Matérias Mais Lidas

imagemEngenheiros do Hawaii e as tretas com Titãs, Lulu Santos, Lobão e outros

imagemEdu Falaschi descobriu que seu primo famoso tem mais seguidores que ele no Instagram

imagemIggor Cavalera diz que reunião da formação clássica do Sepultura seria incrível, mas...

imagemGregório Duvivier: "Perto de Chico Buarque, Bob Dylan é uma espécie de Renato Russo!"

imagemQuando Jimi Hendrix chamou Eric Clapton para subir no palco e afinar sua guitarra

imagemJoão Gordo diz que não torce pela seleção brasileira de futebol

imagemTravis Barker, do Blink-182, é hospitalizado às pressas e filha pede orações

imagemNovo clipe do Megadeth foi filmado no litoral de São Paulo, veja fotos

imagemCinco nomes do heavy metal que já gravaram músicas do ABBA

imagemO clássico dos Paralamas que Gilberto Gil escreveu a letra e ditou pelo telefone

imagemAvenged Sevenfold e o álbum do Guns N' Roses que deveria ser mais valorizado

imagemMike Portnoy e a música do Rush que virou um grande sucesso do Guns N' Roses

imagemKerry King explica por que não assumiu o posto de guitarrista do Megadeth

imagemCuecão de couro: Rob Halford posa com suas "great balls of fire" em camarim

imagemVeja diz que David Coverdale só passa vergonha nas redes sociais


Melanie Klain: Apenas dizendo a verdade!

Resenha - Análise do Caos - Melanie Klain

Por Vitor Sobreira
Em 24/07/17

O famoso e luxuriante selo "Parental Advisory – Explicit Content", não é ostentado de graça, na detalhada capa feita pela arista Carol M. Navarro, pois as letras pagam muito bem esse preço, explicitando literalmente a podridão do nosso Brasil, no primeiro registro oficial da banda Melanie Klain, de 2016.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Formada em Mococa/SP, a proposta musical do Melanie Klain é muito vasta, pois os músicos não se prenderam unicamente em algum estilo. Para compor suas dez faixas (no total 12, já que a primeira, e a última são basicamente narrações). é muito fácil perceber referências de Thrash, Heavy, Groove, Prog e New – por causa do estilo narrado que o vocalista Duzinho, optou na maioria dos momentos. O conceito lírico, por sua vez, chega a ser atemporal, em se tratando de Brasil, pois sempre existiu e sempre existirá corrupções e tudo o que for de desonesto e vergonhoso.

A audição pode ser extensa, esbarrando nos 59 minutos, mas de maneira alguma, é maçante, até por que, variação é o que não falta em todas as composições. Além disso, os integrantes se saíram muito bem em seus instrumentos, e o ciclo se fechou com os processos de estúdio, que deixaram o som bem profissional – fruto do trabalho de produção da banda, juntamente com Fábio Dias, e as gravações no SeteStudio, em Guaxupé (MG). Como sempre ressalto, esses três fatores determinam e muito, a qualidade de um material.

Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva

"Desrespeitável Público", serviu muito bem como introdução, simulando aquelas apresentações circenses, onde já se começa a ouvir boas e revoltantes verdades, que muitos cidadão brasileiros sabem, mas que infelizmente, pouco podem fazer. "Abençoados por Deus", inicia de fato os trabalhos, a todo o vapor, e com aquilo que eu disse ali em cima: variedade! Passando pelas ótimas "Fé Cega", "Marcas do Abandono" e "Lavagem Cerebral", chegamos ao ‘gran finale’ com a agressiva faixa título "Análise do Caos" e com "Reflexão" – nos moldes da primeira faixa, mas como uma mensagem mesmo, ao ouvinte, com a marcante frase final: "… Eu não odeio o meu país, eu odeio o que fizeram com ele."

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Ficou curioso? Então ouça, e curta ao máximo este trabalho, pois o lance aqui, é bom e verdadeiro!

Formação:
Duzinho (vocal);
Violla (guitarra);
Chapolim (guitarra e vocal);
Vic Escudero (baixo);
Pedro Bertti (bateria).


Outras resenhas de Análise do Caos - Melanie Klain

Resenha - Análise Do Caos - Melanie Klain

Resenha - Análise do Caos - Melanie Klain

Resenha - Análise do Caos - Melanie Klain

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


Sobre Vitor Sobreira

Moro no interior de Minas Gerais e curto de tudo um pouco dentro do maravilhoso mundo da música pesada, além de não dispensar também uma boa leitura, filmes e algumas séries. Mesmo não sendo um profissional da escrita, tenho como objetivos produzir textos simples e honestos, principalmente na forma de resenhas, apresentando e relembrando aos ouvintes, bandas e discos de várias ramificações do Metal/Heavy Rock, muitos dos quais, esquecidos e obscuros.

Mais matérias de Vitor Sobreira.