Impellitteri - Entrevista exclusiva com o vocalista Rob Rock.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Enviar Correções  


Rob Rock é uma verdadeira lenda do hard rock e metal mundial. Começou sua carreira de gravações com a super-banda norte-americana M.A.R.S., que tinha em sua formação os excepcionais Tony MacAlpine (guitarra e teclado), Rudy Sarzo (baixo) e Tommy Aldridge (bateria). Depois disso, Rob Rock trabalhou com músicos excepcionais como Axel Rudi Pell, Jörg Michael, Roy Z (atualmente da banda de Bruce Dickinson), dentre outros. Obviamente, ainda não falei de seu trabalho principal, pelo qual é mais conhecido, seu trabalho com o excepcional guitarrista Chris Impellitteri, um dos maiores virtuosos do instrumento na atualidade, na banda que atende pelo epíteto Impellitteri. Eles já gravaram vários álbuns juntos, e estão no processo final de produção de mais um novo álbum, que chamar-se-á "Crunch" e deve ter seu lançamento no Japão no começo do próximo ano. Rob Rock, essa lenda viva da música mundial, falou com o Whiplash sobre vários assuntos, abrangendo desde o início de sua carreira até seus mais recentes projetos, numa conversa bastante interessante a quem aprecia música bem tocada e de alto nível técnico.

publicidade

Entrevista concedida a Mário Del Nunzio.

Colaboração de Thiago Corrêa.

Tradução por Mário Del Nunzio.

Whiplash! / O novo álbum do Impellitteri, "Crunch", está em fase final de preparação, certo ? Quando deve ser lançado ?

Rob Rock / Sim, nós estamos quase terminando de fazer os "overdubs". Esperamos que o disco seja lançado no Japão no começo do ano 2000.

publicidade

Whiplash! / Ouvi falar que esse seria o mais pesado álbum do Impellitteri. Isso tem fundamento ?

Rock / O álbum contém algumas músicas no clássico estilo do Impellitteri, assim como algumas músicas com um som mais modernos. Nós estamos afinando os instrumentos mais baixo, para um som mais pesado, e colocamos várias idéias na produção, como efeitos sonoros, percussão, "samples" e "loops". Estou cantando com vários registros no álbum, então será possível ouvir-me cantando de maneira grave e aguda.

publicidade

Whiplash! / Quais suas expectativas quanto a vendas e aceitação do público com "Crunch" ? Será novamente lançado apenas no Japão ou há contatos para um lançamento mundial ?

Rock / Esperamos que o álbum vá muito bem. Tem uma nova e fresca direção para o Impellitteri é metade do disco, e, na outra metade, é o que se espera normalmente da banda, porém um pouco mais pesado, devido à afinação. Acho que nossos fãs antigos vão adorar o disco, e talvez consigamos alguns novos fãs, pois estamos trazendo Impellitteri ao novo século. O disco será lançado primeiramente no Japão e Europa, e depois tentaremos arrumar um contrato de distribuição para os EUA.

publicidade

Whiplash! / Como compararias as músicas nesse novo álbum às composições de "Eye Of The Hurricane" e dos outros álbuns do Impellitteri ?

Rock / As novas músicas têm um som fresco para nós. Há algumas músicas conceituais bastante experimentais tanto em conceitos líricos quanto musicais. As músicas estão diferentes dos álbuns passados pois estamos realmente usando nosso tempo para fazer esse disco, e não estamos apressados em fazer um álbum com o qual não estejamos totalmente satisfeitos. Faz uma grande diferença poder voltar e mudar coisas que quer diferentes e tentar outras idéias. Também temos várias influências modernas nesse novo álbum e trabalhamos duro para fazer esse álbum soar novo e interessante. Outro fato que torna esse álbum diferente é que Glen Sobel, nosso baterista em turnês, está tocando bateria nesse álbum. Nós temos ensaiado e feito concertos com ele nos últimos dois anos e ele realmente ajudou a banda criativamente. Ele fez um trabalho fenomenal e tenho certeza que todos os fãs do Ken Mary estarão satisfeitos com a qualidade e técnica de Glen tocando bateria. E há algumas canções que encaixar-se-iam muitíssimo bem em álbuns passados do Impellitteri. Por isso, acredito que todos estarão prazenteiros com esse novo álbum, já composições com uma nova sonoridade e músicas do estilo tradicional da banda.

publicidade

Whiplash! / "Eye Of The Hurricane" foi lançado na Europa com canções adicionais de álbuns pósteros do Impellitteri. Por qual motivo o álbum foi lançado com a adição de tais obras ? Qual seu parecer sobre tal álbum atualmente ?

