Concept Of Hate: Groove Metal com muita competência e loucura

Resenha - Black Stripe Poison - Concept Of Hate

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Bruno Rocha
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Executando o clássico Groove Metal doutrinado pelo PANTERA, a banda CONCEPT OF HATE, da cidade de Santo André, mostra em seu primeiro EP, 'Black Stripe Poison', que tem muito ódio e protesto para espalhar aos quatro ventos. A banda do ABC paulista oferece neste trabalho boas doses de peso e atitude, vocais rasgados e ritmos feitos para quebrar pescoços, seguindo a risca o que a cartilha do gênero noventista manda.

Saúde: bater cabeça pode causar danos ao cérebroMusas do Metal: as bandas que elas ouvem quando estão em casa

A banda fundada em 2009 ostenta neste EP quatro músicas, gravadas no Estúdio Chile e lançadas em 2015 de forma independente. O play abre com a faixa-título, que tem ligação com a capa, mostrando o consumo de medicamentos 'tarja preta' e sua relação com a saúde do sistema nervoso. Falando em nervosismo, é esta a sensação que a banda transmite em 'Black Stripe Poison': um som nervoso, agressivo, pesado e com autoridade, como se espera de uma banda que se diz influenciada por PANTERA e SEPULTURA, referências do Groove Metal.

'In Human Nature' começa mostrando as habilidades do baterista nipônico Takashi Maruyama, seguido de riffs dissonantes e macabros, regalados por Daniel Pereira. Neste Thrash, a cozinha de fato se mostra o destaque do EP: Maruyama é de fato um baterista muito talentoso, enquanto o baixista Rafael Biebrach segura com força as bases. O groove volta imponente em 'Chaospiracy', detalhe que torna realçado a performance do vocalista Flávio Giraldelli. E mais uma vez a dupla baixo-bateria mostra pujança! O Thrash clássico volta a mandar em 'Sanity Is Not An Option', com mais um grande solo de Daniel Pereira, dono de um estilo sujo e sem cerimônias para solar.

Sob produção de Sebastian Ortonol, o som é de qualidade e vem com aquela módica sujeira que se faz necessária ao Groove Metal. O volume da bateria está destacado, e há um ou outro momento em que ela esconde as bases de guitarra. Certo que Maruyama é bastante capaz, e é bom que se note isso, mas a guitarra precisa de seu lugar como líder para que as músicas se tornem ainda mais robustas. Mas são coisas pontuais que é lógico que o CONCEPT OF HATE tem condições de melhorar.

Como sugere o nome do grupo andreense, ódio é o que as músicas propagam, e arrojo é o que os músicos tem de sobra para tal. Com todo este sangue que a banda expele dos olhos, o CONCEPT OF HATE ainda vai dar muitos murros nas caras dos apreciadores de violência sonora. O quarteto já tem outras composições prontas e já está em vias de labuta do primeiro full-length.

Ah, é bom que a capa do próximo trabalho venha com tarja preta, porque vai afetar fortemente o sistema nervoso de quem o ouvir.

Black Stripe Poison - Concept Of Hate (independente, 2015)

Tracklist
01. Black Stripe Poison
02. In Human Nature
03. Chaospiracy
04. Sanity Is Not An Option

Line-up
Flávio Giraldelli - vocais
Daniel Pereira - guitarras
Rafael Biebrach - baixo
Takashi Maruyama - bateria


Outras resenhas de Black Stripe Poison - Concept Of Hate

Concept of Hate: Encorpado Groove Metal nacional



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Concept Of Hate"


SaúdeSaúde
Bater cabeça pode causar danos ao cérebro

Musas do MetalMusas do Metal
As bandas que elas ouvem quando estão em casa

Cradle of FilthCradle of Filth
Chimbinha, do Calypso, usando camiseta?

Dane-se Bruce Dickinson: Simone Simons no metrô é muito melhorMetallica: Jason explica o baixo apagado de And Justice For AllGuns N' Roses: Axl se atrasava porque tinha fobia de palco?System Of a Down: "Chop Suey" na feira de talentos na escola

Sobre Bruno Rocha

Cearense de Caucaia, professor e estudante de Matemática, torcedor do Ferroviário e cafélotra. Entrou pelas veredas do Heavy Metal na adolescência e hoje é um aficionado e pesquisador de todos os gêneros mais tradicionais desta arte e de suas épocas. Tem como forte o Doom Metal, não obstante o sol de sua terra-natal.

Mais matérias de Bruno Rocha no Whiplash.Net.