Matérias Mais Lidas

AC/DC: a resposta inusitada de Supla quando perguntam se ele gosta da bandaAC/DC
A resposta inusitada de Supla quando perguntam se ele gosta da banda

Nervosa: é difícil ser músico de rock/metal no Brasil, um país muito católicoNervosa
"é difícil ser músico de rock/metal no Brasil, um país muito católico"

Guns N' Roses: por que Bumblefoot errou Welcome to the Jungle no Rock in Rio 2011Guns N' Roses
Por que Bumblefoot errou "Welcome to the Jungle" no Rock in Rio 2011

Ozzy Osbourne: O Rio de Janeiro é uma porra duma merda!Ozzy Osbourne
"O Rio de Janeiro é uma porra duma merda!"

Gilby Clarke: Axl Rose foi quem te demitiu, certo?Gilby Clarke
"Axl Rose foi quem te demitiu, certo?"

Paul Stanley: A dor e o drama de ser corno de um Caça-FantasmasPaul Stanley
A dor e o drama de ser corno de um Caça-Fantasmas

Rock In Rio: Freddie Mercury desdenhou dos artistas brasileiros em 1985Rock In Rio
Freddie Mercury desdenhou dos artistas brasileiros em 1985

Angra: banda anuncia turnê para comemorar os 20 anos do clássico RebirthAngra
Banda anuncia turnê para comemorar os 20 anos do clássico "Rebirth"

Max Cavalera: O único presidente bom do Brasil foi mortoMax Cavalera
"O único presidente bom do Brasil foi morto"

Nervosa: ouça o novo álbum Perpetual Chaos, primeiro com nova formaçãoNervosa
Ouça o novo álbum "Perpetual Chaos", primeiro com nova formação

Épicas: 10 músicas com mais de 10 minutos de duração (e nenhuma é do Dream Theater)Épicas
10 músicas com mais de 10 minutos de duração (e nenhuma é do Dream Theater)

Metallica: Bob Rock vendeu direitos de várias músicas, incluindo faixas do Black AlbumMetallica
Bob Rock vendeu direitos de várias músicas, incluindo faixas do "Black Album"

Kiss: Paul Stanley fala dos desafios para superar problema congênito na orelhaKiss
Paul Stanley fala dos desafios para superar problema congênito na orelha

Jon Bon Jovi: veja-o cantar Here Comes the Sun, hit dos Beatles, na posse de BidenJon Bon Jovi
Veja-o cantar "Here Comes the Sun", hit dos Beatles, na posse de Biden

Eddie Van Halen: ele fez vários fãs queimarem amplificadores ao mentir sobre truqueEddie Van Halen
Ele fez vários fãs queimarem amplificadores ao mentir sobre truque


Matérias Recomendadas

Os Headbangers não praticantes
Os Headbangers não praticantes

Guns N' Roses: cantora de apoio revela como era fazer turnê com a banda nos anos 90Guns N' Roses
Cantora de apoio revela como era fazer turnê com a banda nos anos 90

As histórias por trás de 11 capas clássicas
As histórias por trás de 11 capas clássicas

Dave Mustaine: Maroon 5 o deixou boquiabertoDave Mustaine
Maroon 5 o deixou boquiaberto

Sepultura: Andreas Kisser comenta os primórdios da bandaSepultura
Andreas Kisser comenta os primórdios da banda

Tunecore
Malvada

Poets of the Fall: performances como de costume impecáveis

Resenha - Ultraviolet - Poets of the Fall

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo Pagliaro Thomaz
Enviar Correções  