Rock / Os álbums "Victim Of The System" e "Answer To The Master" não foram lançados no continente Europeu, então decidimos pegar canções adicionais de nossos pósteros álbuns e colocá-las no álbum para que nossos fãs europeus tivessem oportunidade de ouvi-las. Ainda gosto bastante do álbum "Eye Of The Hurricane". Às vezes o álbum parece muito polido à minha pessoa, mas fiquei bastante prazenteiro por ter colocado algumas baladas, pois bastantes fãs mulheres de nosso trabalho estavam pedindo, e eu pude mostrar outro lado de minha voz.

publicidade

Whiplash! / No álbum "Screaming Symphony", O Sr. Impellitteri parece Ter colocado sua alma "hard rocker" de maneira total. Contudo, alguns "riffs", até por terem ritmos e harmonias semelhantes, parecem bastante repetitivos. Mesmo com isso, seu vocal aparece muito bem, com uma variação bastante interessante. Você concorda com isso ? Como deu-se o trabalho nesse álbum ?

publicidade

Rock / Sim, eu concordo. Quando uma canção é similar musicalmente, necessito levá-la a um novo nível com minhas melodias vocais. O álbum "Sreaming Symphony" foi um marco para minha pessoa. Acredito que seu conteúdos lírico e melódico estejam entre meus melhores trabalhos. Estava determinado a escrever letras com bastantes duplos significados e acho que consegui isso de maneira grandiosa. Também criei algumas melodias muito boas e, num todo, acho que o álbum foi um grande marco, como já dito.

Whiplash! / Quais, em sua opinião, os melhores e piores pontos de sua parceria com Chris Impellitteri ? Você gostaria de mudar algo que fez ?

Rock / Acho que o melhor ponto é que juntos temos uma magia de composição bastante grande e interessante. Gostamos do que criamos de maneira recíproca e acho que fizemos alguns grandes álbuns juntos. Acho que o pior ponto é o epíteto pelo qual a banda atende. Sempre que tenho de dizer tal epíteto, não sou compreendido por prosódia, tendo que soletrá-lo ou algo do tipo. Acredito que um nome de agremiação musical deva ser de fácil pronunciação e memorização. Gostaria que tivéssemos mudado o nome de nossa luanda quando juntamo-nos novamente para o álbum "Grin & Bear It".

Whiplash! / Você cantou em todos os álbuns do Impellitteri, exceto "Stand In Line". Por que ? Algo aconteceu entre você e Chris Impellitteri depois do primeiro EP do conjunto ? O que fez você retornar a trabalhar com ele ?

Rock / Estive na Alemanha por 6 meses em 1988 gravando com a banda Joshua, pela gravadora RCA, enquanto Chris gravava o "Stand In Line". O EP de estréia do Impellitteri contém as demos que gravei com Chris em 1987. Depois que gravei tais demos, procurei uma banda que tivesse um contrato com gravadora, e encontrei o Joshua na RCA. Chris mostrou sua demo a várias pessoas e assinou com a gravadora Relativity. Tal gravadora decidiu colocar uma formação de estrelas com ele pra gravar um álbum. Chris chamou-me para o "Grin..." pois não mais tinha uma banda mas tinha contrato no Japão e empresariamento. Entrei na sua banda pois sabia que fazíamos música boa juntos.

Whiplash! / O grupo musical Impellitteri parece ter bastante sucesso no Japão, ter alguns fãs na Europa e ser praticamente desconhecido no seu país de origem, EUA. Como você se sente com relação a isso ? Você acha que pode mudar no futuro ?

Rock / Acho uma vergonha e uma pena a população dos EUA ser tão orientada pelas modas. Nós do Impellitteri sempre tentamos com o máximo afinco escrever o melhor metal melódico que podemos. Japão e Europa apreciam isso, e, por tal motivo, nos damos bem comercialmente em tais lugares. Acredito que Heavy Metal em breve retornará aos EUA e nós estaremos aqui prontos. Acredito que o futuro será brilhante para nós e, com a força do desejo de Deus, teremos uma chance de sermos conhecidos em nosso país.

