Iron Maiden: sobre o que fala a música "The Alchemist"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Seguir Whiplash.Net

Por Daniel Almeida, Fonte: Wikipédia
Enviar correções  |  Comentários  | 

Cá estou eu de novo tratando sobre o que fala uma música. Talvez o tema seja repetitivo mas acho interessante ver como muitas letras do Heavy Metal não tem nada a ver com a imagem que as pessoas tem do estilo e mostra um lado extremamente culto dos artistas.

5000 acessosJudas Priest: Bruce Dickinson deve participar de álbum, diz site5000 acessosAxl Rose: "tomo muito cuidado com minha voz"

Dessa vez a música é "The Alchemist", O Alquimista, do último álbum do Iron Maiden, "The Final Frontier". O Maiden costuma falar de temas históricos como a Batalha da Inglaterra, a Guerra da Criméia, ou a guerra aos Cátaros. Em "The Alchemist" é tratado o tema da alquimia que originou diversas ciências como química, antropologia, astrologia e metalurgia como as conhecemos hoje.

A música é cantada em primeira pessoa se colocando no lugar de John Dee, um matemático, astrônomo, astrólogo, geógrafo e conselheiro da rainha Elizabeth I. Dee viveu entre os séculos XVI e XVII e também devotou sua vida à alquimia. Dee procurava entender todos os segredos da natureza e procurou no sobrenatural um meio de conseguir este conhecimento. Nessa busca ele conheceu Edward Kelley, alquímico que dizia conseguir ler a bola de cristal e falar com anjos, algo que impressionou Dee que o colocou como assistente. Ambos buscavam a fórmula da Pedra Filosofal mas enquanto Dee estava interessado em buscas espirituais, Kelley se interessava pela alquimia.

Em 1587 Kelley disse a Dee que os anjos haviam dito que eles deviam compartilhar tudo que tinham, inclusive as esposas. John Dee ficou em conflito e acabou por romper com Kelley como citado no verso "I curse you Edward Kelley your betrayal for eternety is damned" (Eu o amaldiçoo, Edward Kelley, sua traição o condena pela eternidade) e mais à frente "You have taken up my wife and lain beside her" (Você tomou minha esposa e deitou-se ao lado dela). Especula-se que esta foi a forma encontrada por Kelley para se separar de John Dee e continuar sua pesquisa alquímica se afastando da busca espiritual.

A letra cita diversas características atribuídas aos alquimistas da Idade Média como conhecer e controlar as forças da natureza e seu amplo conhecimento e estudo. Artefatos de John Dee como as bolas de cristal e um espelho asteca também são citados.

John Dee possuiu uma biblioteca em sua casa em Mortlake que chegou a ser a maior da Inglaterra ("I was the keeper of the books"). Ao voltar para lá depois de morar na Polônia e na Boêmia (hoje parte da República Tcheca), ele a encontrou destruída e com muitos livros roubados. A música fala como se Edward Kelley tivesse sido reponsável pelo ato.

Ambos dedicaram o resto de suas vidas na busca pelo desconhecido através de contatos místicos e artefatos mágicos. Edward Kelley morreu em 1597 e John Dee em 1608 embora esta data não seja certa.

Confira abaixo uma imagem de Edward Kelley e John Dee evocando um espírito.

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Seguir Whiplash.Net

Judas PriestJudas Priest
Bruce Dickinson deve participar de novo álbum, diz site

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Iron Maiden"

Bruce DickinsonBruce Dickinson
Em defesa dos pubs ingleses contra o estilo americano

Bruce DickinsonBruce Dickinson
A roupa mais ridícula que ele usou no palco

Dane-se Bruce DickinsonDane-se Bruce Dickinson
Simone Simons no metrô é muito melhor

0 acessosTodas as matérias da seção Curiosidades0 acessosTodas as matérias sobre "Iron Maiden"


Axl RoseAxl Rose
"Tomo muito cuidado com minha voz"

Suzi QuatroSuzi Quatro
A importância da linda baixista para o rock

Kiko LoureiroKiko Loureiro
Afastamento do Angra começou antes do Megadeth

5000 acessosMetal Open Air: Em 2012, o maior fiasco da história do Heavy Metal no Brasil!5000 acessosKurt Cobain: novas fotos da cena do crime não verão a luz do dia5000 acessosDavid Coverdale: Em 1974, o Deep Purple Expulsou o ACDC do palco2400 acessosRonnie James Dio: em propaganda de Budweiser de 19835000 acessosChina: as 100 músicas proibidas pelo governo5000 acessosOzzy Osbourne: Para sempre em débito com Robin Williams

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 09 de janeiro de 2018


Sobre Daniel Almeida

Engenheiro, nascido no Rio de Janeiro em 1979, lamento que a cidade não tenha tanta cultura rock como outras cidades do país. Comecei a gostar de música com Jean Michel Jarre, Beatles, Pink Floyd, Creedence Clearwater Revival. e depois partindo para Hendrix, Deep Purple e Black Sabbath (Santíssima Trindade). Ouço muito pouca coisa que tenha surgido há menos de 20 anos. Visito o site desde 1997.

Mais informações sobre Daniel Almeida

Mais matérias de Daniel Almeida no Whiplash.Net.