8

Após exatos dois anos, o Poets of the Fall voltou agora dia 5, e como sempre para mim é um grande prazer ouvi-los de novo. Muito embora eu não ache esta a fase mais excitante da banda, não existe disco deles que seja ruim, eles parecem ser incapazes de fazer isso. E pra ninguém me entender mal, já aviso que após diversas audições do álbum pelo Spotify, eu já encomendei a minha cópia em CD pela loja estrangeira recordshopx.com.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Segundo os próprios caras da banda, este disco dá continuidade à proposta iniciada no álbum anterior, Clearview, que marca o início de uma nova fase na carreira deles.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Mas dando sequência ao que eu dizia antes, a melhor fase do POTF para mim até o momento, é a fase que foi de 2010 a 2014, envolvendo os álbuns Twilight Theater, Temple of Thought e Jealous Gods, três álbuns sensacionais da carreira deles na minha opinião, com muito mais ênfase nas guitarras, nos solos e no peso, com ótimas letras e dramaticidade. Dando uma guinada em relação a tudo isso, temos esta nova fase, com a mesma ênfase nas belas letras, mas com muito mais foco nas harmonizações, sem solos de guitarras (no máximo um ou outro riff bem executado) e com uma puxada mais Pop do que Rock, e que se estenderá, segundo a banda, até o próximo disco, e depois vamos ver que rumo tomarão.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O que eu falei no disco anterior, o Clearview, eu repito na resenha deste aqui: é um disco que você ouve, mas sente que faltou alguma coisa. As guitarras de Olli e Jaska ainda continuam servindo só de base, enquanto a ênfase maior está nos teclados de Captain. No disco Jealous Gods era o contrário, a guitarra era a privilegiada, com os dois instrumentistas esbanjando técnica e solos eletrizantes, eu costumo dizer sempre que o Jealous Gods é um disco de guitarra, muito por conta dessa ênfase que eles deram ao disco. Foi uma fase mais roqueira da banda. Esta nova, a partir do Clearview, é uma fase mais "A-ha" do grupo. Os teclados são mais privilegiados, há muita canção acústica, as guitarras são apenas o suporte, não tendo destaque, e o som é menos roqueiro e um pouco mais pop. Eu gosto, acho bacana, até por ter essa variedade sonora, mas vez ou outra, eu sinto falta de um peso a mais no som, um solo de guitarra, e coisas do tipo.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Não se engane, caro leitor: ainda é o mesmo Poets de lá de trás, e existem muitos momentos deste disco aqui que ilustram isso, mesmo nas novidades que escrevem, ainda percebemos que eles continuam sendo eles mesmos; portanto, não se preocupe, tem muita coisa aqui para você e eu, fãs de longa data, mas eu gostaria que tivesse aparecido mais coisas. Entretanto, entendo perfeitamente essa guinada deles em busca de agradar pessoas que prefiram esse som mais diverso.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A primeira música que ficamos conhecendo do novo disco, ainda em Fevereiro, no início deste ano, foi "False Kings", que acabou como terceira no tracklist final. Na época, eu cheguei a pensar que se tratava de um single solto do grupo. É uma belíssima faixa, bem sofisticada, com uma cadência sedutora meio jazzística até, e falando sobre dualidade, e que se assemelha muitíssimo a um tema de filme do James Bond. Eu acredito que eles até deveriam considerar a ideia de ceder os direitos da música para um eventual próximo 25º filme do espião inglês, seria muito bacana. Só uma ideia!

Agora em Setembro, viemos a conhecer o segundo single do disco, a faixa que abre o novo álbum, "Dancing on Broken Glass", uma faixa up tempo, bem alegrinha, com uma historinha de amor dramática de superação e com um videoclipe que meio que remete àquele livro The Fault in Our Stars. É uma música dançante e animada, nada fora do padrão ou que impressione, mas divertida. Achei muito fera mesmo a ótima segunda faixa, "My Dark Disquiet", é uma faixa um pouco mais pop, com relances dramáticos, ênfase no som de sintetizador, bem naquele estilão synth-pop do A-ha por exemplo, mas bem mais dramático, lembrando trilha de Silent Hill.

O que eu mais gostei nestes dois primeiros exemplos, foi o contraste luz / trevas. A primeira faixa é sobre sair das trevas e buscar a luz, enquanto que a segunda é sobre abraçar as trevas que nos envolvem e procurar tirar proveito de alguma luz que encontramos no meio do caminho; ambas se complementam.

