Glenn Hughes: Mais um grande álbum do veterano da música

Resenha - Resonate - Glenn Hughes

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Ricardo Pagliaro Thomaz
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 10

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Pensei que não veria mais um disco solo de Glenn Hughes! O ex-Deep Purple esteve tão entretido com o seu supergrupo, o excelente Black Country Communion, que não deu mais sinais de que lançaria algo novo; seu último lançamento solo foi em 2008.

990 acessosBlack Country Communion: novo álbum sai em setembro5000 acessosBlack Sabbath: a polêmica capa do primeiro álbum

É com grande alegria que anuncio o retorno triunfal de Hughes e seu vozeirão soul, que a cada ano parece que fica melhor, diferente de vários outros vocalistas por aí!

Eu tenho sido um seguidor assíduo da carreira solo do baixista e vocalista desde 2003, quando ele lançou o maravilhoso Songs in the Key of Rock e me apresentou a seus projetos solo. O que sempre me atraiu no Hughes foi a combinação de sua potente voz soul, quase como uma voz de cantor negro, voz inclusive que só melhora com o passar dos anos, tanto que ele ainda é capaz de alcançar notas altíssimas, e também o seu estilo que mixa o melhor do Hard Rock com os gêneros do Funk americano e do Soul, as vezes até aliados a arranjos de Jazz.

Sim, o cara é versátil dessa forma. E se você observar as fases dele no Deep Purple e no Trapeze nos anos 70, vai perceber que todos estes elementos sempre estiveram em sua música. Resonate, lançado em Outubro de 2016, apenas faz o trabalho de nos lembrar novamente de todos estes valores sensacionais de seu som, e claro, nos traz novamente ao universo do músico, que ainda nos dias de hoje, ressona em nossa memória afetiva e nos proporciona novos e bons momentos do mais puro Rock'N'Roll. Glenn Hughes, David Coverdale, Tommy Bolin, Joe Lynn Turner... cara... o Deep Purple é realmente uma fábrica de Rock da mais alta qualidade! Quando alguém sai da banda, pode não fazer mais parte dela, mas a música permanece indelével no coração e na alma do cara que integrou o grupo inglês. Vamos então ao novo e vibrante lançamento de Glenn Hughes.

Para começar, os destaques, aquelas músicas que eu fiquei voltando diversas vezes no carro, e nunca me canso de ouvir. "Heavy", por exemplo, que abre o disco. Um exemplar da força e da categoria que o músico sempre teve! Um som forte, um Rock marcante, e, como diz o título, pesado! Glenn Hughes literalmente começa matando no grito. "Flow" tem aquele peso que ele imprimia no Purple, e de uma certa forma até mesmo lembra o peso do Sabbath; não por acaso, Hughes já trabalhou com Tony Iommi algumas vezes.

"Let It Shine" também se tornou outra de minhas favoritas; ela mistura o peso do Rock com a sutileza do Soul de compositores como Stevie Wonder, por exemplo. Também curti demais o trabalho de arranjos de Hughes com o tecladista australiano Lachy Doley e do dinamarquês Søren Andersen na guitarra, na ótima "Steady" e na pesada "How Long".

Depois destes destaques, tem aquelas músicas que você sempre pode esperar do músico. "My Town", por exemplo, é pesada e com um groove bastante excitante, assim como "God Of Money" e seus ótimos riffs e passagens. O lado mais Soul do músico, lado esse que ele nunca se preocupou em esconder, está bem impresso na boa "When I Fall", e na animada "Landmines"; e eis um último motivo para você ir atrás deste CD, a doce, triste e belíssima faixa de fechamento, a balada acústica "Nothing's The Same".

Em outras palavras, meu amigo, mais um grande álbum de Glenn Hughes, um veterano da música que sempre praticou aquele Hard Rock enérgico e maravilhoso de se ouvir. E podem ter certeza que, assim como a capa do disco faz referência ao púrpura profundo da qual Hughes foi protagonista indelével na história, a ideia que passa o nome do disco será praticada por mim, pois este disco vai ressonar durante muito tempo aqui no meu sistema de som. Faça você o mesmo e vá atrás dele.

