Oceans of Slumber: Progressive/Gothic/New Metal surpreendente

Resenha - Winter - Oceans of Slumber

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Vicente Reckziegel
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 8

O Oceans of Slumber "nasceu" no Texas em 2011, apesar dos membros da banda já se conhecerem muito antes da formação do grupo. E o sexteto americano está soltando agora no mês de Março seu segundo álbum, de nome "Winter", que no principio pode dar a errônea impressão de ser um clássico exemplo de Gothic Metal, mas cujo estilo também é muito calcado no Progressivo e até mesmo alguns toques de New Metal. Ou seja, não se enganem ao imaginarem ser somente mais uma banda gótica.

Separados no nascimento: Ozzy Osbourne e Jim CarreyPower Metal: 10 álbuns essenciais segundo About.com

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

E é tão bom ver algo que, num mundo ideal ou mesmo normal, nem precisaria ser citado. Em meio a tantas divas escandinavas com peles tão alvas que chegam a ser transparentes, ver uma bela representante da raça negra fazendo um trabalho sensacional como o realizado aqui por Cammie Gilbert é de encher os olhos (e ouvidos).

Falando das músicas em si, tudo começa com a faixa-titulo "Winter", que mostra ser o cartão de visitas ideal da banda, onde demonstram toda a capacidade como músicos e compositores, tendo uma gama grande de variações durante seus quase 8 minutos de duração. O vídeo da mesma pode ser encontrado ao final da resenha. Na sequência temos a pesada "Devout", com bateria incessante e um trabalho vocal diferente que casou legal com a proposta da música. "Nights in White Satin" é cover de The Moody Blues, com desempenho impecável de Cammie. Após duas faixas curtas e suaves, temos outra que acaba de virar vídeo, "Suffer the Last Bridge", uma escolha sábia, pois a música tem uma sonoridade mais comercial, mas não descartável, sendo um ponto alto de "Winter".

Após outra faixa curta e sem grandes atrativos (Good Life), temos "Sunlight", que é mais cadenciada, mas cujo resultado ficou interessante. "Turpentine" parece de certa forma uma continuação da anterior, enquanto "Apologue" é pesada, com um clima um pouco mais caótico e alguns vocais típicos de Death Metal, sendo um grande contraponto as faixas anteriores. Após mais um interlúdio (uma constante aqui), temos a bela e emocionante "... This Road", que até tem um certo ar do que o Anathema fazia na época do disco "Eternity". "Grace" encerra o álbum de forma legal, uma faixa instrumental somente ao piano.

Não irão encontrar nenhuma novidade em "Winter", mas para os fãs do Gothic/Progressive/New Metal/Rock (existe isso?), o Oceans of Slumber desde já passa a ser uma boa sugestão para aqueles que procuram uma novidade neste estilo...

Formação:
Cammie Gilbert - Vocal
Anthony Contreras - Guitarra
Sean Gary - Guitarra
Keegan Kelly - Baixo
Uaeb Yelsaeb - Teclado
Dobber Beverly - Bateria

13 Faixas - 59:58

Tracklist:
1. Winter (07:57)
2. Devout (05:07)
3. Nights In White Satin (05:45)
4. Lullaby (01:45)
5. Laid To Rest (01:41)
6. Suffer The Last Bridge (05:00)
7. Good Life (02:07)
8. Sunlight (05:34)
9. Turpentine (05:31)
10. Apologue (06:55)
11. How Tall The Trees (01:33)
12. ... This Road (07:43)
13. Grace (03:20)


Outras resenhas de Winter - Oceans of Slumber

Oceans of Slumber: Um álbum especial e que você precisa ouvir




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Oceans Of Slumber"


Separados no nascimento: Ozzy Osbourne e Jim CarreySeparados no nascimento
Ozzy Osbourne e Jim Carrey

Power Metal: 10 álbuns essenciais segundo About.comPower Metal
10 álbuns essenciais segundo About.com


Sobre Vicente Reckziegel

Servidor público, escritor, mas principalmente um apaixonado pelo Rock e Metal há pelo menos duas décadas. Mantêm o Blog Witheverytearadream desde Dezembro de 2007. Natural e ainda morador de uma pequena cidade no interior do Rio Grande do Sul, chamada Estrela. Há muitos anos atrás tentou ser músico, mas notou que faltava algo simples: habilidade para tocar qualquer instrumento. Acredita na música feita no Brasil, e gosta de todos os gêneros, desde Rock clássico até Black Metal.

Mais matérias de Vicente Reckziegel no Whiplash.Net.

adGoo336