D.A.D.: volta às suas raízes em novo trabalho

Resenha - A Prayer for the Loud - D.A.D.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Anderson Pulegio
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Eu ainda me lembro quando ouvi pela primeira vez estes dinamarqueses do D.A.D, quando ainda se chamavam Disneyland After Dark e lançaram os dois primeiros álbuns "Call of the Wild" e "Draws a Circle", onde o som desta banda era muito difícil de rotular, pois o som era uma espécie de "cowpunk", quase nada de Hard rock, talvez apenas em uma ou outra faixa, mas era e ainda é difícil de definir o estilo da banda naqueles tempos. Depois veio o álbum "No Fuel Left for the Pilgrims" onde a banda foi para o lado mais Hard rock, mas ainda preservando alguns elementos de outrora, e também assim fizeram no seguinte álbum "Riskin' It All".

Bruce Dickinson: sua coleção de clássicos do MetallicaMotorhead: a opinião de Lemmy sobre Viagra, Hendrix e velhice

A banda lançou vários álbuns desde então, inclusive um mais pesado "Helpyourselfish" e outros onde a banda sempre mostrou uma personalidade própria, não comparável a nenhuma banda por aí.

A banda é gigante na Dinamarca, mas pouca conhecida no Brasil infelizmente, bom, felizmente eu conheço essa banda a um bom tempo e escrevendo este review, espero ver mais pessoas conferindo o som do D.A.D.

Neste novo álbum a banda está soando muito energética, lembrando mais "No Fuel Left for the Pilgrims" e "Riskin' It All", com faixas com sonoridade bem rock n' roll, sleaze, muito bem produzido, como uma espécie de Motorhead , AC/DC, Aerosmith, mas com o toque especial do estilo D.A.D. dos primórdios que já mencionei ser difícil de rotular, as faixas "Burning Star" e "Nothing Ever Changes" mostram bem isso.

Uma sonoridade mais suja, mas ao mesmo tempo acessível pode ser ouvida na "The Real Me". Temos a boa balada "A Drug for the Heart", outros destaques são as "Time is a Train" e "Happy Days in Hell", esta última uma das minhas favoritas.

Estou feliz em ver que a banda voltou a suas raízes neste novo trabalho, eles são músicos realmente talentosos, a banda não tem um som para qualquer um, mas quanto mais você ouve, mais você consegue absorver a música do D.A.D. mais ela cresce em você.

Fonte:
https://ontheroadmetal.blogspot.com/ -




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Dad"


Bruce Dickinson: sua coleção de clássicos do MetallicaBruce Dickinson
Sua coleção de clássicos do Metallica

Motorhead: a opinião de Lemmy sobre Viagra, Hendrix e velhiceMotorhead
A opinião de Lemmy sobre Viagra, Hendrix e velhice

Guns N' Roses: a verdadeira história de Rocket QueenGuns N' Roses
A verdadeira história de "Rocket Queen"

Nightwish: Participação de Dawkins em álbum irritou alguns fãsHall Of Shame: as melhores músicas ruins da história do MetalLove God's Way: grupo religioso lista bandas e artistas "Gay"Steve Harris: orgulho dos filhos por abrirem shows do Iron Maiden

Sobre Anderson Pulegio

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

adGoo336|adClio336