David Gilmour: Sinta a poesia e viaje na música do guitarrista

Resenha - Rattle That Lock - David Gilmour

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo Pagliaro Thomaz
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 10

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

O guitarrista David Gilmour retornou em Setembro do ano passado, com um novo álbum. Nem o fim do Floyd impediu que Gilmour e Waters continuassem suas bem-sucedidas carreiras solo. Sorte nossa. Durante este tempo, ainda não tive como falar sobre esta nova obra-prima de 2015. A carreira solo de Gilmour, apesar de bastante curta e espaçada, conta com ótimos discos. Sempre achei que Gilmour tinha uma aura musical que se destacava de qualquer outro membro do Floyd, o mesmo se aplica ao trabalho de Waters. Mas as influências mais jazzísticas do guitarrista sempre chamaram mais minha atenção.

David Gilmour: O que levou milionário a pagar milhões por guitarraMetallica: NME elege as 10 melhores músicas do grupo

Hoje, pegando novamente o disco novo dele, que já havia adquirido no começo do ano, me pego acolhido pelas suas magníficas melodias. O novo trabalho, Rattle That Lock, vem novamente permeado com estas influências jazzísticas e o estilo inconfundível que caracterizou toda a obra do cara. As melodias macias como a brisa, os solos bem escritos e vagarosamente polidos de sua expressiva guitarra, os arranjos absurdamente bem elaborados, enfim, toda a gama do espectro de seu trabalho. Não deveríamos esperar menos de um veterano como ele.

O álbum abre com a mensagem de liberdade expressa tão bem na esplêndida capa do disco, na dobradinha entre a introdução "5 A.M." seguida da faixa título, "Rattle That Lock" ironicamente, peguei o disco para degustar exatamente às 5 horas da manhã, enquanto me preparava para viajar a trabalho e às 17 horas novamente, em meu carro, enquanto relaxava de um cansativo dia. São composições que já se esperam ouvir de Gilmour, o beabá tradicional de seu inconfundível estilo.

O pausado e contemplativo piano introduz "Faces Of Stone", uma música que abre como uma balada e toma um ritmo com um arranjo meio circense. A letra e a atmosfera vem carregadas com aquela aura de nostalgia de tempos remotos e tom melancólico. A contemplativa "A Boat Lies Waiting" te faz sentir como se estivesse ao lado de um navegante, em meio a um calmo riacho, contemplando a imensidão do horizonte, e te encanta com o trabalho de coral de Gilmour, te levando de volta para os anos 70, à sonoridade de Dark Side Of The Moon, e a próxima, a jazzística "Dancing Right In Front Of Me" nos brinda com os arranjos arrojados e dançantes de Gilmour e sua banda.

O assobio suave de "In Any Tongue" introduz esta lenta, atmosférica, pausada e maravilhosa composição com elementos clássicos e muita melancolia. "Beauty" é a instrumental do disco, e mais uma vez vou de encontro ao arrojo e categoria instrumental de Gilmour que sempre baixam minhas defesas, me fazendo ser tragado pela malha sonora e viajar ao som da melodia. "The Girl in the Yellow Dress" é mais uma linda composição bem jazzística.

"Today" é mais roqueira, e tem todo o DNA Floydiano que caracteriza o trabalho dos caras nos anos 90, ou do disco anterior de Gilmour, On An Island. Finalmente, "And Then...", a instrumental arrastada e lindamente arranjada que fecha o álbum, te faz imaginar Gilmour andando em direção ao horizonte com sua guitarra e, como diz o próprio título que significa "e então...", colocando uma dúvida no desconhecido futuro, que talvez venha a acontecer, deixando uma janela aberta para algo mais que possa vir por aí.

"Chacoalhe esta fechadura"; esta é a mensagem do título do álbum. E como Gilmour nunca falha em nos presentear com a perfeição sonora que é sua irretocável carreira, eu recomendo aqui a você, que faça exatamente isso em sua pequena gaiola onde se aprisiona no desconhecimento musical desta nova obra de Gilmour. Chacoalhe, liberte-se! Sinta a poesia das notas do guitarrista e viaje em sua música.

Rattle That Lock (2015)
(David Gilmour)

Tracklist:
01. 5 A.M.
02. Rattle That Lock
03. Faces of Stone
04. A Boat Lies Waiting
05. Dancing Right in Front of Me
06. In Any Tongue
07. Beauty
08. The Girl in the Yellow Dress
09. Today
10. And Then...

Selos: Columbia

Discografia anterior:
- Metallic Spheres (The Orb feat. David Gilmour) (2010)
- On an Island (2006)
- About Face (1984)
- David Gilmour (1978)

Site oficial: www.davidgilmour.com

Para mais informações sobre música, filmes, HQs, livros, games e um monte de tralhas, acesse também meu blog:
http://acienciadaopiniao.blogspot.com.br


Outras resenhas de Rattle That Lock - David Gilmour

David Gilmour: para os fãs do Pink Floyd da fase pós-WatersDavid Gilmour: novo álbum é antítese do nosso cotidiano aceleradoDavid Gilmour: Rattle That Lock é estupendo e fascinante




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "David Gilmour"


David GilmourDavid Gilmour
O que levou milionário a pagar milhões por guitarra

David GilmourDavid Gilmour
Calafrios ao pensar em fazer algo com o Pink Floyd

David GilmourDavid Gilmour
Dissecando a magnífica "High Hopes"

David GilmourDavid Gilmour
"A música moderna é estereotipada demais"


MetallicaMetallica
New Music Express elege as melhores músicas do grupo

Cradle of FilthCradle of Filth
Chimbinha, do Calypso, usando camiseta?

SlayerSlayer
"Raining Blood" é brutal, mesmo com a bateria da Barbie

Noisecreep: os 10 clipes mais assustadores do heavy metalMetallica: a letra que fez Hammett e Hetfield choraremAteísmo: vídeo cristão faz reflexão sobre alguns rockstarsSlipknot: as participações na trilha sonora de filmes

Sobre Ricardo Pagliaro Thomaz

Roqueiro e apreciador da boa música desde os 9 anos de idade, quando mamãe me dizia para "parar de miar que nem gato" quando tentava cantarolar "Sweet Child O'Mine" ou "Paradise City". Primeiro disco de rock que ganhei: RPM - Rádio Pirata ao Vivo, e por mais que isso possa soar galhofa hoje em dia, escolhi o disco justamente por causa da caveira da capa e sim, hoje me envergonho disso! Sou também grande apreciador do hardão dos anos 70 e de rock progressivo, com algumas incursões na música pop de qualidade. Também aprecio o bom metal, embora minhas raízes roqueiras sejam mais calcadas no blues. Considero Freddie Mercury o cantor supremo que habita o cosmos do universo e não acredito que há a mínima possibilidade de alguém superá-lo um dia, pelo menos até o dia em que o Planeta Terra derreter e virar uma massa cinzenta sem vida.

Mais matérias de Ricardo Pagliaro Thomaz no Whiplash.Net.

adGooILQ