RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemA atitude ousada da Legião Urbana ao peitar Globo e Faustão no meio de uma grande crise

imagemO Raul Seixas não era nada daquilo que ele falava, diz ex-parceiro musical

imagemA razão que levou Humberto Gessinger a decidir não usar mais nome "Engenheiros do Hawaii"

imagemPor que Gisele Bündchen e Ivete Sangalo deturparam "Imagine", segundo André Barcinski

imagemDiva Satânica explica qual foi a razão que a fez deixar a banda Nervosa

imagemO último show de Bon Scott com o AC/DC, três semanas antes de sua morte

imagemA hilária reação de Keith Richards ao encontrar músicos do Maneskin

imagemDavid Coverdale relembra parceria com Jimmy Page, e fala sobre relançamento

imagemAs duas razões que levaram RPM a passar por segunda separação em 2003

imagemEm entrevista, Tony Iommi contou como aprendeu a tocar guitarra

imagemAlém do Moonspell, São Paulo Metal Fest anuncia Beyond Creation em seu cast

imagemAngra parabeniza a aniversariante Sandy nas redes sociais

imagemJimmy Page sobre o "Presence": "Não se faz músicas como aquelas caindo de bêbado"

imagemGuitarrista do Offspring continuou em seu emprego normal mesmo depois da fama

imagemPrika explica por que nova vocalista da Nervosa não é brasileira e promete single em março


Stamp

Bryan Adams: um cara dos clássicos artistas dos anos 80 e 90

Resenha - Shine a Light - Bryan Adams

Por Ricardo Pagliaro Thomaz
Postado em 24 de julho de 2019

Nota: 9

Estou nostálgico hoje, então vamos de nostalgia, só que ao invés de pegar um disco velho, vou falar de um lançamento, e vocês podem me perguntar "onde está a nostalgia nisso?" Porque o artista que fez o disco é um cara dos clássicos artistas dos anos 80 e 90, ou seja, da minha juventude. Esse cara é o Bryan Adams, e ele é o tipo de artista que simplesmente me leva de volta no passado toda vez que eu escuto, não só por causa de sua música, mas também porque a voz dele, o estilo dele, está muito atrelado aos anos 80 para mim, a associação que o meu cérebro faz dele com essa década é praticamente imediata, então quando ouço um disco dele, minha memória já liga de volta nessa década. Hoje o cara está com 59 anos, mas não importa se ele estiver velhão e enrugado daqui duas décadas, eu ainda assim vou ligar o cara aos anos 80, porque ele me marcou muito nessa época que eu era moleque e estava descobrindo as coisas.

E eu vim falar de Bryan Adams porque ele, obviamente, lançou disco novo; se bem que eu deveria falar um pouco mais do cara do que eu geralmente falo, porque ele é um artista bem marcante para mim, mas enfim, tem disco novo na praça, e a nova bolacha dele chama Shine a Light, lançada agora em Março deste ano, no dia primeiro.

Vamos conhecer o novo álbum? Então vamos, porque tem bastante coisa legal, e este novo disco inclusive consegue ser melhor até do que os últimos três lançamentos dele, ou seja, desde o disco 11, que ele lançou em 2008, eu tenho escutado o som que ele vem fazendo e achei que ele conseguiu desta vez fazer o melhor trabalho dele desde o Room Service, que ele lançou em 2004. E houve um capricho de arranjos aqui neste disco que eu achei que ficou faltando no disco Get Up, de 2015, gostei daquele disco, mas este daqui realmente é um disco bem mais legal e mais Rock'n'Roll do que seus últimos lançamentos.

A primeira faixa abre o disco, "Shine a Light", e eu pareço entrar novamente naquele vórtex temporal, sentindo o cheiro da nostalgia; essa voz rouca dele que eu reconheço tão bem, essa melodia alegre e ritmada que faz eu me sentir jovem de novo me contagia e mil coisas passam pela minha cabeça enquanto a escuto e balanço, dançando ao ritmo da batida. Essa é pra capturar mesmo minha atenção! Adams é um dos poucos artistas que eu conheço que tem esse efeito sobre mim, de me levar de volta, me pegar na veia, o que é curioso, porque eu, como qualquer outra pessoa normal, costumava ouvir ele bastante sim, mas eu escutava muitas outras bandas no passado, e no entanto, ele é um dos poucos que faz isso comigo. Não mude nunca, Bryan! Seja sempre esse cara que me leva de volta no tempo. E para minha surpresa, eu vejo os créditos da música e está lá, junto com Adams, o nome do Ed Sheeran, um artista mais recente que eu acho bem legal, eu sempre tive essa impressão de que ele e Adams tinham uma conexão musical desde o dia que eu conheci o Sheeran.

Vou falar da sessão mais "classic rock" do disco dele, é a minha favorita, a começar pela faixa "Part Friday Night, Part Sunday Morning", que tem aquela batida de Rock'n'Roll contagiante com traços de música country, e eu curto bastante esse estilo mais "redneck" do Rock tradicional. Também muito legal é a próxima, "Driving Under the Influence of Love", que é aquele Rock mais mistura de anos 50 com anos 80, aquele tipo de coisa que te faz querer curtir um som dirigindo na estrada, música perfeita para carro. "All or Nothing" é aquele estilo de som AC/DC, já escutou "Highway to Hell"? Então curte aí a faixa do Adams, tem exatamente o mesmo tipo de riff! E ainda tem mais Classic Rock com "No Time for Love", um Rock mais setentista e bem alegre que Adams manda, e muito bem, e depois ele viaja mais um pouco para os anos 60, tocando "I Could Get Used to This", na verdade tem aquele ritmo carregado de anos 60, mas melodicamente soa meio anos 90, e é bem curta, mas bacana.

