Myrath: unindo o metal à música árabe de maneira precisa

Resenha - Shehili - Myrath

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo Seelig
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

O Myrath é uma já veterana banda vinda da Tunísia, e que desde 2001 explora a união do metal com elementos de música árabe. O grupo lançou o seu sexto disco, "Shehili", este ano, dando sequência à evolução de seu metal com fortes temperos étnicos e que conquistou uma quantidade significativa de fãs com o álbum "Legacy", que saiu em 2016.

Metallica: James Hetfield imitando Dave Mustaine na TVSuzi Quatro: a importância da linda baixista para o rock

Ao todo temos doze músicas em pouco menos de 50 minutos, um trabalho conciso que traz uma sonoridade original e que sempre coloca a música oriental com protagonismo, se não equivalente, quase em pé de igualdade com o heavy metal. Penso que essa união é o que faz com que banda vindas de países com forte tradição musical, como é o caso da Tunísia e também do Brasil, acabem se destacando no cenário internacional. É uma ferramenta poderosa como bem mostraram o Sepultura (em "Chaos A.D." e "Roots") e o Angra (em "Holy Land"), e que o Myrath sabe explorar de maneira cirúrgica.

Muito bem produzido, o disco não se prende apenas à parte sonora, pois as letras também exploram temas importantes para a realidade da banda e que precisam chegar a outras regiões do mundo. "O propósito da nossa música é induzir felicidade e alegria, para homenagear aqueles que se recusam a cair ou a perder a esperança, mesmo em um mundo cheio de ódio e incerteza. 'Dance' conta a história de uma dançarina síria que enfrentou ameaças de morte por parte do Estado Islâmico, mas preferiu continuar dançando, mesmo que isso significasse dançar através de ruínas e tumbas", conta o vocalista Zaher Zorgati. E está em "Dance" o exemplo mais bem formatado da sonoridade do Myrath: as melodias orientais unem-se de maneira univitelina ao peso do metal, dando à luz uma canção com cara de hit e futuro clássico, sensação que também permeia a música que batiza o disco.

"Wicked Dice" traz riffs atuais andando lado a lado com melodias milenares, mesmo caminho seguido por "Monster in My Closet". A banda não é pródiga em agressividade, mas compensa isso com uma musicalidade complexa e de bom gosto. No entanto, uma variedade um pouco maior não na proposta, mas sim na forma como ela é executada - os elementos árabes parecem vir sempre da mesma matriz e não apresentam caminhos muito diversificados -, tornaria o som do Myrath mais forte. O grupo tenta variar e traz composições onde o inglês divide espaço com a língua natal da banda, como é possível verificar em "Mersal" e "Lili Twil", mas a diferença acontece mesmo em "Darkness Arise", em que um arranjo acústico vindo das areias do Saara introduz uma dose extra de agressividade muito bem-vinda.

O disco foi lançado no Brasil pela Shinigami Records e é uma ótima dica pra quem quer ir mais fundo não apenas nas infinitas possibilidades e sonoridades que o heavy metal proporciona, mas também em uma cultura distinta da nossa e igualmente apaixonante.


Outras resenhas de Shehili - Myrath

Myrath: grupo se supera mais uma vez com disco abrasivo




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Myrath"


Metallica: James Hetfield imitando Dave Mustaine na TVMetallica
James Hetfield imitando Dave Mustaine na TV

Suzi Quatro: a importância da linda baixista para o rockSuzi Quatro
A importância da linda baixista para o rock

Avenged Sevenfold: 10 músicas que podem fazer você mudar de idéiaAvenged Sevenfold
10 músicas que podem fazer você mudar de idéia

Motörhead: Amy Lee no colo de Lemmy KilmisterMotörhead
Amy Lee no colo de Lemmy Kilmister

Rock Progressivo: as 25 melhores músicas de todos os temposRock Progressivo
As 25 melhores músicas de todos os tempos

Metallica: James Hetfield comenta todas as letras do HardwiredMetallica
James Hetfield comenta todas as letras do "Hardwired"

Guns N' Roses: Scott Weiland torcia pela reunião, diz SlashGuns N' Roses
Scott Weiland torcia pela reunião, diz Slash


Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336