Babymetal: Banda amadurece e abraça novas influências

Resenha - Metal Resistance - Babymetal

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Seguir Whiplash.Net

Por Victor de Andrade Lopes, Fonte: Sinfonia de Ideias
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

O estrondoso sucesso comercial e de crítica do álbum de estreia autointitulado das Babymetal, bem como o das subsequentes turnês, o que se soma ainda à aceitação que elas tiveram entre muitos headbangers e até entre grandes representantes do gênero cravaram o nome delas definitivamente na história do heavy metal.

1304 acessosDragonforce: E se os guitarristas tocassem com outras bandas?5000 acessosHeart: a suruba que não rolou com Alex e Eddie Van Halen

Mas as meninas, que provavelmente estão fazendo o dono da agência delas sorrir de orelha a orelha, ainda haveriam de passar por uma prova mais: a da continuação. Seria um segundo lançamento capaz de manter o nível do primeiro? Ou ele patinaria numa tentativa de reproduzir uma fórmula já usada anteriormente? Nem uma coisa nem outra. Metal Resistance não está no mesmo nível de Babymetal, ele simplesmente está acima. Ele tampouco tenta copiar seu antecessor. As fórmulas se mantiveram, mas o disco claramente abraça novas influências sem medo de ser feliz.

A abertura "Road of Resistance" já "chega chegando" com a participação de dois músicos experientes na arte de driblar o choro dos tr00 666 from hell: Herman Li e Sam Totman, os guitarristas do sexteto britânico de power metal extremo DragonForce, cuja música quase-caricata é alvo de críticas dos maidendependentes. A mistura de duas das bandas mais inusitadas da atualidade deu mais certo do que poderia ser previsto.

A sequência "Karate" parece um recado pros haters. Tem uma clara influência metalcore - e o álbum vai além, explorando a variante electronicore de forma brilhante em "From Dusk Til Dawn", com influências que nos remetem até aos momentos mais chatos do Coldplay, só que justamente sem a chatice.

"Awadama Fever" e "Yava!" recuperam o lado mais pop da banda, com riffs menos agressivos. A primeira parece até uma continuação de "Gimme Choko!!", do trabalho anterior. "Amore" poderia servir de abertura para um anime qualquer, não fosse a instrumentação fritada à la DragonForce.

A surpreendente "Meta Taro" parece saída de um disco qualquer do Korpiklaani, com seus riffs galopantes, atmosfera viking e a bem-vinda inclusão de um acordeão na instrumentação. E aí (depois da já comentada "From Dusk Til Dawn"), vem "GJ!", surpreendendo novamente com riffs metalcore/progressivos reminiscentes de Asking Alexandria, Circus Maximus e Leprous. O "mi-mi-mi-mi" proferido aos 26 segundos parece até uma indireta aos haters brasileiros.

"Sis. Anger" é uma das mais agressivas lançadas por elas, com riffs rápidos de thrash e blast beats bem nervosas intercaladas com passagens mais lentas e poderosas. Tudo isso logo antes de "No Rain, No Rainbow", aquela baladinha básica para desacelerar um pouco o ritmo. Este tipo de música, quando feita por artistas japoneses, ganha um charme em particular, que só quem escuta B'z, GLAY e L'arc~en~ciel entende.

Fechando o álbum com chave de ouro, as surpreendentes "Tales of the Destinies" e "The One". Progressivas e técnicas, a primeira mistura essas bandas novas da cena progressiva (Haken, Leprous, Withem, Prospekt, etc.); enquanto que a segunda parece saída do Images and Words, do quinteto estadunidense de metal progressivo Dream Theater. Um trabalho impecável na guitarra quase nos faz consultar o encarte à procura de John Petrucci na lista de convidados.

Por um lado, abandonar um pouco o lado pop tornou a música da banda mais acessível à comunidade do metal, mas ao mesmo tempo quase deu fim naquilo que as tornou tão distintas. Quase. Metal Resistance não tem mais aquele elemento de choque do disco de estreia delas, ainda que tenha suas surpresas. Ele é mais um álbum de evolução, para mostrar que as meninas eram bem mais do que uma jogada de marketing (embora ainda o sejam). Elas amadureceram e abraçaram novas influências, diversificando seu som.

Se o seu amigo hater não começar a gostar delas ouvindo este lançamento, não começará nunca mais. E digo mais: as Babymetal mostraram definitivamente que são um projeto "sério", capaz de se comportar como uma banda "de verdade", que evolui e busca a própria superação, apesar de todo o aspecto publicitário envolvido.

Abaixo, o vídeo de "Karate":

Track-list:
1. "Road of Resistance"
2. "Karate"
3. "Awadama Fever"
4. "Yava!"
5. "Amore"
6. "Meta Taro"
7. "From Dusk Till Dawn"
8. "GJ!"
9. "Sis. Anger"
10. "No Rain, No Rainbow"
11. "Tales of the Destinies"
12. "The One - English ver. -"

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Seguir Whiplash.Net

Outras resenhas de Metal Resistance - Babymetal

3279 acessosBabymetal: "Chupem, haters, Metal Resistance é brilhante"


1304 acessosDragonforce: E se os guitarristas tocassem com outras bandas?895 acessos2017: os álbuns favoritos do redator Victor de Andrade Lopes0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Dragon Force"

PorradaPorrada
Músicos que praticam ou já praticaram algum tipo de arte marcial

GuitarrasGuitarras
As 15 músicas mais complicadas para tocar

A7X, Metallica, DragonforceA7X, Metallica, Dragonforce
E se eles tocassem fora do tempo?

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Babymetal"0 acessosTodas as matérias sobre "Dragon Force"


HeartHeart
A suruba que não rolou com Alex e Eddie Van Halen

CriançasCrianças
Como cresceram as de "Nevermind", "War" e outras

ShamanShaman
Fernando Quesada desabafa sobre cena brasileira

5000 acessosMais Alto!: A diferença entre headbangers e humanos comuns5000 acessosOasis: Noel Gallagher acusa Green Day de plágio5000 acessosDia do Rock: dez tentativas brasileiras de assassinar o gênero5000 acessosDimebag: mensagem do além em anúncio de série britânica5000 acessosDave Navarro: pornografia hoje ocupa lugar do Rock5000 acessosSlash: a guitarra que gentilmente chora

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 12 de abril de 2016


Sobre Victor de Andrade Lopes

Victor de Andrade Lopes é jornalista (Mtb 77507/SP) formado pela PUC-SP com extensões em Introdução à História da Música e Arte Como Interpretação do Brasil, ambas pela FESPSP. É também membro do Grupo de Usuários Wikimedia no Brasil e responsável pelo blog Sinfonia de Ideias. Morador de Carapicuíba-SP, é apaixonado por livros, ciências, cultura pop, games, viagens, ufologia, e, é claro, música: rock, metal, pop, dance, folk, erudito e todos os derivados. Também toca piano e teclado nas horas livres.

Mais matérias de Victor de Andrade Lopes no Whiplash.Net.