RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemO grande amor de Renato Russo que durou pouco mas marcou sua vida para sempre

imagemThiago Bianchi explica sucessão de problemas durante show de Paul Di'Anno

imagemMustaine tentou fazer hit radiofônico e acabou escrevendo a "música mais idiota" do Megadeth

imagemOs 4 fatores determinantes que levaram Renato Russo a dependência química

imagemO clássico da banda Evanescence que a vocalista Amy Lee odiava

imagemMike Portnoy escolhe os álbuns preferidos de sua adolescência

imagemA música de Raul Seixas que salvou a carreira de Chitãozinho e Xororó

imagemA opinião de Paul McCartney sobre a música dos Sex Pistols

imagemA opinião de Slash sobre Dave Mustaine e "Rust In Peace", clássico do Megadeth

imagemOs 10 maiores vocalistas de heavy metal de todos os tempos, em lista do Ruthless Metal

imagemO dia que João Gordo xingou Ayrton Senna por piloto se recusar a dar entrevista a ele

imagemPara John Lennon, os Beatles poderiam ter acontecido sem George e Ringo

imagemOmelete diz que heavy metal pertence agora à nova geração e não ao tiozão headbanger

imagemO megahit de Ana Carolina que todos acharam que era a voz de Cássia Eller

imagemComo Tommy Lee e o Mötley Crüe ajudaram Axl Rose a escrever "November Rain"


Stamp

Aerosmith: resgatando pérolas no palco do Hard Rock Hotel

Resenha - Rockin' The Joint - Aerosmith

Por Ricardo Seelig
Postado em 09 de julho de 2019

O Aerosmith lançou seis discos ao vivo em seus quase cinquenta anos de carreira – a banda foi formada em Boston em 1970. São eles: "Live! Bootleg" (1978), "Classics Live!" (1986), "Classics Live! II" (1987), "A Little South of Sanity" (1998), "Rockin’ the Joint" (2005) e "Aerosmith Rocks Donington 2014" (2015). O assunto deste review é o disco de 2015, lançado no Brasil no mesmo ano pela Sony/BMG.

Uma banda famosa por sua transformação em cima dos palcos, onde a verdadeira força desse gigante do hard rock norte-americano emerge com todos os seus poderes, o Aerosmith gravou "Rockin’ the Joint" no The Hard Rock Hotel, em Las Vegas, no dia 25 de outubro de 2005. Na época a banda promovia o disco de covers "Honkin’ on Bobo", lançado um ano antes. O legal deste registro ao vivo é que ele foge do tracklist óbvio, deixando de lado clássicos presentes em live albums anteriores, como é o caso de "Sweet Emotion" e "Dream On", e resgatando pequenas pérolas da longa discografia do quinteto. Assim, estão em "Rockin’ the Joint" composições como "No More No More" (do clássico "Toys in the Attic", que chegou às lojas em abril de 1975), a balada "Seasons of Wither" (do segundo álbum da banda, "Get Your Wings", de 1974) e "Draw the Line" (do álbum homônimo, lançado no final de 1977).

Tocando em um palco menor e mais intimista, o Aerosmith deixa de lado a megalomania e a grandiosidade dos shows realizados nas grandes arenas e em seu lugar entrega uma performance mais certeira e focada. O fato de o tracklist privilegiar canções da primeira fase da banda e deixar de lado os mega hits gravados nas décadas de 1980 e 1990 também traz um ar saudosista e revisionista para o show, como se a banda olhasse para a sua própria história buscando inspiração no que a levou até ali – um exercício que arrisco dizer que deu certo, uma vez que o disco seguinte do grupo seria o convincente "Music from Another Dimension!" (2012), que apresentou uma sonoridade mais básica e que é, até agora, o derradeiro registro do grupo.

O clima do show é tão leve que até uma canção como "I Don’t Want to Miss a Thing", que é um dos maiores sucessos da banda mas que está longe de ser uma das melhores baladas já gravadas pelo quinteto, ganhou uma releitura emocionante em cima do palco do Hard Rock Hotel.

Entre os destaques, além do resgate das canções dos primeiros anos, vale mencionar o clima de banda de bar de "Big Ten Inch Record" (também presente em "Toys in the Attic"), a versão para "Rattlesnake Shake", um dos cavalos de batalha da primeira fase do Fleetwood Mac (ouça a versão original em "Then Play On", terceiro disco da banda então liderada pelo vocalista e guitarrista Peter Green, de 1969) e o arregaço recorrente que é "Train Kept a Rollin’", aqui com uma citação à "The Star Spangled Banner", o hino dos Estados Unidos, no fechamento do show.

"Rockin’ the Joint" tem status de álbum menor na trajetória do Aerosmith, e realmente não dá para compará-lo com os dois volumes de "Classics Live!" e nem com o excepcional "A Little South of Sanity", mas a despretensão capturada em suas doze faixas traz à tona todo o espírito rock and roll que sempre marcou a carreira do Aerosmith. Isso já é motivo suficiente para ouvir este disco.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:
Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Exilio Angel


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.
Mais matérias de Ricardo Seelig.