Allen/Olzon: álbum burocrático fica abaixo do nível da dupla

Resenha - Worlds Apart - Allen/Olzon

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Victor de Andrade Lopes
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 5

Da mesma gravadora que deu à luz projetos como Allen/Lande, Kiske/Somerville e Lione/Conti, chega mais uma jogada comercial: Allen/Olzon.

Nightwish: Pai da ex-vocalista Anette Olzon faleceu devido ao coronavírusLynyrd Skynyrd: a história da espetacular "Simple Man"

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Isso mesmo: a italiana Frontiers Records Slr juntou uma dupla bem improvável. De um lado, o estadunidense Russell Allen, mais conhecido pela atuação em sua banda principal, o Symphony X. Considerado um dos vocalistas mais versáteis do metal atual, ele já emprestou seus talentos ao Avantasia, Ayreon, Star One, Genius, Avalon, além de sua segunda casa, o Adrenaline Mob.

Do outro, temos a sueca Anette Olzon, de currículo mais modesto. Foi vocalista do gigante Nightwish por alguns anos, é verdade, mas depois disso teve uma carreira relativamente infrutífera, limitando-se a um ótimo álbum solo e um insosso projeto com o guitarrista Jani Liimatainen (ex-Sonata Arctica), o The Dark Element. Ela até revelou recentemente em entrevista ao Let's Discuss With Lance Hall que trabalha em tempo integral como enfermeira, indicando que realmente a música (o business?) não tem dado o retorno financeiro que o talento dela merece.

O produto do qual falamos aqui era para ser na verdade o quinto (sim, o quinto) disco do Allen/Lande (que une o já mencionado Russell com o vocalista norueguês Jørn Lande), mas este último percebeu a presepada formulaica que estavam lhe preparando e pulou fora, conforme explicou em entrevista ao Metal Symphony. "Em seu lugar", chamaram Anette Olzon, e assim nasceu o Allen/Olzon, uma espécie de sucessor espiritual do projeto anterior.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Pois bem, a combinação dos dois foi "moderada" pelo produtor Magnus Karlsson, o coringa que a Frontiers quase sempre chama para esses discos de duetos. Ele escreveu tudo e ainda tocou todos os instrumentos, exceto pela bateria, que ficou nas mãos de Anders Köllerfors. O resultado superou as expectativas - eu, pelo menos, esperava um trabalho bem comercialesco, na vibe do The Dark Element.

Worlds Apart, estreia do time, não deixa de sê-lo, mas há um esforço real aqui em não ser tão artificial. Abrimos com "Never Die", que seria boa o suficiente não fosse um detalhe: Russell canta sozinho nela. Qual o sentido de se trabalhar em dupla se as metades entram separadas?

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A faixa título vem logo em seguida, e seu nome ("A mundos de distância" em tradução livre) diz muito sobre o projeto em si, à luz do que foi dito alguns parágrafos acima.

Russel segue voando solo na ótima "Lost Soul" e na esquecível "Who You Really Are". Já Anette ganha espaço exclusivo nas tocantes "I'll Never Leave You", "One More Chance" e "Cold Inside", esta última a melhor de suas aventuras solo.

Os dois aparecem juntos nas insossas "What If I Live", "My Enemy" e "Who's Gonna Stop Me Now"; mas conquistam de vez na ótima "No Sign of Life".

Um fator extra-musical que chamou a atenção foi, ironicamente, a falta de atenção dada ao lançamento por parte da imprensa e dos próprios músicos. Sua rala presença na mídia se deu na forma de comunicados enviados pela Frontiers, basicamente, e não houve grande entusiasmo por parte da dupla nas redes sociais na hora de divulgá-lo.

Fica a impressão, inclusive, de que os dois sequer chegaram a se encontrar nas gravações. Se bobear, nem comunicação direta houve entre as partes. Tudo parece extremamente encomendado.

Levando em conta estas últimas considerações - a natureza formulaica das músicas e a divulgação tímida - "burocrático" é o adjetivo mais apropriado para Worlds Apart, que até supera as baixas expectativas, mas não atinge o nível dos dois cantores. Na boa discografia de Russell e Anette, este lançamento se perde facilmente.

Abaixo, o clipe de "Worlds Apart":

Track-list:
1. "Never Die"
2. "Worlds Apart"
3. "I'll Never Leave You"
4. "What If I Live"
5. "Lost Soul"
6. "No Sign of Life"
7. "One More Chance"
8. "My Enemy"
9. "Who You Really Are"
10. "Cold Inside"
11. "Who's Gonna Stop Me Now"

Fonte: Sinfonia de Ideias
https://bit.ly/allenolzon




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Russell Allen"Todas as matérias sobre "Anette Olzon"


Nightwish: Pai da ex-vocalista Anette Olzon faleceu devido ao coronavírusNightwish
Pai da ex-vocalista Anette Olzon faleceu devido ao coronavírus

Allen/Olzon: Elementos dos dois cantores se unem para formar uma sonoridade agradávelAllen/Olzon
Elementos dos dois cantores se unem para formar uma sonoridade agradável

Allen/Olzon: ouça Worlds Apart, álbum que reúne Russell Allen e Anette OlzonAllen/Olzon
Ouça Worlds Apart, álbum que reúne Russell Allen e Anette Olzon

Anette Olzon: ex-vocal do Nightwish trabalha como enfermeira de segunda a sextaAnette Olzon
Ex-vocal do Nightwish trabalha como enfermeira de segunda a sexta

Allen/Olzon: Russell Allen e Anette Olzon se juntam em novo projeto

Nightwish: Anette Olzon explica por que jamais subirá ao palco com a bandaNightwish
Anette Olzon explica por que jamais subirá ao palco com a banda

Dark Element: assista estreia ao vivo de banda de Anette OlzonAnette: vocalista retorna com novo projeto, "The Dark Element"The Dark Element: projeto com a participação de Anette OlzonAnette: Emoção com homenagem de fãs brasileiros

Nightwish: fãs criam dueto entre as vocalistasNightwish
Fãs criam "dueto" entre as vocalistas

Nightwish: Anette Olzon conta como entrou na bandaNightwish
Anette Olzon conta como entrou na banda


Lynyrd Skynyrd: a história da espetacular Simple ManLynyrd Skynyrd
A história da espetacular "Simple Man"

Mega-hits Manjados: 10 clássicos que se tornaram clichêsMega-hits Manjados
10 clássicos que se tornaram clichês


Sobre Victor de Andrade Lopes

Victor de Andrade Lopes é jornalista (Mtb 77507/SP) formado pela PUC-SP com extensões em Introdução à História da Música e Arte Como Interpretação do Brasil, ambas pela FESPSP, e estudante de Sistemas para Internet na FATEC de Carapicuíba, onde mora. É também membro do Grupo de Usuários Wikimedia no Brasil e responsável pelo blog Sinfonia de Ideias. Apaixonado por livros, ciências, cultura pop, games, viagens, ufologia, e, é claro, música: rock, metal, pop, dance, folk, erudito e todos os derivados e misturas. Toca piano e teclado nas horas livres.

Mais matérias de Victor de Andrade Lopes no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280 Cli336x280