Kiss: Em 1976, Rock and Roll Over, a essência da banda

Resenha - Rock and Roll Over - Kiss

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Igor Miranda
Enviar correções  |  Ver Acessos

Em 11 de novembro de 1976, o Kiss colocava, no mercado, um de seus grandes clássicos. Muito além disso: é um dos álbuns que resumem a essência da formação que consagrou o grupo, formada por Paul Stanley, Gene Simmons, Ace Frehley e Peter Criss.

Ace Frehley: namorada consegue ordem de restrição contra ex-guitarrista do KissPantera: o surreal e constrangedor funeral de Dimebag Darrell

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Um ano antes, o Kiss finalimente saía da miséria, graças a "Alive!". Impulsionados pelo hit "Rock And Roll All Nite", o grupo começou a despontar. "Destroyer", feito no início de 1976, consolidou o quarteto como referência. O projeto se expandia.

Mas "Destroyer" rachou a banda de uma forma que não possibilitava recuperação. A diferença entre os objetivos da dupla Paul Stanley/Gene Simmons e os problemas com Ace Frehley e Peter Criss, seja com tóxicos, seja com a falta de ambição, se tornaram nítidos enquanto registravam o disco ao lado de Bob Ezrin.

"Rock And Roll Over" foi a forma que o Kiss encontrou para amenizar os próprios ânimos. Para isso, fizeram um disco menos planejado e gravado quase todo ao vivo, diferente de "Destroyer".

Menos aventureiro, "Rock And Roll Over" é o disco que melhor resume o que o Kiss fazia ao vivo - fora, evidentemente, os live albums. Músicas curtas (a mais longa tem 3min47seg), em formação guitarra-baixo-bateria, refrões fortes, riffs aparecidos e versatilidade vocal - Paul Stanley e Gene Simmons cantam quatro faixas cada e Peter Criss assume o microfone de outras duas por aqui.

Em "Rock And Roll Over", há de se destacar, também, que as particularidades começavam a tomar forma. Não há nenhuma canção feita pela dupla dinâmica Paul Stanley e Gene Simmons - apenas separados. Ace Frehley não contribuiu com nenhuma composição, e Peter Criss só colaborou com "Baby Driver", feita em parceria com o ex-companheiro de Lips e Chelsea, Stan Penridge.

O sucesso, inevitável, bateu novamente na porta dos quatro mascarados. Aliás, foi ainda maior: "Rock And Roll Over" foi o primeiro trabalho do Kiss a conquistar disco duplo de platina nos Estados Unidos, por duas milhões de cópias vendidas.

Particularmente, entre as minhas prediletas, estão a cativante "Mr. Speed", a roqueira "Ladies' Room" e a balada semi-country "Hard Luck Woman", composta por Paul e cantada por Peter após Rod Stewart, o alvo da composição, ter rejeitado gravá-la em sua carreira solo. Mas todo o disco é impecável.

Infelizmente, a formação original do Kiss nunca mais voltou a esse padrão de qualidade. "Love Gun" tem boas músicas, mas não é inteiro bom. E, depois dele, o quarteto nunca mais gravou um disco completo na íntegra. Uma pena.

Paul Stanley (vocal, guitarra)
Gene Simmons (vocal, baixo)
Ace Frehley (guitarra)
Peter Criss (vocal, bateria)

01. I Want You
02. Take Me
03. Calling Dr. Love
04. Ladies Room
05. Baby Driver
06. Love 'em and Leave 'em
07. Mr. Speed
08. See You in Your Dreams
09. Hard Luck Woman
10. Makin' Love

Comente: Qual a sua opinião sobre este clássico?


Outras resenhas de Rock and Roll Over - Kiss

Kiss: Não tão leve, mas também não tão pesado.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Kiss"


Ace Frehley: namorada consegue ordem de restrição contra ex-guitarrista do KissAce Frehley
Namorada consegue ordem de restrição contra ex-guitarrista do Kiss

Kiss: Peter Criss diz que Eric Carr era querido e um ótimo bateristaKiss
Peter Criss diz que Eric Carr era "querido e um ótimo baterista"

Matanza Inc: "Pode Ser Que Eu Me Atrase" foi criada em homenagem a Ace Frehley e Kiss

Kiss: pacotes VIP no Brasil custam de R$ 3 mil a quase R$ 17 milKiss
Pacotes VIP no Brasil custam de R$ 3 mil a quase R$ 17 mil

Kiss: foto clássica é editada com integrantes atuais e fãs criticamKiss
Foto clássica é editada com integrantes atuais e fãs criticam

Kiss: sem Paul Stanley, banda faz show para tubarões brancos; veja vídeoKiss
Sem Paul Stanley, banda faz show para tubarões brancos; veja vídeo

Kiss: Vinnie Vincent relança disco instrumental em edição limitada e com preço salgadoKiss
Vinnie Vincent relança disco instrumental em edição limitada e com preço salgado

Kiss: show ainda vale o ingresso? (video)Kiss
Show ainda vale o ingresso? (video)

Kiss: preços dos ingressos e mais informações sobre shows no BrasilKiss
Preços dos ingressos e mais informações sobre shows no Brasil

Kiss: Seis shows são confirmados no Brasil para maio de 2020Kiss
Seis shows são confirmados no Brasil para maio de 2020

Kiss: se não dermos o melhor, saímos e damos chance ao Greta Van FleetKiss
"se não dermos o melhor, saímos e damos chance ao Greta Van Fleet"

Gene Simmons: Falando sobre Weiland, Staley e CobainGene Simmons
Falando sobre Weiland, Staley e Cobain


Pantera: o surreal e constrangedor funeral de Dimebag DarrellPantera
O surreal e constrangedor funeral de Dimebag Darrell

Bruce Dickinson: foi difícil evitar as drogas durante toursBruce Dickinson
Foi difícil evitar as drogas durante tours


Sobre Igor Miranda

Jornalista formado pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU) e apaixonado por rock há mais de uma década. Começou a escrever sobre música em 2007, com o surgimento do saudoso blog Combe do Iommi. Atualmente, é redator-chefe da área editorial do site Cifras e mantém um site próprio (www.IgorMiranda.com.br). Também co-fundou o site Van do Halen, para o qual trabalhou até 2013.

Mais matérias de Igor Miranda no Whiplash.Net.

adGoo336