Converge: A vanguarda hardcore

Resenha - Dusk in Us - Converge

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Marcelo Hissa
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Saindo de um hiato de 5 anos sem material inédito, o Converge conseguiu fazer de 2017 um ótimo ano para o hardcore com o lançamento de "The Dusk In Us". Frequentando várias listas de melhores do ano a banda vem cada vez mais estabelecendo um Hardcore progressivo com assinatura própria.

Chris Cornell: relatório policial descreve últimas horas e morteLars Ulrich: jucando no camarim do Guns N' Roses

The Dusk in Us retoma exatamente no passo seguinte do álbum All We Love We Leave Behind. A Single Tear abre com a velocidade típica do hardcore mas sem a desordenação caótica musical e o seus riffs desconexos. Continua sim barulhento, mas há toda uma melodia que refrea nos momentos mais dramáticos e acelera no momentos de furor. Os vocais de Jacob Bannon são cheios de feelings e os coros gritados são carregados de uma autêntica impetuosidade. Em alguns momentos o som segue a linha mais tradicional do hardcore explosivo irado como as Eye of the Quarrel, I Can Tell You About Pain e Cannibals. O lado progressivo mostra o seu lado Math-metal intricado em Arkhipov Calm e Wildlife. Merecem destaque ainda Trigger com seu baixo que cria o sentido de cinesia músical, a Broken by Light com um pé em cima do Thrash metal e a Repitilian carregada de groove doom peçonhento. Mas o potencial sonoro máximo do álbum é na faixa auto-intitulada The Dusk in Us. Apostando na inovação a composição é uma ilha de calmaria receosa dentro de um oceano raivoso. Emoldurada em um clima assombroso evolui de forma cadênciada até os berros frenéticos e padecentes "Dusk live within us, Darkness won't give up".

Ao criar um som cheio de textura o Converge consegue inovar dentro do hardcore preservando a essência musical do estilo. Frequentar listas de melhores do ano é fácil, difícil mesmo é ser uma das cabeças do movimento vanguardista que o hardcore adotou nessa década.

TrackList
1. A Single Tear 3:59
2. Eye of the Quarrel 2:14
3. Under Duress 3:42
4. Arkhipov Calm 2:53
5. I Can Tell You About Pain 2:23
6. The Dusk in Us 7:23
7. Wildlife 2:29
8. Murk & Marrow 3:01
9. Trigger 3:33
10. Broken by Light 1:46
11. Cannibals 1:15
12. Thousands of Miles Between Us 4:42
13. Reptilian 4:33




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Converge"


Metal Sucks: os melhores álbuns de metal do século 21Metal Sucks
Os melhores álbuns de metal do século 21

Metalcore: os dez trabalhos essenciais do estiloMetalcore
Os dez trabalhos essenciais do estilo


Chris Cornell: relatório policial descreve últimas horas e morteChris Cornell
Relatório policial descreve últimas horas e morte

Lars Ulrich: jucando no camarim do Guns N' RosesLars Ulrich
Jucando no camarim do Guns N' Roses

Porn Metal: Filmes para inspirar os headbangers solitáriosPorn Metal
Filmes para inspirar os headbangers solitários

Max Cavalera: A opinião de Lemmy, Kiko Loureiro, Vinnie Paul e outrosMax Cavalera
A opinião de Lemmy, Kiko Loureiro, Vinnie Paul e outros

Sons Of Anarchy: a obra-prima televisiva e sua fantástica trilha!Sons Of Anarchy
A obra-prima televisiva e sua fantástica trilha!

Rush: será que Mike Portnoy aceitaria colaborar com a banda?Rush
Será que Mike Portnoy aceitaria colaborar com a banda?

Uriah Heep: banda acusa o Iron Maiden de plágioUriah Heep
Banda acusa o Iron Maiden de plágio


Sobre Marcelo Hissa

Médico em horário comercial, fanático e colecionador de música em tempo integral. Tipo de música preferida: a boa, se tiver peso melhor ainda.

Mais matérias de Marcelo Hissa no Whiplash.Net.

adClioIL