Whiplash! / Até o álbum "Answer To The Master", não havia um tecladista tocando com a banda. No que você acha que a entrada de um tecladista ajudou no desenvolvimento musical da banda ?

Rock / Teclados definitivamente ajudam em nossas apresentações ao vivo. Eles cobrem o som, fazem bases para os solos, fazem harmonias com as guitarras... Nós os incorporamos aos álbuns para deixá-los com um som mais denso e interessante. Ed Roth é um músico fantástico. Ele ajudou com muitas idéias e bastante criatividade na música que escrevemos.

Whiplash! / O EP de estréia do Impellitteri está agora sendo relançado pela Century Media. O que você acha desse trabalho atualmente, mais de 10 anos depois de lançado ?

Rock / Acho que o EP tem ótimas gravações. É duro, rápido e tem um sentimento de apresentações ao vivo. O relançamento conterá novas informações, fotos daquela época e comentários meus e do Chris.

Whiplash! / Impellitteri nunca teve muitas baladas em seus discos, porém, no "Eye Of The Hurricane" há a belíssima "On And On". Há intenção de gravar mais música neste estilo, deixando um pouco de lado o estilo "hard rock" mais puro de álbuns como "Screaming Symphony" ?

Rock / Tivemos uma excelente receptivade às canções "On And On" e "Paradise" do "Eye Of The Hurricane". Nosso novo álbum também conterá uma ótima canção no estilo "MTV unplugged", chamada "Forever Yours", mas o novo álbum é também um álbum puro de rock.

Whiplash! / Você escreve a maior parte das letras do Impellitteri. Quais canções você acredita que tenham um conteúdo lírico mais interessante ? Por que motivo ? O que o influencia na escrita das letras das canções ?

Rock / O "espírito" da canção e seu conteúdo lírico devem andar juntos para fazer uma obra grandiosa. Sou também influenciado pelas minhas experiências pessoais, eventos atuais e minha visão do mundo pela minha fé. Algumas canções que acredito possuirem letras bastante interessantes são "Master Of Disguise", "Kingdom Fighter", "Bleed In Silence", "Rat Race", "Walk Away", "Kingdom Of Light", "Tears In The Eyes Of The World", "The Future Is Black", "Something's Wrong With The World Today", "Victim Of The System" e "When The Well Runs Dry".

Whiplash! / Você é conhecido por muitos como "o vocalista de Chris Impellitteri", e, muitas pessoas que gostam do Impellitteri não dão o valor merecido ao seu trabalho. Como você sente-se com relação a isso ?

Rock / Sinto que o valor de meu trabalho está mais que evidente em nossas músicas. Acredito existirem pouco vocalistas que possam escrever ótimas letras e melodias junto a um guitarrista que escreve obras baseado apenas em seu modo de tocar guitarra. Espero que as pessoas tenham tempo para encontrar os significados mais profundos de minhas letras, quando estiverem apreciando as melodias vocais.

Whiplash! / Você já pensou em fazer um disco solo ? Se você fosse gravar um e pudesse escolher uma "banda dos sonhos", que músicos teria trabalhando com você ?

Rock / Estou esperando e rezando pela chance e momento certo para fazer um álbum solo desde a turnê promocional do "Screaming Symphony" no Japão. Chris disse a mim que gostaria e faria um álbum instrumental algum dia e isso fez-me pensar que tenho algumas excepcionais composições que nunca ninguém ouviu e que gostaria que meus fãs ouvissem. Minha banda dos sonhos seria a formação que tive com o Driver em 1989. Escrevi várias canções com Roy Z e nós sempre preocupamo-nos primeiramente com a música e os vocais. Acho que ótimas músicas fazem um disco grandioso e seria ótimo fazer um álbum escrito prioritariamente para minha voz.

Whiplash! / Seu primeiro álbum, em 1986, é o grandioso e excepcional "Project Driver", com Tony MacAlpine, Tommy Aldridge e Rudy Sarzo. Como foi lançar um primeiro trabalho sendo acompanhado por tantos excepcionais músicos ? Qual sua opinião a respeito de tal álbum atualmente, quase 15 anos depois de seu lançamento ?

