RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemA música de Raul Seixas que salvou a carreira de Chitãozinho e Xororó

imagemA opinião de Slash sobre Dave Mustaine e "Rust In Peace", clássico do Megadeth

imagemComo Tommy Lee e o Mötley Crüe ajudaram Axl Rose a escrever "November Rain"

imagemOs 10 maiores vocalistas de heavy metal de todos os tempos, em lista do Ruthless Metal

imagemOs 4 fatores determinantes que levaram Renato Russo a dependência química

imagemEx-guitarrista do Megadeth não liga para Mustaine e diz que está "fazendo dinheiro para ele"

imagemPara John Lennon, os Beatles poderiam ter acontecido sem George e Ringo

imagemMike Portnoy comprou "Piece Of Mind", do Maiden, em excursão escolar

imagemRolê aleatório: Geoff Tate e Rhapsody se divertem em aeroporto no aeroporto

imagemA medida extrema que Dio pensou em tomar por não curtir "Rainbow in the Dark"

imagemOs 10 maiores álbuns da história do grunge, em lista do Brave Words

imagemPor que Lemmy odiava tocar "Ace of Spades" nos shows do Motörhead

imagemQual era a opinião de Tony Iommi sobre Ozzy Osbourne solo e Randy Rhoads em 1984?

imagemPaul McCartney quase foi atropelado ao tentar recriar famosa cena de capa de disco

imagemO Raul Seixas não era nada daquilo que ele falava, diz ex-parceiro musical


Myles Kennedy: um excelente debut autobiográfico

Resenha - Year Of The Tiger - Myles Kennedy

Por Mário Pescada
Postado em 09 de julho de 2018

Nota: 9

MYLES KENNEDY não é nenhum novato no ramo musical. Com quase 50 anos de idade, ele já teve experiências por diversos conjuntos e hoje consegue conciliar muito bem seus trabalhos ora como vocalista do SLASH (disco novo deve sair no terceiro trimestre desse ano), ora como frontman do ALTER BRIDGE (onde vem colhendo bons frutos a cada lançamento).

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Year Of The Tiger" (2018) é o seu primeiro disco solo. O nome escolhido foi em alusão ao calendário chinês, que em 1974 estava no período do Ano do Tigre - ano esse em que o pai do músico faleceu quando ele tinha apenas 4 anos de idade.

Myles cresceu em um ambiente rural e sua família era adepta da Ciência Cristã (uma corrente que defende que a cura de enfermidades deve vir de orações e da vontade de Deus, evitando assim procedimentos médicos) acabou perdendo seu pai justamente por conta de tal crença: ele teve apendicite e como não procurou ajuda médica para se tratar, acabou enfrentado dias de muitas dores até vir a falecer. Tal fato marcaria Myles profundamente, causando inclusive um abalo na sua fé em Deus. Em entrevista para a Kerrang!, ele teria dito estar no meio do caminho entre ser ateu e cristão.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

(O disco) "foi como a melhor sessão de terapia que eu poderia ter", disse ele em certa entrevista. E deve ter sido mesmo, pois todas as letras são muito pessoais, abordando temas como perdas, abandono, rompimentos, mas ao mesmo tempo mostram que, apesar das dificuldades, ele encontrou na perseverança e no amor, a esperança de dias melhores.

Além da bela e potente voz de Myles, o uso de violão, cordas, violino, violoncelo e viola distribuídos pelo disco ajudaram a criar um clima bem agradável e bem intimista.

Não é à toa que o disco foi merecidamente muito elogiado por diversos veículos especializados desde o seu lançamento em março desse ano. Há muitos pontos altos, como a faixa título "Year Of The Tiger"; a intensa "The Great Beyond"; "Devil On The Wall" e sua pegada bluseira; as belas e positivistas "Turning Stones, "Love Can Only Heal" e "Songbird"; "Mother"e faixas como "Nothing But A Name" e "One Fine Day" em que o talento e potência vocal de Myles ficam bem evidentes.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Year Of The Tiger" é um exemplo prático do provérbio "quem canta, seus males espanta" e para quem ouve, um lembrete de que, mesmo em tempos difíceis, é preciso seguir em frente. Sempre.

Confira a faixa título "Year Of The Tiger"

Formação
Myles Kennedy - vocais, guitarra, banjo, guitarra lap steel, baixo, bandolim
Zia Uddin - bateria, percussão
Tim Tournier - baixo
Michael "Elvis" Baskette - teclados

Faixas
01 Year Of The Tiger
02 The Great Beyond
03 Blind Faith
04 Devil On The Wall
05 Ghost Of Shangri La
06 Turning Stones
07 Haunted By Design
08 Mother
09 Nothing But A Name
10 Love Can Only Heal
11 Songbird
12 One Fine Day

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:
Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Stamp

Lemmy: o conselho sincerão que ele deu a Myles Kennedy sobre trabalhar demais


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Mário Pescada

Mineiro, leitor compulsivo, ouvinte de todas as vertentes do rock - do blues ao grindcore. Valoriza mais a honestidade e entrega em cima do palco do que a técnica. Guarda os flyers dos shows que vai como se fossem relíquias.
Mais matérias de Mário Pescada.