Running Wild: A Fase De Ouro da Pirataria

Resenha - Port Royal - Running Wild

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Vitor Sobreira
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Imagino que quase ninguém presta muita atenção ao título de um disco, mas como ignorar um como "Port Royal"? Para quem não sabe, foi um importante e conhecido centro de comércio e navegação na Jamaica a partir do século XVII, tendo sido dominado inicialmente pelos espanhóis, foi adquirido depois pelos ingleses, e, por questões de localidade, acabou servindo de refugio para piratas. Ou seja, um prato cheio para o nosso amigo Rolf se deliciar mais do que comendo Chucrute!

5000 acessosMetallica: Lars sabe que os fãs não gostam do St. Anger5000 acessosIron Maiden: Perguntas e respostas e curiosidades diversas

Se 'Under Jolly Roger' já apresentou indícios da temática que marcaria para sempre o Running Wild, 'Port Royal' foi o passo definitivo para mostrar (ainda mais) amadurecimento e a consolidação de uma fase que não seria apenas uma "tempestade passageira", mas sim algo eterno de uma das principais bandas do estilo.

Heavy Metal sem frescuras e bem ousado é o que você presenciará aqui, pois o cara soube muito bem o que estava fazendo, e não quis desapontar a ninguém com músicas fortes e bem tocadas, todavia, um pouco menos "agressivas".

Não há do que reclamar em um trabalho como este, principalmente por contar com alguns destaques como as empolgantes "Port Royal", "Raging Fire", a instrumental "The Final Gates", "Conquistadores", "Uaschitschun" (que é uma palavra indígena-americana usada para 'homem branco') e "War Child" que é a faixa mais veloz e ainda conta com um som de tiro aos 1:17", dando ainda mais emoção.

Este é sem dúvidas um dos principais discos do Running Wild em sua fase de ouro... Basta conferir!!

Integrantes:
Rock 'n' Rolf - Vocals, Guitars
Majk Moti - Guitars
Jens Becker - Bass
Stefan Schwarzmann - Drums

Faixas:
1. Intro
2. Port Royal
3. Raging Fire
4. Into the Arena
5. Uaschitschun
6. Final Gates
7. Conquistadores
8. Blown to Kingdom Come
9. Warchild
10. Mutiny
11. Calico Jack

Lançamento: Setembro/1988 - Noise Records

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Port Royal - Running Wild

2831 acessosTradução - Port Royal - Running Wild

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Running Wild"

Metal AlemãoMetal Alemão
About.com elege as melhores bandas

Top 10Top 10
Os mais influentes álbuns de Metal Tradicional

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Running Wild"

MetallicaMetallica
Lars sabe que os fãs não gostam do St. Anger

Iron MaidenIron Maiden
Perguntas e respostas e curiosidades

Dream TheaterDream Theater
Estranhas semelhanças na capa de álbum

5000 acessosKeith Richards: colocando Justin Bieber em seu devido lugar5000 acessosNirvana: Polícia de Seattle libera novas fotos do corpo de Cobain5000 acessosPearl Jam: banda tenta tocar Rush em homenagem a Geddy Lee mas desiste5000 acessosMetalcore: 13 músicas que um fã de death metal deve gostar5000 acessosFutebol: conheça os times do coração de alguns rockstars5000 acessosMegadeth: a bizarra contratação de Marty Friedman

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 24 de abril de 2016

Sobre Vitor Sobreira

Moro no interior de Minas Gerais e curto de tudo um pouco dentro do maravilhoso mundo da música pesada, além de não dispensar também uma boa leitura, filmes e algumas séries. Mesmo não sendo um profissional da escrita, tenho como objetivos produzir textos simples e honestos, principalmente na forma de resenhas, apresentando e relembrando aos ouvintes, bandas e discos de várias ramificações do Metal/Heavy Rock, muitos dos quais, esquecidos e obscuros.

Mais matérias de Vitor Sobreira no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online