Rock / Foi ótimo estar naquela excepcional banda. Um jeito grandioso e excepcional de começar uma carreira de gravações! Eu amo esse álbum e ouvi vários músicos dizerem que é seu álbum favorito da época. Mas, quando ouço-o com atenção e penso nele, sinto que se tivesse mais experiência em gravações poderia ter cantado melhor! O ponto alto desse trabalho é que foi bastante respeitado por fãs e músicos no mundo inteiro.

Whiplash! / Você trabalhou com Axel Rudi Pell no álbum "Nasty Reputation". Como você analisaria esse trabalho e sua pareceria com Axel Rudi Pell ?

Rock / Axel era muito fã do M.A.R.S. [MacAlpine, Aldridge, Rock, Sarzo] e queria que cantasse com aquele poder e paixão no seu álbum "Nasty Reputation". Fiz meu melhor no curto tempo que tive e fiquei prazenteiro com os resultados finais. Gostaria de ter podido estar lá para ter podido polir mais e mixar os vocais, mas, no geral, tem um grande sentimento de "ao vivo" na minha voz. Axel Rudi Pell foi só um trabalho de estúdio para mim pois já havia acertado fazer "Grin and Bear It" com Chris Impellitteri.

Whiplash! / Ainda falando sobre Axel Rudi Pell, recentemente, numa entrevista ao Whiplash, Jeff Scott Soto, que entrou na banda de Rudi Pell após você, disse que apenas trabalhou com Rudi Pell pelo dinheiro, não tendo podido colocar sua criatividade lá. O que você acha disso ?

Rock / Não sei como era a situação deles, mas quando entrei em estúdio com Axel, ajudei-o no término das composições de um jeito que agradasse a nós dois. Tive um tempo feliz e fiquei feliz por ter injetado minhas idéias e criatividade.

Whiplash! / Você já comentou que gostou muito de trabalhar com a banda Driver. Por que esse projeto não continuou ? Qual sua opinião sobre o trabalho de Roy Z com Bruce Dickinson ?

Rock / Driver foi a melhor banda que tive e foi um grande azar não termos tido uma gravadora nos EUA. Roy Z é excepcional e seu trabalho com Bruce Dickinson é muito bacana.

Whiplash! / Ainda falando de bandas que não continuaram, você gravou com as bandas Joshua e Angelica. Qual sua opinião sobre esses trabalhos agora ?

Rock / Joshua era uma banda com algumas ótimas músicas e acho "Intense Defense" um bom álbum de rock comercial. Angelica foi só um trabalho de estúdio para ajudar um amigo. Muitas pessoas apreciam esse trabalho, mas acho que cantei muito agudo e suave.

Whiplash! / Você trabalhou com 3 guitarristas que basicamente seguiam o estilo de Yngwie Malmsteen. Uma indagação aparece-me naturalmente... Você já teve contato com ele ou foi convidado a trabalhar com ele ? Você gostaria de trabalhar com ele ?

Rock / Sim, já recebi mensagens do "management" de Yngwie Malmsteen no passado, mas nunca falei diretamente com ele. Acho que Yngwie escreve todo seu material, incluindo letras e melodias, então não sei se há espaço para um cantor contribuir criativamente em seus álbuns.

Whiplash! / Por favor, deixe uma mensagem a seus fãs brasileiros e leitores do Whiplash.

Rock / Espero o dia em que possa fazer um concerto no Brasil. Esse é o país que mais quero visitar e espero que todos os meus discos possam ser encontrados aí. Obrigado pela ajuda e continuem em contato comigo através de meu "website" - www.robrock.com . Agradeço a você, Mário, e ao Whiplash por essa oportunidade de falar com os fãs e amigos meus e do Impellitteri, e desejo que todos vocês tenham bênçãos de Deus em suas vidas.

publicidade




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Chris Impellitteri: Gene Simmon é um completo idiotaChris Impellitteri
"Gene Simmon é um completo idiota"

Ozzy Osbourne: por que Chris Impellitteri não quis entrar para a banda deleOzzy Osbourne
Por que Chris Impellitteri não quis entrar para a banda dele


Seguidores do Demônio: as 10 bandas mais perigosas do mundoSeguidores do Demônio
As 10 bandas mais perigosas do mundo

Motörhead: Amy Lee no colo de Lemmy KilmisterMotörhead
Amy Lee no colo de Lemmy Kilmister


WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin