Paladin: a ótima estreia da banda norte-americana

Resenha - Ascension - Paladin

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo Seelig, Fonte: Collectors Room
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

"Ascension", disco de estreia da banda norte-americana Paladin, foi lançado em meados de maio. E se você é fã de heavy metal, é bom dar uma parada e conferir o trabalho do quarteto formado por Taylor Washington (vocal e guitarra), Alex Parra (guitarra), Ian Flürrance (vocal e baixo) e Nathan McKinney (bateria).

Motörhead: Amy Lee no colo de Lemmy KilmisterRock Progressivo: as 25 melhores músicas de todos os tempos

O motivo para isso é simples. A banda pega características do que de melhor o metal produziu nas últimas décadas - elementos da NWOBHM, a melodia do power metal e a rifferama do thrash, além da energia, agressividade e peso inerentes ao próprio gênero -, coloca tudo em um mesmo caldeirão e sai com uma sonoridade cativante, cheia de personalidade e com potencial para conquistar legiões de fãs.

"Ascension" é apenas o primeiro disco dos caras, traz onze músicas espalhadas por cinquenta minutos e é desde já um dos grandes eventos do universo do metal em 2019. A voz de Washington varia entre os tons altos a la Michael Kiske e a dramaticidade de Fabio Lione - aliás, o timbre é semelhante ao do italiano. As guitarras são uma mistura muito bem desenvolvida entre a abordagem do metal melódico e do thrash metal. Os duetos de seis cordas são abundantes, as melodias transbordam, e os momentos mais pesados poderiam muito bem estar em um álbum do Exodus ou do Overkill. A cozinha bebe na exuberância técnica do power metal, com andamentos geralmente velozes e uma interação profunda entre baixo e bateria.

Há de se destacar as vozes guturais, a cargo de Flürrance, que geralmente apenas complementam o vocal principal de Washington, inserindo ainda mais agressividade ao som do Paladin. Mas, quanto assumem a linha de frente em "Bury the Light", por exemplo, bebem fundo nos melhores momentos de nomes como Children of Bodom e o In Flames dos primeiros anos. Aliás, essa música em particular possui longas passagens instrumentais que irão levar ao delírio quem curte o lado mais clássico da New Wave of British Heavy Metal.

Do outro lado da moeda, a banda possui também uma faceta mais alinhada com os anos dourados do thrash metal da Bay Area, como "Shoot for the Sun" não se furta em mostrar. Sem exagero, trata-se uma música que poderia figurar tranquilamente em um álbum do Megadeth ou do Death Angel e não faria feio. Em certos momentos, não é estranho imaginar que o Paladin soa como se o Dream Theater, ao invés de ter sido formado em Long Island, tivesse surgido nas praias de San Francisco durante o boom do thrash.

Destaques são fartos: a empática "Divine Providence", a proximidade com o death melódico sueco em "Carpe Diem", o power thrash melódico de "Fall from Grace", a ótima "Bury the Light" (a minha preferida), o megadethiana "Shoot for the Sun", a pegada Helloween de "Vagrant" e o impressionante encerramento com "Genesis", com mudanças de climas e lindas melodias de guitarra, única música do disco a ultrapassar a barreira dos seis minutos.

Ao final da audição de "Ascension", fica a agradável sensação de ter ouvido um disco que ficará para a história. Se você é fã de metal, não deixe passar!




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Paladin"


Motörhead: Amy Lee no colo de Lemmy KilmisterMotörhead
Amy Lee no colo de Lemmy Kilmister

Rock Progressivo: as 25 melhores músicas de todos os temposRock Progressivo
As 25 melhores músicas de todos os tempos

Dossiê Guns N' Roses: A versão de Slash para os fatosDossiê Guns N' Roses
A versão de Slash para os fatos

Classic Rock: os 50 maiores álbuns de rock progressivoClassic Rock
Os 50 maiores álbuns de rock progressivo

Iron Maiden: se as bandas de metal mandassem no mundo...Iron Maiden
"se as bandas de metal mandassem no mundo..."

Centúrias: como surgiu a placa No Posers?Centúrias
Como surgiu a placa "No Posers"?

Heavy Metal: a história do estilo em uma única músicaHeavy Metal
A história do estilo em uma única música


Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336