Matérias Mais Lidas

imagemKiko Loureiro defende surgimento de banda que seria "Greta Van Fleet do Iron Maiden"

imagemRobert Trujillo conta como uma abelha e "migué" quase causaram treta com James Hetfield

imagemA simpatia de James Hetfield ao conversar com pais de bebê que nasceu durante show

imagemComo Max Cavalera aprendeu inglês tendo abandonado a escola aos 12 anos de idade

imagemJonathan Davis, do Korn, explica qual seu problema com o Cristianismo

imagemVocalista do Gwar diz que integrantes do Maiden são "um bando de velhas britânicas"

imagemO segredo da longevidade do baixista do Guns N' Roses tem inspiração nos Stones

imagemApós resposta de Malmsteen, Jeff Scott Soto rebate guitarrista e diz que deseja paz

imagemOzzy Osbourne é visto caminhando com dificuldade ao sair de estúdio

imagemMalmsteen ameaça cancelar show por que vocalista Jeff Scott Soto estava no local

imagemMetallica faz doação para complexo de saúde e educação em Curitiba

imagemLuciano Hang processa vocal do Fresno e quer indenização de R$ 100 mil por danos morais

imagemBob Dylan relembra o grande impacto que o lendário Robert Johnson teve sobre ele

imagemGuitarrista diz que não entrou na banda de Ozzy por não ter cabelo loiro

imagemConfira as músicas que o Iron Maiden está ensaiando para turnê que passa pelo Brasil


Stamp

Resenha - Open the Gates - Manilla Road

Por Diogo Muniz
Em 11/10/20

Após lançar três discos, parecia que o Manilla Road finalmente havia encontrado o seu som, fazendo um heavy metal calcado em temáticas épicas e um instrumental pesado e bem trabalhado. Porém, o direcionamento musical da banda não agradou muito o baterista Rick Fisher, e ele logo saiu da banda. Para seu lugar foi recrutado Randy Foxe, cujo estilo mais agressivo caiu como uma luva, e em 1984 é lançado "Open the Gates". Esse seria o primeiro disco com essa nova formação, e o trio (completado por Scott Park no baixo e Mark Shelton na guitarra e vocal) atravessaria um período bem produtivo durante os anos 80.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O disco abre com "Metalström", e Randy Foxe já chega mostrando serviço. Agressiva e pesada, é uma excelente faixa de abertura. Apesar de destacar a bateria de Randy Foxe, vale a pena mencionar também a voz de Mark Shelton que está mais agressiva em relação aos discos anteriores, dando mais peso à música.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Em seguida temos "Open the Gates". A faixa-titulo, apesar de curtinha, dá o recado muito bem, com o mesmo peso e agressividade da música anterior, sem deixar a peteca cair

"Astronomica" é uma das melhores músicas do álbum. Começa lenta e introspectiva, com Mark Shelton cantando um pouco mais limpo. Mas logo em seguida a música ganha peso e ouvimos mais uma vez o rugido do frontman, acompanhando o instrumental muito bem executado. Além de estar cantando muito, Mark Shelton mostra aqui que está com fome de guitarra e não economiza nos solos. Aqui vemos um estilo que seria marca registrada do Manilla Road músicas que começam lentas e introspectivas e culminam num heavy épico e pesado.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Weavers of the Web" é mais uma música rápida e pesada. A letra é bem interessante, pois aborda ainda com a temática de fantasia uma crítica aos "senhores da guerra". Uma ótima composição de Mark Shelton e cia.

Se é coincidência ou não, eu não sei, mas "The Ninth Wave" é a mais longa música do disco, e é disparado uma das melhores. Trata-se de uma música épica, com pouco mais de nove minutos, que leva o ouvinte para uma viagem aos contos arturianos e fazendo escala em Valhalla. Tem um riff muito marcante, daqueles que pedem que o público cante um ôôôôôôhhh (no melhor estilo Fear of the Dark) em uníssono, e uma interpretação única de Mark Shelton. Toda vez que ouço essa música é impossível não pensar em como essa banda foi tão injustiçada pelo fato de não ter recebido a devida atenção e figurar ao lado de outros gigantes no panteão do heavy metal.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Heavy Metal to the World" é outro petardo cuja letra obviamente é uma homenagem a esse estilo que tanto amamos. Rápida e pesada, devidamente do jeito que tem que ser.

"The Fires of Mars", é outra música épica em mid-tempo, no melhor estilo Manilla Road de ser. Começa introspectiva e vai crescendo a ponto de causar arrepios de tão fantástica que é.

Logo depois dessa viagem somos conduzidos para "Road of Kings", um heavy metal muito bem executado, daqueles que é impossível ouvir sem bater cabeça. Aqui temos mais uma música que mostra o quanto a banda estava entrosada e com bastante lenha para queimar. Sua energia é tão intensa que se tornou obrigatória nos shows da banda.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Hour of the Dragon" mantém a energia e nos presenteia com outro petardo. Música muito bem executada e com excelente sintonia entre os músicos.

Se tem uma coisa que o Manilla Road sabe fazer é finalizar seus discos de maneira épica, e "Witches Brew" fecha o disco muito bem. Aqui temos mais uma canção que comece lenta, viajada e introspectiva para então cair num heavy metal muito bem executado. Feita para bater cabeça e viajar no solo de guitarra que encerra a música.

Desde o primeiro álbum, o Manilla Road buscou sempre evoluir e aprimorar o seu som. Apesar de "Crystal Logic" ser o disco que define a carreira da banda, em minha opinião "Open the Gates" chega a ser melhor que seu antecessor. A produção aqui deixou todos os instrumentos nítidos, conferindo um peso a mais e uma experiência auditiva até então inéditos dentro da carreira da banda. Outro detalhe é que foi em "Open the Gates" que Mark Shelton parece ter encontrado o timbre certo para cantar, e sua interpretação atingiu seu ápice. Assim como ocorre em "Crystal Logic", a impressão que passa é que "Open the Gates" é uma espécie de "Best of", pois todas as músicas funcionam muito bem, e a ordem delas dentro do track list foi muito bem escolhida, deixando a experiência de ouvir o disco bem fluida. É como se "Open the Gates" fosse um "Crystal Logic" com anabolizantes.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Tracklist:

Metalström
Open the Gates
Astronomica
Weavers of the Web
The Ninth Wave
Heavy Metal to the World
The Fires of Mars
Road of Kings
Hour of the Dragon
Witches Brew

FONTE: https://www.manillaroad.net/
The Official Manilla Road Website


Outras resenhas de Open the Gates - Manilla Road

Resenha - Open the Gates - Manilla Road

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Heavy Metal: Alguns discos que são obras-primas pouco lembradas - Parte 3