"Fool's Paradise" retorna naquela pegada clássica do Poets of the Fall, é uma faixa na média, decente, bacana de ouvir, cuja letra fala sobre aparências. Seguindo em frente, apenas nas cordas, temos "Standstill", uma pequena baladinha semi-acústica que poderia muito bem ser confundida com algo saído dos dois primeiros álbuns do grupo, o Signs of Life e o Carnival of Rust; bonita, agradável e com uma mensagem positiva sobre não desistir de seus objetivos.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Depois vem uma pequena surpresa. Não algo que cause comoção, nem nada do tipo, mas é legal, porque difere do que a banda faz comumente. Muito embora se trate de mais uma balada, essa daqui, chamada "The Sweet Escape", é para entrar para aquelas clássicas do grupo; ela começa com uma drumbox, aquela batida eletrônica, bem estilo Phil Collins e Tears for Fears, melodia leve e com tom dramático; já vimos muito disso antes, mas só o Poets consegue poetizar na letra de forma tão inspirada como eles fazem. Uma belíssima e inspirada balada para se ouvir a dois.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Das quatro faixas finais, gostei bastante dos climas e a atmosfera dramática de "Moments Before the Storm", da bonita melodia acústica e dramática de "In a Perfect World", e do arranjo sensacional e quase gospel da bonita "Choir of Cicadas", que arranjo mais caprichado nesta faixa de fechamento! Sério, me bateu uma emoçãozinha ouvindo o som de órgão com os violões, quase como se estivessem em tom solene de oração. E muito embora eu não seja um grande fã de batidas eletrônicas, a agitada e dançante "Angel" se fez uma ótima obra, com um arranjo melódico muito bom.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

As performances no disco estão, como de costume, impecáveis, cada um dos integrantes dando o seu máximo, a voz de Marko em dia, potente e marcante como sempre. Eu recomendo muito, com certeza, em todo disco da banda a gente encontra momentos que marcam, mesmo que em um nível menor, e o fã que porventura seja novo, pode ficar tranquilo em começar por este novo disco aqui, porém reforço novamente que ainda acho a melhor fase do grupo finlandês até o momento, a de 2010 a 2014. Como fã de longa data - desde o começo da banda, para ser mais exato - me sinto livre para expor minha opinião crítica ou elogiosa ao trabalho dos caras, mas até o presente momento, meu discurso sempre termina com a mesma frase: vá atrás deste novo disco deles! Como sempre, um ótimo trabalho.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Ultraviolet (2018)
(Poets of the Fall)

Tracklist:
01. Dancing on Broken Glass
02. My Dark Disquiet
03. False Kings
04. Fool's Paradise
05. Standstill
06. The Sweet Escape
07. Moments Before the Storm
08. In a Perfect World
09. Angel
10. Choir of Cicadas

Selo finlandês: Insomniac

Poets of the Fall é:
Marko Saaresto: voz
Olli Tukiainen: guitarra, violão
Markus "Captain" Kaarlonen: teclados e efeitos

Músicos de apoio:
Jaska Mäkinen: guitarra
Jani Snellman: baixo
Jari Salminen: bateria

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Discografia anterior:
- Clearview (2016)
- Jealous Gods (2014)
- Temple of Thought (2012)
- Twilight Theater (2010)
- Revolution Roulette (2008)
- Carnival of Rust (2006)
- Signs of Life (2005)

Site oficial:
http://www.poetsofthefall.com

Para mais informações sobre música, filmes, HQs, livros, games e um monte de tralhas, acesse também meu blog.

http://acienciadaopiniao.blogspot.com.br

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal


Dead Daisies
Stamp
Receba novidades de Rock e Heavy Metal por Whats App
Anunciar no Whiplash.Net


Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


TOP 7: Bandas (NAO TAO) conhecidas da FinlândiaTOP 7
Bandas (NAO TAO) conhecidas da Finlândia


Em vídeo: A diferença entre ser músico e ser rockstarEm vídeo
A diferença entre ser músico e ser rockstar

Slash: Alucinações, sexo, dinheiro e armas de fogo no auge do vícioSlash
Alucinações, sexo, dinheiro e armas de fogo no auge do vício


Sobre Ricardo Pagliaro Thomaz

Roqueiro e apreciador da boa música desde os 9 anos de idade, quando mamãe me dizia para "parar de miar que nem gato" quando tentava cantarolar "Sweet Child O'Mine" ou "Paradise City". Primeiro disco de rock que ganhei: RPM - Rádio Pirata ao Vivo, e por mais que isso possa soar galhofa hoje em dia, escolhi o disco justamente por causa da caveira da capa e sim, hoje me envergonho disso! Sou também grande apreciador do hardão dos anos 70 e de rock progressivo, com algumas incursões na música pop de qualidade. Também aprecio o bom metal, embora minhas raízes roqueiras sejam mais calcadas no blues. Considero Freddie Mercury o cantor supremo que habita o cosmos do universo e não acredito que há a mínima possibilidade de alguém superá-lo um dia, pelo menos até o dia em que o Planeta Terra derreter e virar uma massa cinzenta sem vida.

Mais matérias de Ricardo Pagliaro Thomaz no Whiplash.Net.