! / Que planos a banda tem traçado para atingir, com eficácia, a mídia, mercado e fãs?

MoonshadoW / Na mídia, estamos entrando em veículos de massa, especializados. Na verdade, não recusamos nenhuma oportunidade de divulgação, contato com o público e com o mercado, pois acreditamos que a nossa música tem potencial para atingir qualquer pessoa. Investimos bastante na Internet, que vem sendo para gente um meio de comunicação que dá muito retorno, afinal, muitos de nossos contatos e fãs aconteceram via Internet.O mais importante de tudo isso é ter sempre os ouvidos e coração abertos a críticas e sugestões, pois só assim cresceremos musicalmente e poderemos sempre trazer um bom trabalho às mão de nosso público cativo.

Whiplash! / Em um mercado infestado por heavy melódico, hardcore, entre outros, quais são as expectativas da banda?

MoonshadoW / Em primeiro lugar, acreditamos que exista espaço para todos os estilos. Queremos atingir aquelas pessoas que curtam boa. Você citou estilos mais segmentados, que em nada tem a ver com o nosso. Acreditamos que fazemos uma espécie de rock melódico, com músicas de todos os estilos (rápidas, lentas, complexas, etc.). Você pode escolher uma música nossa para ouvir de acordo com o seu momento no dia e é isso que achamos mais admirável no estilo que tocamos. Você não se prende, não se segmenta, nunca faz a mesma coisa.Temos música que integram desde um pique roqueiro com guitarras distorcidas, como em Dolphins, ou um solo de teclado em timbre de oboé em Under the Moonshadow.

Whiplash! / O que o MoonshadoW diria para aqueles futuros fãs que, ao lerem esta entrevista, poderiam se interessar por conhecer a banda?

MoonshadoW / Primeiramente, convidamos a todos para conhecerem o nosso site oficial na Internet: http://www.moonshadow.com.br .Lá vocês podem ter mais informações sobre nós e ouvir a música Dolphins, em MP-3, gratuitamente. Se gostarem, compareçam ao nosso show do dia 18/3, no Sanja Jazz Bar. Confiram do que somos capazes - boa música e divertimento. Vocês também podem comprar o nosso CD, autografá-lo e bater um papo com a gente depois do show. Sem os fãs, nenhuma banda tem motivação para continuar tocando!

Whiplash! / Deixem um recado para o Whiplash!.

MoonshadoW / Agradecemos de coração pela oportunidade e esperamos que o Whiplash! continue abrindo as suas portas para as bandas independentes pois só assim o público saberá o que há de novo no mercado e descobrirá que sempre haverá um som que é a sua cara, como o MoonshadoW! Parabéns pelo excelente trabalho que vêm desempenhando!




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Moon Shadow"


Primórdios: O Rock Brasileiro da década de 50Primórdios
O Rock Brasileiro da década de 50

Freddy Frenzzy: O vocal que trocou Hard Rock por forró ostentaçãoFreddy Frenzzy
O vocal que trocou Hard Rock por forró ostentação


adClio336|adClio336