Resonate (2016)
(Glenn Hughes)

Tracklist:
01. Heavy
02. My Town
03. Flow
04. Let It Shine
05. Steady
06. God of Money
07. How Long
08. When I Fall
09. Landmines
10. Stumble & Go
11. Long Time Gone
12. Nothing's the Same

Selo: Frontiers

Banda:
Glenn Hughes: voz, baixo, violão
Søren Andersen: guitarra
Pontus Engborg: bateria (faixas 2 - 10)
Chad Smith: bateria (faixas 1 e 11)
Lachy Doley: teclados
Luis Maldonado: violão (faixa 12)
Anna Maldonado: violoncelo (faixa 12)

Discografia anterior:
- First Underground Nuclear Kitchen (2008)
- Music for the Divine (2006)
- Iommi/Hughes - Fused (2005) - colaborativo
- Soul Mover (2005)
- Hughes Turner Project 2 (2003) - colaborativo
- Songs in the Key of Rock (2003)
- Hughes Turner Project (2002) - colaborativo
- Building the Machine (2001)
- A Soulful Christmas (2000)
- Return of Crystal Karma (2000)
- The Way It Is (1999)
- Addiction (1996)
- Feel (1995)
- From Now On... (1994)
- L.A. Blues Authority Volume II: Glenn Hughes – Blues (1992)
- Hughes/Thrall (1982) - colaborativo
- Play Me Out (1977)

Site: www.glennhughes.com

Para mais informações sobre música, filmes, HQs, livros, games e um monte de tralhas, acesse também meu blog: acienciadaopiniao.blogspot.com.br

5000 acessosQuer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

990 acessosBlack Country Communion: novo álbum sai em setembro0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Glenn Hughes"

VocalistasVocalistas
Os 10 melhores da história do rock

Glenn HughesGlenn Hughes
"Cheguei à beira da insanidade real!"

Deep PurpleDeep Purple
"As coisas desabaram devido a muito sexo, drogas e Rock'N'Roll!"

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Glenn Hughes"

Black SabbathBlack Sabbath
A polêmica capa do primeiro álbum

Metal suecoMetal sueco
Site elege as dez melhores bandas da Suécia

CinemaCinema
Participações de astros do rock em filmes

5000 acessosMusic Radar: Os melhores álbuns de Heavy Metal de todos os tempos5000 acessosFilhos de Rockstars: qualquer coincidência é semelhança5000 acessosMetallica: integrantes andaram ouvindo Exaltasamba?5000 acessosPeppa Pig: "Eu gosto disso! É muito adulto!"5000 acessosPantera: Em 1993, a estreia avassaladora em palcos brasileiros5000 acessosShawn Drover: "Lars Ulrich estava certo", diz ex-Megadeth

Sobre Ricardo Pagliaro Thomaz

Roqueiro e apreciador da boa música desde os 9 anos de idade, quando mamãe me dizia para "parar de miar que nem gato" quando tentava cantarolar "Sweet Child O'Mine" ou "Paradise City". Primeiro disco de rock que ganhei: RPM - Rádio Pirata ao Vivo, e por mais que isso possa soar galhofa hoje em dia, escolhi o disco justamente por causa da caveira da capa e sim, hoje me envergonho disso! Sou também grande apreciador do hardão dos anos 70 e de rock progressivo, com algumas incursões na música pop de qualidade. Também aprecio o bom metal, embora minhas raízes roqueiras sejam mais calcadas no blues. Considero Freddie Mercury o cantor supremo que habita o cosmos do universo e não acredito que há a mínima possibilidade de alguém superá-lo um dia, pelo menos até o dia em que o Planeta Terra derreter e virar uma massa cinzenta sem vida.

Mais matérias de Ricardo Pagliaro Thomaz no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online