Depois de todo esse Classic Rock, ele resolve voltar de novo ao Pop Rock que também escreve bem, entre os destaques, ficam a faixa "Nobody's Girl", que tem aquele cheiro de Pop Rock dos anos 80, "Don't Look Back", mais reminiscente dos últimos discos dele, e termina a bolacha com uma música irlandesa tradicional, "Whiskey in the Jar", que tem versões bem populares pelo Metallica e pelo Thin Lizzy, por exemplo; aqui Adams dá sua versão e fica bem bacana, gostosa de tocar ao violão inclusive.

Terminada minha viagem nostálgica, já fico sempre com vontade de colocar o disco do começo para escutar de novo. Fiquei sabendo inclusive que ele vem ao Brasil em outubro deste ano, pena que não posso ir, mas vou continuar curtindo aqui minha nostalgia e recomendar a você, velhão como eu, que ouça o novo disco do cara, tenho certeza de que se você curte Rock clássico, vai gostar muito, e para quem é mais novo e deve ouvir constantemente que antigamente a música popular que rolava nas rádios era muito melhor: se você ouvir este disco aqui, vai entender essa afirmação muito mais claramente e descobrir porque as pessoas gostavam mais de ligar suas rádios no passado. Que caras como o Adams possam estar por aí por mais umas duas décadas pelo menos, porque a boa música, ela tem esse poder, te levar de volta a uma época que você gostava muito e era feliz.

[an error occurred while processing this directive]

Shine a Light (2019)
(Bryan Adams)

Tracklist:
01. Shine a Light
02. That's How Strong Our Love Is (feat. Jennifer Lopez)
03. Part Friday Night, Part Sunday Morning
04. Driving Under the Influence of Love
05. All or Nothing
06. No Time for Love
07. I Could Get Used to This
08. Talk to Me
09. The Last Night on Earth
10. Nobody's Girl
11. Don't Look Back
12. Whiskey in the Jar (traditional)

Selo: Polydor

Banda:
Bryan Adams: voz, guitarra, violão, baixo, teclados, gaita, percussão
Jennifer Lopez: segunda voz (faixa 2)
Johan Carlsson: guitarra, baixo, piano (faixas 1, 2)
Keith Scott: guitarra (faixas 3, 5, 6, 8, 10, 11)
Lyle Workman: guitarra (faixas 4, 6, 10)
Rusty Anderson: guitarra (faixas 5, 8, 11)
Phil Thornalley: guitarra, guitarra slide, baixo, teclado (faixas 8, 9)
Paul Bushnell: baixo (faixas 4, 5, 6, 8, 10, 11)
Mattias Bylund: teclados (faixa 2)
Jamie Edwards: piano, teclados (faixas 2, 3, 5, 6, 8, 10)
Gary Breit: piano, órgão (faixas 3, 4, 11)
Jim Vallance: back vocal, guitarra, órgão, tamborim (faixas 4, 7, 10, 11)
Mickey Curry: bateria (faixas 1, 3)
Josh Freese: bateria (faixas 4, 6, 10)
Abe Laboriel Jr: bateria (faixas 5, 8, 11)
Pat Steward: bateria (faixa 7)
Tom Meadows: bateria (faixa 9)

[an error occurred while processing this directive]

Discografia anterior:
- Get Up! (2015)
- Tracks of My Years (2014)
- 11 (2008)
- Room Service (2004)
- Spirit: Stallion of the Cimarron (2002)
- On a Day Like Today (1998)
- 18 til I Die (1996)
- Waking Up the Neighbours (1991)
- Into the Fire (1987)
- Reckless (1984)
- Cuts Like a Knife (1983)
- You Want It You Got It (1981)
- Bryan Adams (1980)

Site oficial:
http://www.bryanadams.com

Para mais informações sobre música, filmes, HQs, livros, games e um monte de tralhas, acesse também meu blog.

http://acienciadaopiniao.blogspot.com.br

[an error occurred while processing this directive]

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:
Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Summer Breeze


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Ricardo Pagliaro Thomaz

Roqueiro e apreciador da boa música desde os 9 anos de idade, quando mamãe me dizia para "parar de miar que nem gato" quando tentava cantarolar "Sweet Child O'Mine" ou "Paradise City". Primeiro disco de rock que ganhei: RPM - Rádio Pirata ao Vivo, e por mais que isso possa soar galhofa hoje em dia, escolhi o disco justamente por causa da caveira da capa e sim, hoje me envergonho disso! Sou também grande apreciador do hardão dos anos 70 e de rock progressivo, com algumas incursões na música pop de qualidade. Também aprecio o bom metal, embora minhas raízes roqueiras sejam mais calcadas no blues. Considero Freddie Mercury o cantor supremo que habita o cosmos do universo e não acredito que há a mínima possibilidade de alguém superá-lo um dia, pelo menos até o dia em que o Planeta Terra derreter e virar uma massa cinzenta sem vida.
Mais matérias de Ricardo Pagliaro Thomaz.