Blondie: setentona no topo da forma

Resenha - Polinator - Blondie

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Roberto Rillo Bíscaro
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Há que celebrar a resiliência e longevidade de Debbie Harry e sua trupe. Quando a maioria das herdeiras diretas de Blondie está sepultada no alzaimer da memória coletiva cultural de massa, o grupo ainda tem forças para pegar a estrada e lançar álbuns. Depois da escorregadela do LP duplo de 2014 (link para a resenha ao final desta), os norte-americanos voltaram com Polinator, 11º trabalho de estúdio, lançado dia 5 de maio.

Blondie: Debbie Harry anuncia livro de memóriasSeparados no nascimento: Sebastian Bach e Fernanda Lima

Louvável a sede de renovação de Ghosts Of Download, mas o álbum falhou em produzir faixa memorável. Polinator equilibra tradição sônica com pitadas de contemporaneidade na produção e canções escritas por queridinhos de agora, tipo Sia, cuja Best Day Ever não se encaixa na categoria memorável, mas interessa para constatar retroativamente como intérpretes como Siouxsie Sioux (por onde anda mesmo?) foram influenciadas por Debbie. No quesito lembráveis para sempre, ouça a guitarra funkeada de Fun e veja se não dá vontade de sair desfilando pela Quinta Avenida; pura ferveção Blondie. O queridinho de outrora Johnny Marr prova que ainda consegue estruturar melodias soberbas e refrães circulares e grudentos, cheque My Monster, um dos ápices do play.

A Nova York do Blondie é o berço da disco music, hip hop e do punk e o poder maior do grupo foi mastigar esses e outros elementos e cuspi-los como algo novo, sem blablablá chato-pedante-chiclete-bananeiro para tentar dar originalidade a um traço essencial ao bom pop. Blondie ia lá e fazia, f***-se.

Polinator obviamente não tem o poder de criar outra revolução estilística, mas o pop canibal urgente que caracterizou o auge do grupo está presente, inclusive se autorreferenciando como em Long Time, que lembrará os mais antigos do clássico disco Heart Of Glass. Já a abertura é rockão com Joan Jett e tudo. Em Gravity a voz pesadamente processada de Harry recebe petardos roqueiros da percussão e chuva de granizo fininho de electronica.

Nessa altura do campeonato é isso que se espera de Blondie: manter a tradição com laivos de (pós-)modernismos. Aos 71 anos, sejamos realistas, nem garantia há de próximo álbum, mas se Polinator for o derradeiro, é boa coda.

Blondie: Tesão Setentista Quase Setentona

Tracklist
01. Doom or Destiny
02. Long Time
03. Already Naked
04. Fun
05. My Monster
06. Best Day Ever
07. Gravity
08. When I Gave Up On You
09. Love Level
10. Too Much
11. Fragments




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Blondie"


Blondie: Debbie Harry anuncia livro de memórias

Nirvana, Guns N' Roses, Clash: Marvel homenageará capas clássicasNirvana, Guns N' Roses, Clash
Marvel homenageará capas clássicas


Separados no nascimento: Sebastian Bach e Fernanda LimaSeparados no nascimento
Sebastian Bach e Fernanda Lima

Classic Rock: os 50 maiores álbuns de rock progressivoClassic Rock
Os 50 maiores álbuns de rock progressivo

Dave Mustaine: Maroon 5 o deixou boquiabertoDave Mustaine
Maroon 5 o deixou boquiaberto

Fotos de Infância: Slash, do Guns N' RosesFotos de Infância
Slash, do Guns N' Roses

Câncer na língua: entenda a doença de Bruce DickinsonCâncer na língua
Entenda a doença de Bruce Dickinson

Dossiê Guns N' Roses: A versão de Slash para os fatosDossiê Guns N' Roses
A versão de Slash para os fatos

Cretin: transexual rompe barreiras no metal extremoCretin
Transexual rompe barreiras no metal extremo


Sobre Roberto Rillo Bíscaro

Roberto Rillo Bíscaro é professor universitário e edita o Blog do Albino Incoerente desde 2009.

Mais matérias de Roberto Rillo Bíscaro no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336