Resenha - Cuz I Love You - Lizzo

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo Seelig
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

Se tem uma coisa que eu sempre gostei e que continua me encantando é um bom disco de música pop. Minha coleção está cheia de CDs de metal, rock, jazz e blues, mas o pop também bate ponto em minhas estantes. Dito isso, digo o seguinte: esse álbum é legal pra caramba!

Dream Theater: os segredos do álbum OctavariumLegião Urbana: O dia em que Renato calou a plateia do Programa Livre

"Cuz I Love You" é o terceiro disco da cantora norte-americana Lizzo e o primeiro trabalho da artista a sair por uma grande gravadora - no caso, a Atlantic Records. O álbum foi lançado em abril, e depois de ver a linda capa inúmeras vezes nos últimos meses, resolvi conferir o conteúdo.

Lizzo faz um pop cheio de ingredientes de rhythm & blues, porém sem excesso de elementos pasteurizados. A eletrônica marca presença, mas o som é bem "orgânico" e verdadeiro. A voz da garota é incrível, poderosa, e ganha ainda mais força através de linhas vocais muito em construídas. Coros femininos que dão um certo ar gospel aparecem aqui e ali, assim como reminiscências de toda a variedade da rica tradição da música negra norte-americana. Isso quer dizer que podemos ouvir influências de soul, funk e até mesmo jazz nas onze músicas do disco.

Produzido pela própria Lizzo ao lado de um time variado de produtores, Cuz I Love You chegou ao quarto lugar na Billboard puxado pelos singles "Juice" e "Tempo", além do hit "Truth Hurts", presente apenas na versão deluxe. Aclamado pela crítica - nota máxima na NME, 4 de 5 estrelas na Rolling Stone, 4 de 5 estrelas no AllMusic -, é um belíssimo e criativo trabalho, onde Lizzo explora as variadas facetas da black music para construir um disco forte e com discurso contundente.

Destaque para a música título, "Like a Girl", "Juice" (com um delicioso clima funk disco setentista que remete ao Chic e Michael Jackson), a linda "Jerome", a parceira com Missy Elliott em "Tempo", o clima low-fi totalmente relax de "Lingerie"e os pops certeiros de "Boys" e "Truth Hurts".

Existe música boa e música ruim em todos os gêneros, e aqui temos mais um grande exemplo disso.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Lizzo"


Dream Theater: os segredos do álbum OctavariumDream Theater
Os segredos do álbum Octavarium

Legião Urbana: O dia em que Renato calou a plateia do Programa LivreLegião Urbana
O dia em que Renato calou a plateia do Programa Livre

Musculação: os músicos mais bombados do heavy metalMusculação
Os músicos mais bombados do heavy metal

Metallica: James Hetfield imitando Dave Mustaine na TVMetallica
James Hetfield imitando Dave Mustaine na TV

Suzi Quatro: a importância da linda baixista para o rockSuzi Quatro
A importância da linda baixista para o rock

Progressivo: análises exemplificando a guitarra progressivaProgressivo
Análises exemplificando a guitarra progressiva

Slash: quando foi gravado o single Shadow Of Your LoveSlash
Quando foi gravado o single "Shadow Of Your Love"


Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336